Branched hierarchization of indicators related to rural housing for environmental health evaluation

Authors

  • Marcus Vinícius Félix
  • Sandra Patricia Oquendo
  • Alan Cardek Lopes Andrade Junior
  • Rosana Passos Cambraia
  • Marivaldo Aparecido de Carvalho
  • Bethânia Alves de Avelar Freitas
  • Bernat Vinolas Prat

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv22n3-089

Keywords:

housing and health, hierarchical branching, environmental indicators, rural environmental health

Abstract

The Brazilian rural communities concentrate a significant fraction of the population exposed to deficient conditions in water supply, sanitary sewage, and solid waste management, which, combined with housing conditions, directly impact the quality of a healthy environment. Few studies have evaluated the salubrious conditions of a rural environment, and in the searches carried out, the use of branched hierarchical techniques was not verified. The objective of this work was to create a branched hierarchization of those variables that are the cause of unhealthy conditions of the housing environment. Initially, all the variables that affect the salubrity of the housing environment were listed, to later order them in a ramified form. Afterwards, and based on the technical literature, the parameters of adequacy and/or inadequacy of these variables were defined. This methodology was tested in a rural dwelling in order to exemplify its applicability. The application of the proposed tool has demonstrated a satisfactory practical use, with low time spent for its conclusion, besides providing a realistic characterization of the environment evaluated. This work provides an easily applicable methodology for obtaining a detailed report on the degree of adequacy of a wide range of variables that influence the healthiness of rural dwellings.

References

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 5410: Instalações elétricas de baixa tensão. 2. ed. Rio de Janeiro: ABNT. 2005.

ALARCÓN B. Modelo integrado de valor para estructuras sostenibles. 285 f. Tesis (Doctorado en Ingeniería Civil) – Universitat Politècnica de Catalunya, Barcelona, 2005. Disponível em: https://bit.ly/3IABKiW. Acesso em: 20 mar. 2020.

ALBUQUERQUE M. M. & DALTRO FILHO J. Adaptação do Indicador de Salubridade Ambiental (ISA) como ferramenta de análise da salubridade do ambiente da Comunidade Saramém-Brejo Grande/SE. Scientia Plena, [S. l.], v. 11, n. 11, p. 1-9, 2005. Disponível em: https://bit.ly/3awbJEZ. Acesso em: 20 mar.

ALMEIDA M A P de & ABIKO A K. Indicadores de salubridade ambiental em favelas localizadas em áreas de proteção aos mananciais: o caso da favela Jardim Floresta. Boletim Técnico da Escola Politécnica da USP, São Paulo, 2000. n. 28. Disponível em: https://bit.ly/3O5w3ui. Acesso em: 20 mar. 2020.

ALMEIDA R A S de & NASCIMENTO B. L. da S. Uso de indicadores para avaliar as condições de salubridade ambiental em uma comunidade quilombola. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, 30. Natal. Anais [...]. Rio de Janeiro: AES, 2019. p. 1-17. Disponível em: https://bit.ly/3yuGTEo. Acesso em: 20 mar. 2020.

AMÂNCIO M M D F L. Narrativas orais: saberes e fazeres da arquitetura vernácula na comunidade de São Gonçalo do Rio das Pedras (MG) e entorno. 124 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Rurais) – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Diamantina, 2018. Disponível em: https://bit.ly/3nZG69K. Acesso em: 20 mar. 2020.

ANDRADE V L, SABROZA P C & ARAÚJO A J de. Fatores associados ao domicílio e à família na determinação da hanseníase, Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 1994. v. 10, n. 2, p. 281-92. Disponível em: https://bit.ly/3PkZxWg. Acesso em: 20 mar. 2020.

ANDREAZZI M A R, BARCELLOS C & HACON S. Velhos indicadores para novos problemas: a relação entre saneamento e saúde. Rev. Panam. Salud Pública, São Paulo, 2007. v. 22, n. 3, p. 211-217. Disponível em: https://bit.ly/3RybKbS. Acesso em: 20 mar. 2020.

