Um estudo sobre a segurança alimentar nos polos agroflorestais de Rio Branco

Authors

  • Francileide Lopes do Nascimento
  • Luiz Manoel de Moraes Camargo Almeida

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv22n3-116

Keywords:

segurança alimentar, polos agroflorestais, Escala Brasileira de Insegurança Alimentar – EBIA

Abstract

Um dos grandes desafios enfrentados pelos governos dos diversos países é garantir que a população tenha acesso a alimentos saudáveis. Por isso, os gestores públicos têm direcionado seus esforços para garantir a segurança alimentar através da formulação de políticas públicas e programas específicos para esta área. O objetivo geral deste trabalho foi avaliar a efetividade dos polos agroflorestais em assegurar a segurança alimentar dos agricultores familiares assentados, tratada de maneira ampla. O universo empírico deste estudo corresponde a três polos agroflorestais do município de Rio Branco-Acre, que foram selecionados em virtude de possuírem características distintas. Foram entrevistadas 89 (oitenta e nove) famílias assentadas. O instrumento de pesquisa adotado foi um questionário composto por nove módulos incluindo as questões da metodologia da Escala Brasileira de Insegurança Alimentar – EBIA. A análise foi realizada através de cruzamentos entre a EBIA e as variáveis simples, que exercem influência sobre a segurança alimentar dos agricultores familiares. Os dados obtidos foram analisados de forma quantitativa, sendo apresentados através de tabelas e gráficos. Foi constatado que as famílias que auferiram menor renda agrícola, apresentaram os piores níveis de insegurança alimentar. Desta forma, a renda agrícola torna-se a variável mais importante para melhoria das condições de segurança alimentar das famílias pela possibilidade de aquisição de alimentos no mercado.

References

ACRE. Secretaria de Meio Ambiente. Aspectos socioeconômicos: população e as condições de vida, infraestrutura e a economia do Acre/Programa Estadual de Zoneamento Ecológico-Econômico do Estado do Acre. Rio Branco: SEMA, 2011.

ALMEIDA, L. M. M. C. et al. Índice UFSCar de segurança alimentar para agricultores familiares. Revista de Política Agrícola, [online] v. 24, n. 14, n. 4, p 2-96, Out./Nov./Dez. 2015. Disponível em: <https://seer.sede.embrapa.br/index.php/RPA/article/view/1057/982>. Acesso em: 27 nov. 2019.

CARDIA, L. M. Cumprindo trajetos, refletindo sobre a memória: colonos e seringueiros migrantes em Rio Branco, Acre – uma abordagem antropológica. Rio Branco: Edufac, 2010.

LOPES, A. F. et al. Escala brasileira de insegurança alimentar: proposta adaptada para povos e comunidades tradicionais. Alimentação e nutrição em saúde coletiva. Rio de Janeiro, 2022.

PANIGASSI, G; et al. A. Insegurança alimentar intrafamiliar e perfil de consumo de alimentos. Revista de Nutrição, 135s-144s, jul./ago. Campinas, 2008.

PONTES, C. J. F. A guerra no inferno verde: segundo ciclo da borracha, o front da Amazônia e os soldados da borracha. South American journal of basic educaditon, technical and technological, v. 2, p. 56-67, 2015.

PUGLIESE, L. Segurança alimentar dos agricultores assentados no território de Araraquara/SP; uma análise a partir do índice UFSCar e das efetividades do Programa de Aquisição de Alimentos. Dissertação (mestrado) – Centro Universitário de Araraquara. Araraquara, 2016.

SEGALL-CORRÊA, A. M.; MARIN-LEON, L. A Segurança Alimentar no Brasil: Proposição e Usos da Escala Brasileira de Medida da Insegurança Alimentar (EBIA) de 2003 a 2009. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 16, n. 2, p. 1-19, 2009.

TONI, F. Gestão florestal na Amazônia brasileira: avanços e obstáculos em um sistema federalista. CIFOR/IDRC: La Paz, 2006.

Published

2024-03-14

How to Cite

Nascimento, F. L. do, & Almeida, L. M. de M. C. (2024). Um estudo sobre a segurança alimentar nos polos agroflorestais de Rio Branco. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 22(3), e3754. https://doi.org/10.55905/oelv22n3-116

Issue

Section

Articles