Qualidade energética da madeira e do carvão vegetal do fuste e galho de Eucalyptus urophylla aos seis anos de idade

Authors

  • Guilherme de Miranda Fernandes Reis
  • Raquel Marchesan
  • Karolayne Ferreira Saraiva
  • Renata Carvalho da Silva
  • Carla Jovania Gomes Colares
  • Cristiano Bueno de Moraes
  • Geiser Gabriel de Oliveira
  • Thatiele Pereira Eufrazio de Moraes

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv21n8-050

Keywords:

carbono fixo, densidade energética, energia de biomassa, lignina

Abstract

Este trabalho teve como objetivo determinar as propriedades energéticas da madeira e do carvão vegetal produzido com a biomassa do fuste e do galho de Eucalyptus urophylla aos seis anos de idade.  Para tal, foram selecionadas cinco árvores, das quais foram coletados discos da base, DAP e topo do fuste e material dos galhos. Da madeira do fuste e galho foram determinadas a densidade básica, teor de extrativos totais, lignina total e holocelulose. Para a obtenção do carvão vegetal, a madeira passou pelo processo de pirólise com temperatura final de 500°C e taxa de aquecimento de 5°C/min. Após a produção do carvão vegetal foram analisadas as propriedades energéticas por parâmetros como densidade a granel, análise química imediata (matérias voláteis, carbono fixo e cinzas), poder calorífico, densidade energética e estoque de carbono fixo. Por meio da análise dos resultados foi possível concluir que a madeira do fuste dá origem a um carvão vegetal de melhor qualidade, visto que a madeira apresentou maior teor de lignina (27,89 %), consequentemente maior teor de carbono fixo (76,77 %), e maior poder calorífico (7488,64 kcal/kg) do carvão vegetal. Porém, por mais que o galho tenha apresentado valores médios menores para as propriedades energéticas do carvão vegetal, o mesmo ainda pode ser considerado uma biomassa com bom potencial para a produção de energia.

References

American Society For Testing And Materials. ASTM D-2395: Standard Test Methods for Specific Gravity of Wood and Wood-Based.

American Society For Testing And Materials - ASTM D 1762-84: Standard method for chemical analyses of wood charcoal. Philadelphia: ASTM International, p.2, 2007.

ANDRADE, A. M. “Influência da casca de Eucalyptus grandis W. Hill ex Maiden no rendimento e qualidade de carvão vegetal”, Dissertação de MSs 1989. 86 f. PPGCF/UF, Viçosa, MG, Brasil, 1989.

ANDRADE, C.de; MAYER, S.L.S.; FERRAZ, F.A.; MARCHESAN, R.; ROSSI, L.; SILVA, D. A. da. Propriedades energéticas da madeira e do carvão de Hovenia dulcis Thunberg. Ciência da Madeira, Pelotas, RS, v. 10, n. 2 (2019).

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – NBR 8112 Carvão vegetal – análise imediata, Out/1986.

BRUN, E. J.; BERSCH, A. P.; PEREIRA, F. A.; SILVA, D. A.; BARBA, Y. R.; JUNIOR, D. R. J. Caracterização energética da madeira de três materiais genéticos de Eucalyptus sp. Revista Floresta, Curitiba, PR, v. 48, n. 1, p. 87-92, jan. 2018.

BRAND, M. A. Energia da Biomassa Florestal. Editora Interciência, Rio de janeiro, 2010.

CHANNIWALA, S.A.; PARIKH, P.P. (2002) A Unified Correlation for Estimating HHV of Solid, Liquid and Gaseous Fuels. Combustível, 81, 1051-1063.

FERREIRA, M. Escolha de Espécies de Eucalipto. Circular Técnica IPEF, v.47, p.1-30, 1979.

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE ÁRVORES - IBÁ. Relatório 2020. Brasília, p. 66, 2020.

JARA, E. R. (1989). O poder calorífico de algumas madeiras que ocorrem no Brasil. São Paulo: Comunicação Técnica.

MEIRA, A. M. Caracterização sócio-ambiental e tecnológica da produção de carvão vegetal no município de Pedra Bela, Estado de São Paulo. Piracicaba, 2002. 99 p. Dissertação (mestrado) Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, 2002.