AZEREDO C M et al. Avaliação das condições de habitação e saneamento: a importância da visita domiciliar no contexto do Programa de Saúde da Família. Ciênc. Saúde Colet., Rio de Janeiro, 2007. v. 12, n. 3, p. 743-753. Disponível em: https://bit.ly/3AISzq5. Acesso em: 20 mar. 2020.

BARRETO J B et al. Criação de um modelo de indicador de salubridade ambiental (ISA) adaptado ao contexto de municípios de pequeno porte (ISA/MPP). Revista Ibero-Americana de Ciências Ambientais, Sergipe, v. 11, n. 2, p. 278-295, 2020. Disponível em: https://bit.ly/3Ps4I6D. Acesso em: 20 mar. 2020.

BERNARDES C, BERNARDES R S & GÜNTHER W M R. Proposta de índice de salubridade ambiental domiciliar para comunidades rurais: aspectos conceituais e metodológicos. Eng. Sanit. Ambient., Rio de Janeiro, v. 23, n. 4, p. 697-706, 2018. Disponível em: https://bit.ly/3yDqzkO. Acesso em: 20 mar. 2020.

BRASIL. Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União: Brasília, DF, Seção 1, p. 18068, 20 set. 1990. Disponível em: https://bit.ly/3RtGx9Y. Acesso em: 20 mar. 2020.

BRASIL [Constituição (1998)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da União: Brasília, DF, Seção 1, p. 1, 5 out. 1988. Disponível em: https://bit.ly/2VDBNGg. Acesso em: 19 dez. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher – PNDS 2006. Brasília: MS, 2006.

BRASIL, Ministério da Saúde. Portaria no 2.914, de 12 de dezembro de 2011. Dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para seu consumo humano e seu padrão de potabilidade. Diário Oficial da União: Brasília, DF, Seção 1, p. 39, 14 dez. 2011. Disponível em: https://bit.ly/3IAc7Pe. Acesso em: 20 mar. 2020.

BRASIL. Lei no 12.864, de 24 de setembro de 2013. Altera o caput do art. 3o da Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990, incluindo a atividade física como fator determinante e condicionante da saúde. Diário Oficial da União: Brasília, DF, Seção 1, p. 5, 25 set. 2013. Disponível em: https://bit.ly/3RxUJ1N. Acesso em: 20 mar. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Panorama do Saneamento Rural no Brasil. [S. l.: s. n.], 2017. Disponível em: https://bit.ly/3z0QxA7. Aceso em: 20 mar. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Programa Nacional de Saneamento Rural. Brasília: Funasa, 2019a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Manual de Saneamento. 5. ed. ed. Brasília: Funasa, 2019b.

BUCKLEY C F D O & DALTRO FILHO J. Adaptação do indicador de salubridade ambiental - ISA para análise de empreendimentos do programa de arrendamento residencial - PAR em Aracaju / SE. Rev. DAE, [S. l.], 2012. n. 189, p. 16-25. Disponível em: https://bit.ly/3ywYhIO. Acesso em: 20 mar. 2020.

CALIJURI M L et al. Estudo de indicadores de saúde ambiental e de saneamento em cidade do norte do Brasil. Eng. Sanit. Ambient., Rio de Janeiro, 2009. v. 14, n. 1, p. 19-28. Disponível em: https://bit.ly/3aGsz3P. Acesso em: 20 mar. 2020.

CASTELANELI I K M et al. Na ausência de endereço, onde mora a saúde? Determinantes sociais e populações de ocupações. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, 2019. v. 43, n. 8 – Especial, p. 11-24. Disponível em: https://bit.ly/3O3KOOt. Acesso em: 20 mar. 2020.

COHEN S C & BARCELOS M R B. Construção do “habitat-ação” saudável por meio de fundamentação teórico-metodológica do campo da Semiologia do Ambiente Construído. Saúde Soc., São Paulo, 2012. v. 21, n. 3, p. 747-759. Disponível em: https://bit.ly/3P3ySxy. Acesso em: 20 mar. 2020.

