Plantas alimentícias cultivadas por agricultoras familiares no sul de Santa Catarina: abordagem etnobotânica

Authors

  • Elaine Puziski Varela
  • Amanda Vieira Matiola
  • Iara Zaccaron Zanoni
  • Júlia Gava Sandrini
  • Jadna Silveira Rosso Coral
  • Robson dos Santos
  • Guilherme Alves Elias
  • Vanilde Citadini-Zanette

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv21n5-030

Keywords:

segurança alimentar, quintais, etnoconhecimento, PANC

Abstract

Os seres humanos sempre dependeram das plantas para sua sobrevivência, o que confere uma intrínseca relação entre as diferentes sociedades e elas. Uma das ciências que buscar compreender e explicar as diferentes formas de relações e interações entre os seres humanos e as plantas é a etnobotânica. A etnobotânica busca investigar a forma como cada comunidade utiliza espécies vegetais. Dentre estas comunidades, estão os agricultores familiares que possuem forte ligação com o meio natural que os cercam. Com o passar do tempo, essas comunidades desenvolveram diversas técnicas de manejo e cultivo de plantas que lhe são úteis, principalmente cultivando-as em seus quintais. No meio rural ainda é comum que o cultivo dos quintais seja feito pelas mulheres agricultoras, o que resulta em grande conhecimento adquirido sobre as espécies ali presentes. Assim sendo, é importante que o conhecimento dessas mulheres seja valorizado, registrado e divulgado, para que não se perca ao longo do tempo. Neste contexto, este estudo teve como objetivos valorizar o conhecimento biocultural de agricultoras familiares, moradoras da comunidade de Morro Albino, localizada no município de Criciúma, estado de Santa Catarina, Brasil, bem como incentivar a conservação das espécies vegetais cultivadas por essas mulheres em seus quintais. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas com três agricultoras familiares, indicadas por meio do método bola de neve. Para a coleta de dados sobre as espécies cultivadas pelas agricultoras, além da entrevista semiestruturada, foi utilizado o método de turnê guiada, com registro fotográfico. O levantamento apontou 67 espécies cultivadas para fins alimentícios. As espécies apresentaram diferentes formas de uso, in natura, como fruta ou salada, cozida, frita ou como tempero. As partes mais consumidas destas espécies foram os frutos, as folhas, as raízes e os tubérculos. O estudo revelou que ao longo da vida essas agricultoras aprenderam, desenvolveram e praticaram muitas técnicas de cultivo e utilização das plantas presentes em seus quintais.

References

Albuquerque, U. P. (2002). Introdução à Etnobotânica. Recife: Bagaço, 87p.

Albuquerque, U. P. (2005). Introdução à etnobotânica. Rio de Janeiro: Interciência, 80p.

Albuquerque; U. P.; Lucena R. F. & Alencar, N. L. (2010). Métodos e técnicas para coleta de dados etnobiológicos. In: ALBUQUERQUE, U. P.; LUCENA, R. F. P.; CUNHA, L. V. F. C. Métodos e técnicas na pesquisa etnobiológica e etnoecológica. Recife: PE: NUPEEA, 39-64.

Alvares, C. A.; Stape, J. L.; Sentelhas, P. C.; Gonçalves, J. L. M. & Sparovek, G. (2013). Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, 22(6), 711-728.

Amorozo, M. C. M.; Viertler, R. B. (2010). A abordagem qualitativa na coleta e análise de dados em etnobiologia e etnoecologia. In: Albuquerque, U. P.; Lucena, R. F. P. & Cunha, L. V. F. C. (Org.) Métodos e técnicas na pesquisa etnobiológica e etnoecológica. Recife: PE: NUPEEA, 67-82.

Back, A. J. (2009). Caracterização climática. In: Milioli, G.; Santos, R.; Citadini-Zanette, V. Mineração de carvão, meio ambiente e desenvolvimento sustentável no sul de Santa Catarina. Curitiba: Juruá, 17-49.