NICOLINI, K. P.; CASAGRANDE, M.; JESUS, A.C. de. Pirólise de Biomassa em Baixas Temperaturas. Campinas: Átomo, p.17, 2013.

PAULA, L. E. R.; TRUGILHO, P. F.; NAPOLI, A.; BIANCHI, M. L. Characterization of residues from plant biomass for use in energy generation. Cerne, Lavras, MG, v. 17, n. 2, p. 237-246, 2011.

PROTÁSIO, T. P.; BUFALINO, L.; TONOLI, G. H. D.; COUTO, A. M.; TRUGILHO, P. F.; GUIMARÃES JÚNIOR, M. Relação entre o poder calorífico superior e os componentes elementares e minerais da biomassa vegetal. Pesquisa Florestal Brasileira, Colombo, v. 31, n. 66, p. 122 -133, 2011.

PROTÁSIO, P. T.; COUTO, A. M.; DOS REIS, A. A., TRUGILHO, P. F., & GODINHO, T. P. Potencial siderúrgico e energético do carvão vegetal de clones de Eucalyptus spp aos 42 meses de idade. Pesquisa Florestal Brasileira, v. 33, n. 74, p. 137-149, 2013.

REIS, A. A. dos; PROTÁSIO, T. de P.; MELO, I. C. N. A. de; TRUGILHO, P. F.; CARNEIRO, A. de C. O. Composição da madeira e do carvão vegetal de Eucalyptus urophylla em diferentes locais de plantio. Pesquisa Florestal Brasileira, [S. l.], v. 32, n. 71, p. 277, 2012.

SANTOS, S. F. O. et al. Processo sustentável de produção de carvão vegetal quanto aos aspectos: ambiental, econômico, social e cultural. Produção, v. 22, n. 2, p. 309-321, mar./abr. 2012.

SANTOS, I. D. Influência dos teores de lignina, holocelulose e extrativos na densidade básica, contração da madeira e nos rendimentos e densidade do carvão vegetal de cinco espécies lenhosas do cerrado. 2008. 57 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) - Universidade de Brasília, Brasília, DF.

SCANAVACA JUNIOR, L. Caracterização silvicultural, botânica e tecnológica do Eucalyptus urophylla S. T. Blake e de seu potencial para utilização em serraria. 2001. 108 f. Dissertação (Mestrado em Ciências) - Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, Piracicaba. 2001.

TRUGILHO, P. F.; LIMA, J. T.; MENDES, L.M. Influência da idade nas características físico-químicas e anatômicas da madeira de Eucalyptus saligna. Revista Cerne, Lavras, v. 2 n. 1. p. 94-111. 1996.

TRUGILHO, P. F.; VITAL, B. R.; REGAZZI, A. J.; GOMIDE, J. L. Aplicação da análise de correlação canônica na identificação de índices de qualidade da madeira de eucalipto para a produção de carvão vegetal. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 21, n. 2, p. 259 -267, 1997.

VALE A.T.; ABREU, V.L.S.; GONÇALES, J. C.; COSTA, A. F. Estimativa do poder calorífico superior do carvão vegetal de madeiras de Eucalyptus grandis em função do teor de carbono fixo e do teor de materiais voláteis. Brasil Florestal, v. 21, n. 73, p.47-52, 2002.

VALE, A. T.; DIAS, S. Í.; SANTANA, M. A. E. Relações entre propriedades químicas, físicas e energéticas da madeira de cinco espécies de cerrado. Ciência Florestal, Santa Maria, RS, v. 20, n. 1, p. 137-145, 2010.

ZEFERINO, M C. O Desmatamento e o Inventário Florestal no Cerrado Brasileiro. Mata Nativa, p. 1, 22. maio 2018.

WASTOWSKI, AD. Química da madeira.1 ed. Rio de Janeiro: Editora Interciência, 2018. 566p.

Published

2023-08-14

How to Cite

Reis, G. de M. F., Marchesan, R., Saraiva, K. F., da Silva, R. C., Colares, C. J. G., de Moraes, C. B., de Oliveira, G. G., & de Moraes, T. P. E. (2023). Qualidade energética da madeira e do carvão vegetal do fuste e galho de Eucalyptus urophylla aos seis anos de idade. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 21(8), 8735–8752. https://doi.org/10.55905/oelv21n8-050

Issue

Section

Articles

Most read articles by the same author(s)