COHEN S C et al. Habitação saudável no Programa Saúde da Família (PSF): uma estratégia para as políticas públicas de saúde e ambiente. Ciênc. Saúde Colet., Rio de Janeiro, 2004. v. 9, p. 807-813. Disponível em: https://bit.ly/2VDBNGg. Acesso em: 19 dez. 2021.

COHEN S C et al. Habitação saudável e ambientes favoráveis à saúde como estratégia de promoção da saúde. Ciênc. Saúde Colet., Rio de Janeiro, 2007. v. 12, n. 1, p. 191-19. Disponível em: https://bit.ly/3P6zcLY. Acesso em: 20 mar. 2020.

COHEN S C et al. Habitação saudável e biossegurança: estratégias de análise dos fatores de risco em ambientes construídos. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, 2019. v. 43, n. 123, p. 1194-1204. Disponível em: https://bit.ly/3z2I3IV. Acesso em: 20 mar. 2020.

COSTA R de V F DA. Desenvolvimento do Índice de Salubridade Ambiental (ISA) para comunidades rurais e sua aplicação e análise nas comunidades de Ouro Branco/MG. 2010. 184 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Ambiental) – Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto. Disponível em: https://bit.ly/3nX4Dwc. Acesso em: 20 mar. 2020.

CUNHA T B & SILVA T C da. Indicadores como suporte para gestão na sub-bacia hidrográfica do rio Verde. Cad. Prudentino Geogr., Presidente Prudente, n. 36, vol. especial, p. 228-240, 2014. Disponível em: https://bit.ly/3RzMJNQ. Acesso em: 20 mar. 2020.

DALTRO FILHO J & SALES Â T C. Proposta de um modelo para avaliação do nível de salubridade de habitações. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, 23. Campo Grande. Anais [...]. São Paulo: ABES, 2005. p. 1-8. Disponível em: https://bit.ly/3P7czqL. Acesso em: 5 out. 2020.

DIAMANTINA. Lei Complementar no 100, de 30 de dezembro de 2011. Dispõe sobre o código de obras e edificações do município de Diamantina. Prefeitura Municipal de Diamantina, Diamantina, [2011]. Disponível em: https://bit.ly/3IxIMFa. Acesso em: 5 out. 2020.

DIAS M C. Índice de salubridade ambiental em áreas de ocupação espontânea: estudo em Salvador, Bahia. 171 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Ambiental Urbana) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2003. Disponível em: https://bit.ly/3bZrPai. Acesso em: 5 out. 2020.

DUARTE C G & MALHEIROS T F. Habitação e gestão ambiental em áreas de mananciais: o caso do município de Santo André (SP). Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 21, n. 3, p. 82-95. 2012. Disponível em: https://bit.ly/3yCtRoz. Acesso em: 5 out. 2020.

FERREIRA M U, FERREIRA C dos S & MONTEIRO C A. Tendência secular das parasitoses intestinais na infância na cidade de São Paulo (1984-1996). Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 34, n. 6, p. 73-82. 2000. Disponível em: https://bit.ly/3Ry3SHF. Acesso em: 5 out. 2020.

FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO. Déficit habitacional no Brasil 2013: resultados preliminares. Nota Técnica. Belo Horizonte: Governo do Estado de Minas Gerais, 2015.

PORTAS N. Funções e exigências de áreas da habitação. Lisboa: Laboratório Nacional de Engenharia Civil. 1969. Disponível em: https://bit.ly/3z2XbWQ. Acesso em: 20 mar. 2020.

GENEVOIS M L B P & COSTA O V. Carência Habitacional e Déficit de Moradias: Questões Metodológicas. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 15, n. 1, p. 73-84. 2001. Disponível em: https://bit.ly/3z1axTi. Acesso em: 5 out. 2020.

GLEDHILL J. El derecho a una vivienda adecuada. Folleto informativo no 21. Rev. antropol. soc., Madrid, v. 19, p. 103-129. 2010. Disponível em: https://bit.ly/3IzGh56. Acesso em: 19 dez. 2021.

