Internações hospitalares por aborto espontâneo no estado do Piauí entre 2018 e 2022

Authors

  • Lourena Ferreira dos Reis Campos
  • Layla de Araújo Pires
  • Antonio Domingos de Sousa Neto
  • Nicholle Akocayti Sábara Bezerra
  • Everaldo Paes Landim Alves Junior
  • Matheus Henrique da Silva Lemos
  • Filipe Melo da Silva
  • Jailson Alberto Rodrigues

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv22n3-082

Keywords:

aborto espontâneo, hospitalização, perfil epidemiológico, serviços de saúde da mulher

Abstract

O abortamento é uma complicação da gestação que está entre as principais causas de mortalidade materna acometendo cerca de 20% das gestações, suas complicações são responsáveis por aproximadamente 5 a 7 milhões das internações hospitalares. No Brasil, o aborto só é permitido legalmente em três situações, enquanto os provocados pela gestante e/ou por seu consentimento são considerados crime, isso colabora para que uma grande parcela dos abortos seja subnotificada, impossibilitando identificar sua real magnitude. O objetivo dessa pesquisa é caracterizar as internações hospitalares por aborto espontâneo no estado do Piauí entre os anos de 2018 a 2022. Nesse período, foram notificadas 7.367 internações hospitalares por aborto espontâneo no estado, sendo o ano de 2018 o que obteve o maior número de notificações, o perfil das mulheres internadas era em sua maioria da cor/raça parda, na faixa-etária de 20 a 39 anos e que entraram no serviço pela urgência, o Hospital Regional Tibério Nunes e a Maternidade Municipal Wall Ferraz foram as unidades com mais internações, sendo a Região Entre Rios com a maior concentração. Ressalta-se que entre os municípios com maior número de registros, Parnaíba foi o único com variação positiva, ou seja, a taxa de internações aumentou com o passar dos anos. O aborto é um importante problema de saúde pública que necessita de investimento nas políticas de atenção à saúde da mulher e disseminação de informações essenciais no período gravídico-puerperal para que as taxas de aborto e internações sejam diminuídas.

References

BEARAK, J., et al. Unintended pregnancy and abortion by income, region, and the legal status of abortion: estimates from a comprehensive model for 1990–2019. Rev The Lancet Global Health, v. 8, n. 9, 2020. Disponível em: https://www.thelancet.com/journals/langlo/article/PIIS2214-109X(20)30315-6/fulltext. Acesso em: 07 nov. 2023.

BRASIL. Decreto-lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Institui o Código Penal. Diário Oficial da União: seção 1, Rio de Janeiro, 31 dez. 1940. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del2848compilado.htm. Acesso em: 07 nov. 2023.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Resolução nº 510. Comissão Nacional de Saúde. Comissão Nacional de Ética em Pesquisa, 2016. Disponível em: https://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf. Acesso em: 05 dez. 2023.

BRASIL, Ministério da Saúde. Banco de Dados do Sistema Único de Saúde – DATASUS. Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS). Brasília, 2023.

BRAZ, R. F., et al. Aborto espontâneo: uma análise em relação à prevalência no norte de minas gerais. Revista Eletrônica Acervo Saúde, v. 12, 2020. Disponível em: https://acervomais.com.br/index.php/saude/article/view/5416. Acesso em: 03 jan. 2024.

BOTIGLIERI, T. R. A.; EVANGELISTA, F. F. Demographic profile and prevalence of spontaneous abortion in the health macro-regions of the state of Paraná. Research, Society and Development, v. 11, n. 12, 2022. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/34492. Acesso em: 3 jan. 2024.

CARDOSO, B. B.; VIEIRA, F. M. S. B.; SARACENI, V. Aborto no Brasil: o que dizem os dados oficiais? Cad Saúde Pública, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csp/a/8vBCLC5xDY9yhTx5qHk5RrL/abstract/?lang=pt. Acesso em: 07 dez. 2023.

CURCIO, H. R.; HERNANDEZ, K. M.; COLON, J. A. Enfermedad trofoblastica gestacional diagnosticada en restos ovulares obtenidos de pacientes con abortos espontaneos. Rev Obs Ginecol Venez, p. 76-84, 2016. Disponível em: https://ve.scielo.org/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0048-77322016000200002&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 02 jan. 2024.

