Enxertia de cultivares de maracujazeiro sobre Passiflora foetida L. E influência da idade da enxertia

Authors

  • Roseano Medeiros da Silva
  • Eudes de Almeida Cardoso
  • Fábio Gelape Faleiro
  • Paulo César Ferreira Linhares
  • Érica dos Santos Barreto
  • Roberto Pequeno de Sousa
  • Janilson Pinheiro de Assis
  • Lucas Vinícius da Cunha Lobato

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv21n7-017

Keywords:

Passiflora edulis sims, propagação, porta-enxerto

Abstract

O objetivo deste trabalho foi avaliar três cultivares de maracujazeiro azedo enxertado  sobre Passiflora foetida L. em três diferentes idades da enxertia. As sementes dos enxertos foram das cultivares BRS Sol do Cerrado, Redondo Amarelo (Topseed®) e uma seleção local. O delineamento adotado foi em blocos completos casualizados com dez repetições, sendo cada parcela constituída de duas plantas em um esquema fatorial 3x3, onde os fatores foram às combinações de três cultivares de maracujazeiro enxertadas sobre a espécie  P. foetida em três idades da enxertia (15; 30 e 45 dias após a germinação dos enxertos e porta-enxertos). A semeadura dos enxertos foi realizada simultaneamente às do porta-enxerto, em sacos de polietileno preto com capacidade para 1 litro de volume, sendo o substrato composto da mistura de terra de barranco (75%) e esterco bovino curtido (25%), acrescido de uma mistura de 500 g m-3 de uma formulação comercial de N-P-K (4-14-8). O tipo de enxertia adotado foi o de fenda cheia. Avaliou-se aos 15, 30, 45 e 60 dias após a enxertia a sobrevivência das mudas e aos 60 dias após a enxertia, o número de folhas, diâmetro do enxerto e porta-enxerto na altura da enxertia, altura do enxerto e da planta total, e massa seca da parte aérea. Todas as cultivares utilizadas apresentaram excelentes resultados quanto ao pegamento da enxertia, sobrevivência e desenvolvimento das mudas, com destaque para as cultivares BRS Sol do Cerrado e Seleção local que proporcionaram maiores índices de sobrevivência aos 45 e 60 dias após a enxertia. O processo de enxertia realizado aos 30 dias de idade do porta-enxerto favoreceu um maior desenvolvimento das mudas para a maioria das características avaliadas. A combinação da enxertia da cultivar BRS Sol do Cerrado sobre P. foetida aos 30 dias destacou-se com relação ao maior número de folhas e acumulo de massa seca da planta. A antecipação da enxertia para 15 dias de idade do porta-enxerto obteve altos índices de pagamento, porém não favoreceu a sobrevivência e o desenvolvimento das mudas.

References

Cardoso, E. De A.; Silva, R. M. Da.; Maracajá, P. B.; Oliveira, W. P. R. De.; & Sousa, R. P. De. (2010). Eficiência de tipos de proteção na substituição de copa por garfagem lateral no cajueiro comum. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, 5(2):153-157.

Cavichioli, J. C.; Corrêa, L. de S.; Boliani, A. C.; & Oliveira, J. C. de (2009). Uso de câmara úmida em enxertia hipocotiledonar de maracujazeiro-amarelo sobre três portaenxertos. Revista Brasileira de Fruticultura, 31(2):532-538.

Chaves, R. da C.; Junqueira, N. T. V.; Manica, I.; Peixoto, J. R.; & Pereira, A. V.; Fialho, J. de F (2004). Enxertia de maracujazeiro-azedo em estacas herbáceas enraizadas de espécies de passifloras nativas. Revista Brasileira de Fruticultura, 26(1):120-123.

Corrêa, L. de S.; Cavichioli, J. C.; Oliveira, J. C. de.; Boliani, A. C (2010). Uso de câmara úmida em enxertia convencional de maracujazeiro-amarelo sobre três portaenxertos. Revista Brasileira de Fruticultura, 32(2):591-598.