GONZALEZ PEREZ G et al. Factores socioeconomicos asociados a la mortalidad postneonatal en Cuba. Rev. Saúde Pública. Supl., São Paulo, v. 24, n. 2, p. 134-143. 1990. Disponível em: https://bit.ly/3bYUEnh. Acesso em: 5 out. 2020.

HELLER L. Relação entre saúde e saneamento na perspectiva do desenvolvimento. Ciênc. Saúde Colet., Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 73-84. 1998. Disponível em: https://bit.ly/3uKqhrk. Acesso em: 5 out. 2020.

HUANG W, YANO S, ZHANG J & WANG Y. Application of analytic hierarchy process in selecting a biological indicator for a river flow restoration. Ecological indicators, 25, 180-183. 2013.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Atlas do Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. Disponível em: https://bit.ly/3ccXYv5. Acesso em: 5 out. 2020.

KRAN F & FERREIRA F P M. Qualidade de vida na cidade de Palmas - TO: uma análise através de indicadores habitacionais e ambientais urbanos. Ambient. Soc., São Paulo, v. 9, n. 2, p. 123-141. 2006. Disponível em: https://bit.ly/3z3vUUf. Acesso em: 5 out. 2020.

KRETER A C, DEL-VECCHIO R & STADUTO J A R. Condições habitacionais como um indicador de pobreza nas rurais do nordeste brasileiro. Rev. Econ. NE, Fortaleza, v. 46, n. 1, p. 77-96. 2015. Disponível em: https://bit.ly/3z4NZRP. Acesso em: 5 out. 2020.

LAMPARELLI R AC & DIAS H S. Methodological development of a quality index for agricultural operations, for corn cultivation using multi-criterion analysis. An. Acad. Bras. Cienc., v. 81, p. 849-859, 2009.

LINS A F & MORAES A R de. Determinação do Índice de Salubridade Ambiental no município de Guaíra-PR. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GESTÃO AMBIENTAL, 8, Campo Grande. Anais [...]. Bauru: Ibeas, 2017. p. 1-6. Disponível em: https://bit.ly/3PGIwWT. Acesso em: 5 out. 2020.

LØKEN E. Use of multicriteria decision analysis methods for energy planning problems. Renewable and sustainable energy reviews, v. 11, n. 7, p. 1584-1595. 2007.

LUIZ O et al. Diferenciais intermunicipais de condições de vida e saúde: construção de um indicador composto. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 43, n. 1, p. 115-122. 2009. Disponível em: https://bit.ly/3uJNnOP. Acesso em: 5 out. 2020.

MACCARINI M B & HENNING E. Indicadores de Salubridade Ambiental: uma análise sistemática. Scientia cum Industria, [S. l.], v. 6, n. 3, p. 44-49. 2018. Disponível em: https://bit.ly/3uLaBUO. Acesso em: 5 out. 2020.

MACÊDO H S & MARÇAL JUNIOR, O. Distribuição de vetores da Doença de Chagas em nível domiciliar: um estudo na Zona Rural de Uberlândia (MG). Caminhos de Geografia, Uberlândia, v. 3, n. 12, p. 50-66. 2004. Disponível em: https://bit.ly/3Izz8Se. Acesso em: 5 out. 2020.

MAGALHÃES FILHO F J C & PAULO P L. 2017. Abastecimento de água, esgotamento doméstico e aspectos de saúde em comunidades quilombolas no Estado de Mato Grosso do Sul. Interações, Campo Grande, v. 18, n. 2, p. 103-116. 2017. Disponível em: https://bit.ly/3AGJDl0. Acesso em: 5 out. 2020.

MAGALHÃES K A et al. A habitação como determinante social da Saúde: percepções e condições de vida de famílias cadastradas no Programa Bolsa-Família. Saúde Soc., São Paulo, v. 22, n. 1, p. 57-72. 2013. Disponível em: https://bit.ly/3c9Tbuu. Acesso em: 5 out. 2020.

MENEZES G O de. Aplicação do índice de salubridade ambiental em comunidades carentes e sua comparação com comunidades padrão: instrumento para planos de gestão municipal. 203 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Ambiental) – Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2007. Disponível em: https://bit.ly/3caQMjo. Acesso em: 5 out. 2020.

