Aspectos gerais e principais agentes biológicos envolvidos em surtos de doenças veiculadas por alimentos (DVA´s): uma revisão

Authors

  • Juliana Bernardo da Silva
  • Anna Giselle Cavalcanti Vaz Mendes Silva
  • José Atanásio de Oliveira Neto
  • Iago Carvalho Barbosa
  • Pedro Henrique Imazaki
  • Anísio Francisco Soares
  • Elizabeth Sampaio de Medeiros

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv22n4-023

Keywords:

boas práticas de fabricação, epidemiologia, intoxicação alimentar, segurança dos alimentos, vigilância sanitária

Abstract

Este estudo consistiu numa revisão breve para caracterizar o panorama epidemiológico dos surtos de doenças veiculadas por alimentos no Brasil, entre 2019 e 2024. Dos 52 artigos científicos examinados, apenas três foram considerados relevantes, com dois reportando dados de períodos anteriores ao foco da investigação. Os resultados destacam o norovírus e Toxoplasma gondii como principais agentes etiológicos recorrentes em surtos de doenças de transmissão hídrica e alimentar (DTHA), associados principalmente ao consumo de picolés, hortaliças, queijos artesanais e água. Esses achados sublinham a necessidade de aprimorar as práticas de manipulação de alimentos e vigilância sanitária. As políticas públicas, incluindo a Instrução Normativa do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e as Resoluções da Diretoria Colegiada da ANVISA, são essenciais para prevenção e controle de DTHA, juntamente com a fiscalização efetiva e a adoção de boas práticas de fabricação. Este estudo ressalta a importância do comprometimento de todos os atores da cadeia produtiva para garantir a segurança dos alimentos.

References

ALFANO-SOBSEY, E.; SWEAT, D.; HALL, A. et al. Norovirus outbreak associated with undercooked oysters and secondary household transmission. Epidemiology and Infection, v. 40, n. 2, p. 276–282, 2012.

AMSON, G. V.; HARACEMIV, S. M.; MASSON, M. L. Levantamento de dados epidemiológicos relativos a ocorrências / surtos de doenças transmitidas por alimentos (DTAs) no estado do Paraná Brasil, no período de 1978 a 2000. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 30, n. 6, p.1139-1145, 2006.

BARCLAY, L.; DAVIS, T.; VINJÉ, J. Rare Norovirus GIV Foodborne Outbreak, Wisconsin, USA. Emerging Infectious Diseases, v. 27, n. 4, p.1151–1154, 2021.

BATISTA, J. D.; SOARES, L. S.; OLIVEIRA, L. L. et al. Intoxicação por alimentos e bebidas e ocorrência das doenças de transmissão hídrica e alimentar no Brasil. Saúde e Pesquisa, v. 15, n. 4, 2022.

BELLOU, M.; KOKKINOS, P.; VANTARAKIS, A. Shellfish-borne viral outbreaks: A systematic review. Food and Environmental Virology, v. 5, p. 13–23, 2013.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução RDC nº 216, de 15 de setembro de 2004. Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. Diário Oficial da União, Brasília, DF, Poder Executivo, de 16 de setembro de 2004.

BRASIL. Portaria de Consolidação nº 5, de 28 de Setembro de 2017. Consolidação das Normas Sobre as Ações e os Serviços de Saúde do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União, Brasília, DF. 2017. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/marco/29/PRC-5-Portaria-de-Consolidacao-n---5--de-28-de-setembro-de-2017.pdf.Acesso em 3 Fev. 2024.

BRASIL. Resolução nº 12, de 02 de janeiro de 2001. Regulamento Técnico sobre padrões microbiológicos para alimentos. Diário Oficial da União, Brasília, DF, Seção 1, p. 46-53, 10 jan. 2001.

BRASIL. Secretaria de Vigilância em Saúde Ambiental. Surtos de doenças de transmissão hídrica e alimentar – Informe 2023. Disponível em https://www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/saude-de-a-a-z/d/dtha/publicacoes/surtos-de-doencas-de-transmissao-hidrica-e-alimentar-no-brasil-informe-2023/view. Acesso em 2 Jan. 2024.

BRASIL. Vigilância epidemiológica das doenças de transmissão hídrica e alimentar. Manual de treinamento. Brasília, DF, 2021.

BRASIL.. Instrução Normativa nº 01/00, de 07/01/00. Regulamento Técnico Geral para Fixação dos Padrões de Identidade e Qualidade para Polpa de Fruta. Diário Oficial da União, Brasília, DF,Seção I, p. 54-58, 10 jan. 2000.

CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION (CDC). Estimates of Foodborne Illness in the United States. Surveillance Resource Center, 2018. Disponível em: https://www.cdc.gov/foodborneburden/2011-foodborneestimates.html. Acesso em 3 Fev. 2024.

COSTA, N. P.; SOUZA, F. F.; ANDRADE, J. P. et al. Aspectos ambientais da produção do açaí (Euterpe olera,cea mart.) em uma comunidade ribeirinha da amazònia-Cametá/Pará. Contribuiciones a las Ciencias Sociales, v. 16, n. 5, p. 2270-2290. 2023.

DOYLE, A.; BARATAUD, D.; GALLAY, A. et al. Norovirus foodborne outbreaks associated with the consumption of oysters from the Etang de Thau, France, December 2002. Eurosurveillance, v. 9, n. 3, p. 24–26, 2004.

DRAEGER, C. L.; AKUTSU, R.; ZANDONADI, R. et al. Brazilian foodborne disease national survey: Evaluating the landscape after 11 years of implementation to advance research, policy, and practice in public health. Nutrients, v.11, n. 40, 2019.

FINGER, J. A.; BARONI, W. S.; MAFFEI, D. F. et al. Overview of foodborne Disease Outbreaks in Brazil from 2000 to 2018. Foods, v. 8, n. 10, p. 434, 2019.