Bailey, K. (1994). Methods of social research. 4.ed. New York: The Free Press, 588p.

Blum, C. T.; Borgo, M.; Sampaio, A. C. F. (2008). Espécies exóticas invasoras na arborização de vias públicas de Maringá-PR. Rev. SBAU, Piracicaba, 3(2), 78-97.

Brasil. (2000). Lei Federal n° 9.985, de 18 de julho de 2000. Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Brasília, DF, 18 de julho de 2000.

Brasil. (2021). Portaria Interministerial MAPA/MMA nº 10, de 21 de julho de 2021. Institui a “Lista de espécies nativas da sociobiodiversidade de valor alimentício, para fins de comercialização in natura ou de seus produtos derivados”. Brasília, DF.

Caminhas, A. M. T. (2020). A importância das mulheres agricultoras no fortalecimento da segurança alimentar em um assentamento rural de Córrego Rico, estado de São Paulo. Revista InterEspaço, 06, 01-19.

Cavalheiro, L. e G. Guarim-Neto. (2018). Ethnobotany and regional knowledge: combining popular knowledge with the biotechnological potential of plants in the Aldeia Velha community, Chapada dos Guimarães, Mato Grosso, Brazil. Boletín Latino americano y del Caribe de Plantas Medicinales y Aromaticas, 17, 197-216.

Cialdella, N. et al. (2022). Comunidades Tradicionais tecendo o desenvolvimento territorial: três experiências de interações entre sociobiodiversidade, mercados,

políticas públicas e ação coletiva. Geo UERJ, 40, 1-24.

Citadini-Zanette; V. & Martins, R. (2011). Identificação botânica: ênfase plantas medicinais. In: Identificação Botânica, cultivo e processamento de plantas medicinais. Caderno técnico-didático, ACPM,1, 7-24.

CONSEMA. Conselho Estadual do Meio Ambiente. (2012). Resolução CONSEMA n. 08/2012. Reconhece a Lista Oficial de Espécies Exóticas Invasoras no Estado de Santa Catarina. 2012. Disponível em: file:///C:/Users/User/Downloads/resconsema201208.pdf. Acesso em: 9 ago. 2020.

CONSEMA. Conselho Estadual do Meio Ambiente. (2014) Resolução CONSEMA n. 51/2014. Lista oficial das espécies da flora ameaçada de extinção no estado de Santa Catarina. 2014. Disponível em: https://www.ima.sc.gov.br/index.php/biodiversidade/biodiversidade/flora. Acesso em: 9 ago. 2020

Coradin, L.; Siminski, A. & Reis, A. (2011). Espécies nativas da flora brasileira de valor econômico atual ou potencial: plantas para o futuro - Região Sul. Brasília: MMA; 934p.

Diegues, A. C. S. (2008). O mito moderno da natureza intocada. São Paulo: Hucitec, NUPAUB - Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas-USP,198 p.

Di Stasi, L. C. & Hiruma-Lima, C. A. (2002). Plantas medicinais na Amazônia e na Mata Atlântica. 2. Ed. São Paulo: Unesp, 604 p.

Elias, G. A.; Lima, J. M. T.; Santos, R. (2019) Threatened flora from the State of Santa Catarina, Brazil: Arecaceae. Hoehnea, 46, 1-6.

Fé, E. G. M. & Gomes, J. M. A. (2015). Territorialidade e sociobiodiversidade na configuração do espaço produtivo da Comunidade Olho d’Água dos Negros no município de Esperantina-PI. Sociedade & Natureza, 27(2), 297-308.

Flora e Funga do Brasil. (2023). Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/ (verificado 10 de janeiro 2023).

Lins Neto, E. M. F.; Sousa Júnior, J. R.; Casas, A. & Albuquerque, U. P. (2014). Domesticação de Plantas. In: ALBUQUERQUE, U. P. (Org.). Introdução à Etnobiologia. Recife: Nupeea, p. 127-135.