MONTEIRO C A & NAZÁRIO C de L. Evolução de condicionantes ambientais da saúde na infância na cidade de São Paulo (1984-1996). Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 34, n. 6, p. 13-18. 2000. Disponível em: https://bit.ly/3z0as2m. Acesso em: 5 out. 2020.

NERI G L T. Programa Regional de Desenvolvimento e Meio Ambiente Saneamento Ambiental: uma deficiência na Ilha do Ouro. 415 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão. 2005. Disponível em: https://bit.ly/3awwQXL. Acesso em: 5 out. 2020.

NUNES M F O & CARISSIMI M. Matriz de indicadores para avaliação pós-ocupação. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO PROJETO NO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 2, Rio de Janeiro. Anais [...]. Cachoeirinha: Porarc, 2011. p. 235-244, Disponível em: https://bit.ly/3uLmlqb. Acesso em: 5 out. 2020.

ORGANIZACIÓN PANAMERICANA DE LA SALUD. Vivienda Saludable: Reto del milenio en los asentamientos precarios del América Latina y el Caribe. Caracas: OPAS. 2006. Disponível em: https://bit.ly/3yG6VVg. Acesso em: 5 out. 2020.

PASTERNAK S. Habitação e saúde. Estud. Av. / Inst. Estud. Av., Univ. São Paulo, v. 30, n. 86, p. 51-66. 2016. Disponível em: https://bit.ly/3IPqbER. Acesso em: 5 out. 2020.

PAZ M G A da, ALMEIDA M F de & GÜNTHER W M R. Prevalência de diarreia em crianças e condições de saneamento e moradia e áreas periurbanas de Guarulhos, SP. Rev. Bras. Epidemiol., Rio de Janeiro, 2012. v. 15, n. 1, p. 188-197. Disponível em: https://bit.ly/3Ixrg3U. Acesso em: 20 mar. 2020.

PEDROSA R. N., MIRANDA L I B de, RIBEIRO M M R. Avaliação pós-ocupação sob o aspecto do saneamento ambiental em área de interesse social urbanizada no município de Campina Grande, Paraíba. Eng. Sanit. Ambient., São Paulo, 2016. v. 21, n. 3, p. 535-546. Disponível em: https://bit.ly/3ayjNou. Acesso em: 20 mar. 2020.

PENA J L & HELLER L. Perfil sanitário: as condições de saneamento e de habitação na Terra Indígena Xakriabá. Rev. estud. pesqui., Brasília, 2007. v. 4, n. 1, p. 213-254. Disponível em: https://bit.ly/3yzTmGZ. Acesso em: 20 mar. 2020.

PEREIRA A A et al. Levantamento das condições de habitação e saúde da comunidade da favela do Borel, Tijuca. Rev. Soc. Bras. Med. Trop., Uberaba, 1972. v. 6, n. 2, p. 73-78. Disponível em: https://bit.ly/3aynPNE. Acesso em: 20 mar. 2020.

PRAT B V. Aplicaciones y avances de la metodología MIVES en valoraciones multicriterio. Thesis (Doutorado em Engenharia da Construção) – Universitat Politècnica de Catalunya, Barcelona, 2011.

PRAT V B, CANOAS S S & OLIVEIRA A M de. Índice de qualidade do desenho em planta de dormitórios em projetos habitacionais de baixa renda. Revista Iluminart, v. 1, n. 14. 2017. Não paginado. Disponível em: https://bit.ly/3uMpOot. Acesso em: 20 mar. 2020.

PRIETSCH S O M et al. Doença aguda das vias aéreas inferiores em menores de cinco anos: influência do ambiente doméstico e do tabagismo materno. J. Pediatr., Porto Alegre, 2002 v. 78, n. 5, p. 415-422. Disponível em: https://bit.ly/3nVPco9. Acesso em: 20 mar. 2020.