DANTAS, M. N. P. Iniquidades nos serviços de saúde brasileiros: uma análise do acesso e da discriminação racial a partir da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), 2013. Centro de ciências da saúde programa de pós-graduação em saúde coletiva [dissertação]. Natal (RN): Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2019. Disponível em: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/27298. Acesso em: 28 jan. 2023.

DINIZ, D.; MEDEIROS, M. Itinerários e métodos do aborto ilegal em cinco capitais brasileiras. Ciên Saúde Colet, v. 17, n. 1, p. 1671-1681, 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csc/a/MtWSdSdxVkdXdnVgRBXhgcr/abstract/?lang=pt. Acesso em: 28 dez. 2023.

GONÇALVES, B. I. V.; BARBOSA, A. M.S. C.; SIMÕES, I. A. R. Vivência da religiosidade após aborto espontâneo. Enfermagem Brasil, v. 21, n. 4, p. 430-441, 2022. Disponível em: https://convergenceseditorial.com.br/index.php/enfermagembrasil/article/view/5063. Acesso em: 07 nov. 2023.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua). Rio de Janeiro, 2022a.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico. Rio de Janeiro, 2022b.

MOTTA, C. T.; MOREIRA M. R. Will Brazil comply with the SDG 3.1 of the 2030 Agenda? An analysis of maternal mortality, from 1996 to 2018. Cien Saude Colet, v. 26, n. 10, p. 4397-4409, 2021. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/34730631/. Acesso em: 02 jan. 2024.

OLIVEIRA, M. T. S., et al. Fatores Associados ao Aborto Espontâneo: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, p. 361-372, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbsmi/a/tX8xjD4L48d5wRfPnfY6RkF. Acesso em: 07 nov. 2023.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Transformando nosso mundo: a Agenda 2030 para O Desenvolvimento Sustentável. Nova York: ONU, 2015. Disponível em: https://nacoesunidas.org/pos2015/agenda2030/. Acesso em: 27 nov. 2023.

PACHECO, E. S., et al. Avaliação da qualidade da atenção ao pré-natal no município de Parnaíba - Pi. Brazilian Journal Of Surgery And Clinical Research, v. 31, n. 2, p. 14-21, 2020. Disponível em: https://www.mastereditora.com.br/periodico/20200704_160148.pdf. Acesso em: 16 jan. 2024.

PIAUÍ. Governo do Estado do Piauí. Secretaria de Governo. Lei Complementar nº 87, de 22 de agosto de 2007. Governo do Estado do Piauí, Teresina, 2007. Disponível em: http://www.antigoseplan.pi.gov.br/uapr/lei87_22-08-2007.pdf. Acesso em: 16 jan. 2024.

RIBEIRO, C. L.; ALBUQUERQUE, F. O; SOUZA, A. R. Internações por aborto espontâneo: um retrato de sua ocorrência em Fortaleza. Revista Oficial do Conselho de Enfermagem. Fortaleza, 2017. Disponível em: http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/584/365. Acesso em: 07 nov. 2023.

SOUZA, J. E. V., et al. Internações e custos hospitalares por aborto espontâneo na Bahia, Brasil. Revista de Pesquisa: Cuidado é fundamental, p. 767-773, 2020. Disponível em: http://seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/7156/pdf. Acesso em: 07 nov. 2023.

STRUMPF, E. et al. Prevalence and clinical, social, and health care predictors of miscarriage. BMC Gravidez Parto, 2021. Disponível em: https://bmcpregnancychildbirth.biomedcentral.com/articles/10.1186/s12884-021-03682-z#citeas. Acesso em: 28 dez. 2023.

WHO. Preventing unsafe abortion [Internet]. World Health Organisation. 2016.. Dis-ponível em: https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/preventing-unsafe-abortion. Acesso em 09 de fev de 2024.

Published

2024-03-11

How to Cite

Campos, L. F. dos R., Pires, L. de A., Sousa Neto, A. D. de, Bezerra, N. A. S., Alves Junior, E. P. L., Lemos, M. H. da S., Silva, F. M. da, & Rodrigues, J. A. (2024). Internações hospitalares por aborto espontâneo no estado do Piauí entre 2018 e 2022. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 22(3), e3696. https://doi.org/10.55905/oelv22n3-082

Issue

Section

Articles

Most read articles by the same author(s)