FORSYTHE, S. J. Microbiologia da Segurança dos Alimentos. 2 st ed. Porto Alegre: Artmed, 2013.

FOUILLET, A.; FOURNET, N.; FORGEOT, C. et al. Large concomitant outbreaks of acute gastroenteritis emergency visits in adults and food-borne events suspected to be linked to raw shellfish, France, December 2019 to January 2020. Eurosurveillance, v. 25, n. 7, 2020.

LENTZ, S. A.; RIVAS, P. M.; CARDOSO, M. R.; MORALES, D. L.; CENTENARO, F. C.; MARTINS, A. F. Bacillus cereus as the main casual agent of foodborne outbreaks in Southern Brazil: data from 11 years. Reports in Public Health, v. 34, n. 4, p. 1-9, 2018.

LOPES, C. C.; BERTO, B. P. Aspectos Associados à Toxoplasmose: Uma referência aos Principais Surtos no Brasil. Revista Saúde e Ambiente, v. 7, n. 2, p. 1–7, 2012.

LUZ, I. S.; MIAGOSTOVICH, M. P. Norovírus em alimentos. Vida em Debate, v. 5, n.3, p.100-115, 2017. doi.org/10.22239/2317-269X.00928

MALTA, J. M.; CABRA, C. M.; NÓBREGA, A. A. et al. Surto de toxoplasmose no município de Gouveia, Minas Gerais. J. Health Biol. Sci, v. 7, n. 3, p. 233-241, 2019.

MERUSSI, G. D.; MAFFEI, D. F.; CATANOZI, M. P. Outbreaks of gastroenteritis related to dairy products intake in the state of Sao Paulo from 2000 to 2010. Alim. Nutr., v. 23, p. 639–645, 2012.

MONICA, T. C.; PINTO-FERREIRA, F. MARTINS, F. D. et al. Epidemiology of a toxoplasmosis outbreak in a research instituition in northern Paraná, Brazil. Zoonoses Public Health, v. 1, p.1-5, 2020.

MOREIRA, C. C.; SILVA, A. C.; LEME, A. O.; SILVA, T. S.; BRITO, F. S.; OLIVEIRA, A. S. Alimentação saudável em encartes de supermercados: reflexões segundo a classificação de alimentos adotadas no Guia Alimentar para a População Brasileira. Ciência e Saúde Coletiva, v. 28, n. 2, p. 631-642, 2023.

MOURA, E. G.; OLIVEIRA, T. C.; AMEMIYA, D. A. et al. Evauation of sanitary hygienic practices in the production of açaí in the bowl: diagnosis and intervention. Revista Desafios, v. 7, n. 3, 2020.

NASCIMENTO-NETO, A. F.; VASCONCELOS, C. E.; FIGUEIREDO, E. L. Caracterização higiênicosanitária e microbiológica de estabelecimentos que comercializam açaí (Euterpe oleracea mart.) em Igarapé Miri – Pará. Brazilian Journal of Food Research, v. 9, n. 2, p. 15-29, 2018.

NUNES, S. M.; CERGOLE-NOVELLA, M. C.; TIBA, M. R. et al. Surto de doença transmitida por alimentos nos municípios de Mauá e Ribeirão Pires – SP. Higiene Alimentar, v. 31, p. 264-256, Janeiro/Fevereiro de 2017.

RITTER, A.; TONDO, E. Foodborne illnesses in Brazil: Control measures for 2014 FIFA world cup travelers. J. Infect. Dev. Ctries, v. 8, p. 254–257, 2014.

SARMENTO. S. K.; ANDRADE, J. S.; MIAGOSTOVICH, M. P.; FUMIAN, T. M. Virological and epidemiological features of Norovirus infections in Brazil, 2017-2918. Viruses, v. 13, n. 9, p. 1724, 2021.

SAUPE, A. A.; ROUNDS, J.; SORENSON, A. et al. Outbreak of norovirus gastroenteritis associated with ice cream contaminated by frozen raspberries from China. Clinical Infectious Diseases, Minnesota, USA, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1093/cid/ciaa821. Acesso em 29 Jan. 2024.

SILVA, S. S.; NOVA, P. A.; PINTO, A. T. Caracterização de surtos de toxinfecções alimentares confirmados, no município de Porto Alegre, entre 2005 e 2009. Hig. Alim., v. 28, p. 238–239, 2014.

SIRTOLI, D. B.; COMARELLA, L. O papel da vigilância sanitária na prevenção das doenças transmitidas por alimentos (DTA). Revista Saúde e Desenvolvimento, v. 12, n. 10, p. 197-209, 2018.

WOODS, J. W.; CALCI, K. R.; MARCHANT-TAMBONE, J. G. BURKHARDT, W. Detection and molecular characterization of norovirus from oysters implicated in outbreaks in the US. Food Microbiology, v. 59, p. 76–84, 2016.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Estimates of the Global Burden of Foodborne Diseases: Foodborne Disease Burden Epidemiology Reference Group, 2007–2015. 2015. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/199350/9789241565165_eng.pdf?sequence=1. Acesso em: 2 Fev. 2024.

Published

2024-04-05

How to Cite

Silva, J. B. da, Silva, A. G. C. V. M., Oliveira Neto, J. A. de, Barbosa, I. C., Imazaki, P. H., Soares, A. F., & Medeiros, E. S. de. (2024). Aspectos gerais e principais agentes biológicos envolvidos em surtos de doenças veiculadas por alimentos (DVA´s): uma revisão. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 22(4), e4031. https://doi.org/10.55905/oelv22n4-023

Issue

Section

Articles

Similar Articles

You may also start an advanced similarity search for this article.

Most read articles by the same author(s)