Ferreira, D. F. (2011). Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia. 35(6):1.039-1.042.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Produção Agropecuária 2020. Rio de Janeiro, 2019. Disponível em:< https://www.ibge.gov.br/explica/producao-agropecuaria/maracuja/mg>. Acesso em: 25 de Novembro de 2021.

INMET - Instituto Nacional de Meteorologia. Dados Agroclimatológico: (2012). Estações Meteorológicas Convencionais do INMET. Disponível em: http://www.inmet.gov.br/climatologia/bol_agro/mapas.php. Acesso em: 21 de agosto de 2015.

Jacomino, A. P.; Minami, K.; Kluge, R. A.; & Kishimo, A (2000). Métodos de proteção de enxerto na produção de mudas de mangueira, abacateiro e nogueira-macadâmia. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 35(10):1985-1990.

Lima, A. de A (2005). Aspectos fitotécnicos: desafios da pesquisa. In: FALEIRO, F. G.; JUNQUEIRA, N. T. V.; BRAGA, M. F. (Ed.). Maracujá: germoplasma e melhoramento genético. Planaltina Distrito Federal: Embrapa Cerrados, 670 p.

Lima, A. de A.; Caldas, R. C.; Cunha, M. A. P.; & Santos Filho, H. P (1999). Avaliação de portaenxertos e tipos de enxertia para o maracujá-amarelo. Revista Brasileira de Fruticultura, 21(3):318-321.

Lima, A. de A.; & Cunha, M. A. P (2004). Maracujá: Produção e qualidade na passicultura. Cruz das Almas: EMBRAPA MANDIOCA E FRUTICULTURA, 396p.

Lima, C. A (2009). Otimização de métodos de propagação de maracujazeiro via estaquia e enxertia. 2009. 105f. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Universidade de Brasília, Brasília.

Menezes, J. M. T.; Oliveira, J. C.; Ruggiero, C.; & Banzatto, D. A (1994). Avaliação da taxa de pegamento de enxertos de maracujá-amarelo sobre espécies tolerantes à morte prematura de plantas. Científica, 22(1):95-104.

Morgado, M. A. D. O.; Brukner, C. H.; Rosado, L. D. S.; & Santos, C. E (2015). Desenvolvimento de mudas de maracujazeiro-azedo enxertadas em espécies silvestres de Passiflora. Revista Brasileira de Fruticultura, 37(2):471-479.

Nacthigal, J. C.; Fachinello, J. C.; & Hoffmann, A (2005). Propagação vegetativa por enxertia. In: Fachinello, J. C.; Hoffmann, A.; & Nachtigal, J. C (2005). Propagação de plantas frutíferas. Brasília – DF: Embrapa Informação Tecnológica, 221p.

Nogueira Filho, G. C.; Roncatto, G.; Ruggieiro, C.; Oliveira, J. C. de; & Malheiros, E. B (2005). Propagação vegetativa do maracujazeiro-conquista de novas adesões. In: Faleiro, F. G.; Junqueira, N. T. V.; Braga, M. F. (Ed.). Maracujá: germoplasma e melhoramento genético. Planaltina: Embrapa Cerrados, 2005. p.341-358.

Nogueira Filho, G. C.; Roncatto, G.; Ruggiero, C.; Oliveira, J. C. de.; & Malheiros, E. B (2011). Produção de mudas de maracujazeiro-amarelo por enxertia hipocotiledonar sobre sete espécies de passifloras. Revista Brasileira de Fruticultura, 33(1):237-245.

Pace, C. A. M (1984). Comparação de quatro métodos de enxertia para o maracujazeiro amarelo Passiflora edulis f. flavicarpa Deg. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE FRUTICULTURA, 7, 1983, Florianópolis. Anais... Florianópolis, EMPASC/Sociedade Brasileira de Fruticultura, 983-988.