RAZZOLINI M T P, GÜNTHER W M R. Impactos na saúde das deficiências de acesso à água. Saúde Soc., São Paulo, 2008. v. 17, n. 1, p. 21-32. Disponível em: https://bit.ly/3z4DLAY. Acesso em: 20 mar. 2020.

SANTOS A P et al. Estado nutricional e condições ambientais e de saúde de crianças Pataxó, Minas Gerais, 2018. Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 34, n. 6, p. 1-8. Disponível em: https://bit.ly/3RzHfSX. Acesso em: 20 mar. 2020.

SANTOS F F S dos. Adaptação do Indicador de Salubridade Ambiental (ISA) para análise do saneamento básico na cidade de Brejo Grande/SE. 116 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão. 2016. Disponível em: https://bit.ly/3o1LyZG. Acesso em: 20 mar. 2020.

SILVA N V S da. As condições de salubridade ambiental das comunidades periurbanas da bacia do Baixo Gramame: diagnóstico e proposição de benefícios. 153 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Urbana) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa. 2006. Disponível em: https://bit.ly/3o1LyZG. Acesso em: 20 mar. 2020.

SOUSA J C L de, CAMBRAIA R P & PRAT B V. Método de evaluación de la calidad de vida de los quilombolos en Brasil. Economía Sociedad y Territorio, [S. l.], 2017. v. 17, n. 1, p. 647. Disponível em: https://bit.ly/3z29Tow. Acesso em: 20 mar. 2020.

SOARES S R A, BERNARDES R S & CORDEIRO NETTO O de M. Relações entre saneamento, saúde pública e meio ambiente: elementos para formulação de um modelo de planejamento em saneamento. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2002. v. 18, n. 6, p. 1713-1724. Disponível em: https://bit.ly/3caZZrY. Acesso em: 20 mar. 2020.

TARTLER N. Análise da vigilância da qualidade da água para consumo humano no município de Diamantina, Alto Jequitinhonha/MG: um estudo no distrito de Sopa. 2014. 117 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Saúde, Sociedade e Ambiente) – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Diamantina. Disponível em: https://bit.ly/3azgMo7. Acesso em: 20 mar. 2020.

TEIXEIRA D A, PRADO FILHO J F & SANTIAGO A da F. Indicador de Salubridade Ambiental: variações da formulação e usos do indicador no Brasil. Eng. Sanit. Ambient., Rio de Janeiro, 2018. v. 23, n. 3, p. 543-556. Disponível em: https://bit.ly/3IxP5Zo. Acesso em: 20 mar. 2020.

THOMA, A. C. et al. Palmeiras nativas indicadas para uso em construções. Rev. Vozes Vales, n. 10, 1-13, 2016. Disponível em: https://bit.ly/3yGnwIV. Acesso em: 20 mar. 2020.

VIANA A de P & SIMAN R R. Relação dos indicadores de salubridade ambiental com a saúde e sustentabilidade pública no município de Itapemirim/ES. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, 28., Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro: ABES, 2015. Disponível em: https://bit.ly/3P80bGM. Acesso em: 20 mar. 2020.

WALDMAN E A et al. Gastroenterites e infecções respiratórias agudas em crianças menores de 5 anos, em área da Região Sudeste do Brasil, 1986-1987: II - Diarréias. Rev. Saúde Pública, 1997. v. 31, n. 1, p. 62–70. Disponível em: https://bit.ly/3z515hX. Acesso em: 20 mar. 2020.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Housing: implications for health. Report of a WHO Consultation, Geneva, 9-15. Geneva: WHO, 1987. Disponível em: https://bit.ly/3yzir4Z. Acesso em: 20 mar. 2020.

Downloads

Published

2024-03-11

How to Cite

Félix, M. V., Oquendo, S. P., Andrade Junior, A. C. L., Cambraia, R. P., Carvalho, M. A. de, Freitas, B. A. de A., & Prat, B. V. (2024). Branched hierarchization of indicators related to rural housing for environmental health evaluation. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 22(3), e3710. https://doi.org/10.55905/oelv22n3-089

Issue

Section

Articles