LPWG -The Legume Phylogeny Working Group. (2013). Legume phylogeny and classification in the 21st century: Progress, prospects and lessons for other species-rich clades. Taxon, 62, 217-248.

Maia, N. L. et al. (2018). Synergism of plant compound with traditional antimicrobials against Streptococcus spp. isolated from bovine mastitis. Frontiers in Microbiology, 9, 1-10.

Maia, S. G. C. & Bombarda Sobrinho, S. 2019. Análise etnobotânica da estrutura de quintais na fronteira Brasil/Paraguai. Ethnoscientia 4, 1-17.

NASUTI, S. et al. (2013). Conhecimento tradicional e previsões meteorológicas: agricultores familiares e as “experiências de inverno” no semiárido potiguar. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, 44(5556), 383-402.

Olmstead, R. G. et al. (2008). A molecular phylogeny of the Solanaceae. Taxon, 57, 1159-1181.

Otuki, M. F. et al.(2011). Garcinia gardneriana (Planchon & Triana) Zappi. (Clusiaceae) as a topical anti-inflammatory alternative for cutaneous inflammation. Basic & Clinical Pharmacology & Toxicology, 109, 56–62.

Reitz, R. (1974). Palmeiras. In: REITZ, R. (Ed.). Flora Ilustrada Catarinense. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues.

Samuels, J. (2015). Biodiversity of food species of the Solanaceae family: a preliminary taxonomic inventory of subfamily Solanoideae. Resources, 4, 277-322.

Santos, R.; Elias, G. A; Guislon, A. V.; Zanoni, I. Z. (2017). Vegetação arbustivo-arbórea em uma restinga de Jaguaruna, litoral sul do Estado de Santa Catarina, Brasil. Revista Ambiente & Água, 12(1), 99-111.

SciELO.org. Scientific Electronic Library Online. (2023). Disponível em: https://scielo.org/ (verificado 25 janeiro 2023).

Scopus. Elsevier B.V. (2023). Disponível em: https://www.scopus.com/home.uri (verificado 24 janeiro 2023).

Silva, F. J. B.& Scheibe, L. F. (2005). Conflitos territoriais entre agricultura e mineração em áreas de proteção ambiental. In: Guivant, J. S.; Scheibe, L. F.; Assmann, S. J. (Org.). Desenvolvimento e conflitos no ambiente rural. Florianópolis: Insular, p. 195-224.

Silva Junior, A. A. & Michalak, E. (2014). O Éden de Eva. Florianópolis: Epagri, 227p.

Silva, A. C. C.; Oliveira, D. M. & Gomes, L. J. (2022). What does the list of Brazilian sociobiodiversity species of food value show us? Rodriguésia, 73, 1-12.

Steenbock, W. (2006). Etnobotânica, conservação e desenvolvimento local: uma conexão necessária em políticas do público. In: KUBO, et al. (Org.). Atualidades em Etnobiologia e etnoecologia. Recife: NUPEEA/Sociedade Brasileira de Etnobiologia e Etnoecologia, 3, 67-84.

Tropicos.org. Missouri Botanical Garden. (2023). Disponível em: https://tropicos.org (verificado 25 janeiro 2023).

Verdi, L. G. et al. (2004). Antibacterial and brine shrimp lethality tests of biflavonoids and derivatives of Rheedia gardneriana. Fitoterapia, 75, 360–363.

WFO. World Flora Online. (2023): Publicado na Internet. Disponível em: http://www.worldfloraonline.org (verificado 22 janeiro 2023).

Published

2023-05-30

How to Cite

Varela, E. P., Matiola, A. V., Zanoni, I. Z., Sandrini, J. G., Coral, J. S. R., dos Santos, R., Elias, G. A., & Citadini-Zanette, V. (2023). Plantas alimentícias cultivadas por agricultoras familiares no sul de Santa Catarina: abordagem etnobotânica. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 21(5), 2932–2952. https://doi.org/10.55905/oelv21n5-030

Issue

Section

Articles

Most read articles by the same author(s)