Roncatto, G.; Assis, G. M. L. de; Oliveira, T. K. de; & Lessa, L. S (2011). Pegamento da enxertia em diferentes combinações de variedades e espécies utilizadas como copa e como porta-enxertos de maracujazeiro. Revista Brasileira de Fruticultura, 33(3):948-953.

Roncatto, G.; Lenza, J. B.; & Valente, J. P (2011). Modalidades de enxertia param maracujazeiro: avaliação preliminar nas condições da depressão cuiabana. Revista Brasileira de Fruticultura, 33(1):316-320.

Ruggiero, C (1991). Enxertia do maracujazeiro. In: SÃO JOSÉ, A. R. (Ed.). A cultura do maracujá no Brasil. Jaboticabal: FUNEP, 43-59.

Ruggiero, C.; & Oliveira, J. C. de (1998). Enxertia do maracujazeiro. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO SOBRE A CULTURA DO MARACUJAZEIRO, 5., 1998. Anais... Jaboticabal: FUNEP, 1998. p.70-92.

Santos, V. A. dos.; Ramos, J. D.; Oliveira, M. C. de.; & Silva, E. A. Da (2011). Tipos de enxertia em diferentes idades de plantas de maracujazeiro. Revista Brasileira de Fruticultura. 33(4):1359-1363.

Santos, V. A. dos.; Ramos, J. D.; Oliveira, M. C. de.; & Silva, E. A. Da (2011). Tipos de enxertia em diferentes idades de plantas de maracujazeiro. Revista Brasileira de Fruticultura, 33(4):1359-1363.

Silva, F. de A. S.; & Azevedo, C. A. V. de (2002). Versão do programa computacional Assistat® para o sistema operacional Windows. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, 4(1):71-78.

SILVA, F. M.; CORREA, L. de S.; BOLIANI, A. C.; SANTOS, P. C. dos (2005). Enxertia de mesa de Passiflora edulis Sims f. flavicarpa Deg. sobre Passiflora alata Curtis, em ambiente de nebulização intermitente. Revista Brasileira de Fruticultura, 27(1):98-101.

Silva, F.A.S. ASSISTAT: Versão 7.7 beta (2015). DEAG-CTRN-UFCG – Atualizado em 01 de abril de 2015. Disponível em <http://www.assistat.com/>. Acessado em: 21 de janeiro de 2015.

Silva, R. M. da.; Aguiar, A. V. M. de.; Cardoso, E. de A.; Oliveira, L. A. de A.; & Lima, J. G. A (2011). Germinação e crescimento inicial de mudas de cinco espécies de maracujá (passiflora spp.) visando obtenção de porta enxerto. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, 6(1):131 – 135.

Silva, R. M. da.; Aguira, A. V. M. de; Cardoso, E. de A.; Souza, J. de O.; & Oliveira, L. A. de A (2011). Enxertia interespecífica do maracujazeiro-amarelo sobre quatro porta-enxertos. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, 6(2):64 – 68.

Silva, R. M. da.; Aguira, A. V. M. de; Mendonça, V.; Cardoso, E. de A.; & Garcia, K. G. V (2015). Produção de mudas de maracujazeiro amarelo com diferentes tipos de enxertia e uso da câmara úmida. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, 10(4):119 – 124.

Simão, S (1998). Tratado de fruticultura. Piracicaba: FEALQ, 760 p.

Published

2023-07-05

How to Cite

da Silva, R. M., Cardoso, E. de A., Faleiro, F. G., Linhares, P. C. F., Barreto, Érica dos S., de Sousa, R. P., de Assis, J. P., & Lobato, L. V. da C. (2023). Enxertia de cultivares de maracujazeiro sobre Passiflora foetida L. E influência da idade da enxertia. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 21(7), 6152–6167. https://doi.org/10.55905/oelv21n7-017

Issue

Section

Articles

Most read articles by the same author(s)