Identificação fenológica da espécie Hovenia dulcis Thunberg em ambientes nativos por meio de fotos aéreas

Authors

  • Bruno Alexandre Pyl
  • Adriana Gibathe Pyl
  • Mariângela Ceschim Iurk
  • Fernando Luís Dlugosz

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv22n3-057

Keywords:

espécie exótica invasora, índices de vegetação, veículos aéreos não tripulados

Abstract

Entende-se como espécie invasora, aquela que supera três obstáculos, sendo eles: o limite geográfico; o êxito na sobrevivência e reprodução da espécie; e se perpetuar em áreas distintas. A Hovenia dulcis Thunberg, é considerada uma espécie exótica invasora no Brasil, a qual domina e degrada facilmente os ecossistemas nativos, sendo assim, de suma importância a avaliação e o monitoramento da espécie exótica invasora H. dulcis. Este monitoramento, tem sido facilitado com o uso do sensoriamento remoto, que se baseia principalmente em imagens obtidas por sensores ópticos multiespectrais, que ficam a bordo de satélites e em imagens coletadas por Veículos Aéreos   Não Tripulados (VANT’s). O presente trabalho tem como objetivo, avaliar o uso de fotos aéreas para a espécie H. dulcis em diferentes estágios fenológicos, com o intuito de descobrir a melhor época para a sua identificação. Assim, foi realizada a análise de fotos aéreas em diferentes meses, que contemplam os estágios fenológicos da espécie, com voos realizados com VANT, sobre a vegetação arbórea presente no Campus da UNICENTRO de Irati-PR. O processamento das fotos, foi realizado com o software Agisoft Metashape para a geração de ortomosaico RGB, e aplicação dos índices de vegetação GLI (Índice Folha Verde) e VARI (Índice Resistente à Atmosfera na Região Visível), enquanto que no software QGIS 3.26.2, foi plotado pontos para a fotointerpretação dos indivíduos de H. dulcis, com base no ortomosaico RGB. Também para a obtenção da verdade de campo, foram coletadas as coordenadas geográficas dos indivíduos desta espécie, com o auxílio de um receptor GNSS. Com esta pesquisa, foi possível obter a comprovação de que há diferença na identificação da H. dulcis nos distintos estágios fenológicos, podendo assim definir, como o período de frutificação (maio) o ideal para fazer o monitoramento da espécie por meio VANT’s.

References

APREMAVI (Associação de Preservação do Meio Ambiente e da Vida). Floresta com Araucárias. 2022. Disponível em: https://apremavi.org.br/mata-atlantica/paisagens-da- mata/floresta-com-araucarias/. Acesso em: 03 de março de 2023.

CAMBRAIA FILHO, D. J. Utilização de índices de vegetação baseados na porção visível do espectro eletromagnético para monitoramento de fitofisionomias do Cerrado. 2019. Brasília. Dissertação de Mestrado em Geociências Aplicadas - Universidade de Brasília. 147p.

CARVALHO, P.E.R. Ecologia, silvicultura e usos da uva-do-Japão (Hovenia dulcis Thunberg). 1994. Colombo. Embrapa Florestas. 24p, Disponível em: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/16964/1/circ-tec23.pdf. Acesso em: 02de março de 2023.

CURTARELLI, M. P. Sensoriamento remoto para monitoramento da vegetação. CERTI Campus Universitário UFSC – setor c Florianópolis – SC. 2020. Disponível em: https://certi.org.br/blog/monitoramento-da-vegetacao/. Acesso em: 04 de março de 2023.

FRANÇA, L. Índices de Vegetação com RGB. 2022. Disponível em: https://geoone.com.br/indices-de-vegetacao-com-rgb/. Acesso em: 19 de julho de 2023.

GIOVANINI, A. Índices de Vegetação? Disponível em: https://adenilsongiovanini.com.br/blog/indices-de-vegetacao-o-que-sao-e-como-utilizar/. Acesso em: 19 de julho de 2023.

INSTITUTO BRASILEIRO DE FLORESTAS, (IBF) 2020. Por que preservar a Mata

Atlântica. Disponível em: https://www.ibflorestas.org.br/mata-atlantica/por-que-preservar-a- mata-atlantica. Acesso em: 03 de março de 2023.

INSTITUTO HÓRUS DE DESENVOLVIMENTO E CONSERVAÇÃO AMBIENTAL - I3N

BRASIL. Base de dados nacional de espécies exóticas invasoras. Florianópolis – SC. 2021. Disponível em: http://i3n.institutohorus.org.br/www. Acesso em: 01 de março de 2023.

LAZZARIN, L. C.; SILVA, A. C.; HIGUCHI, P.; SOUZA, K.; PERIN, J. E.; CRUZ, A. P.

Invasão biológica por Hovenia dulcis Thunb. Em fragmentos florestais na região do Alto Uruguai, Brasil. 2015. Revista Árvore, Viçosa-MG, v.39, n.6, p.1007-1017, Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0100-67622015000600003. Acesso em: 01 de março de 2023.

LIMA, C. L.; OLIVEIRA, F. H.; SOTHE, C.; ALVES, F. E. Ocorrência da espécie arbórea exótica invasora Hovenia dulcis no estado de Santa Catarina. 2021. Ciência e Natura, 43p. Disponível em: file:///C:/Users/INFOR/Downloads/e63_42748.pdf. Acesso em: 23 de fevereiro de 2023.

LIMA, C. L.; OLIVEIRA, F.H.; SOTHE, C.; ALVES, F. E.; SCHIMALSKI, M. B.; SILVA, G. O.; LIESENBERG, V. Detecção da espécie exótica invasora Hovenia dulcis por meio de classificação supervisionada. 2021. Brazilian Journal of Development, 18p. Disponível em: file:///C:/Users/INFOR/Downloads/admin,+art+028+BJD+maio%20(3).pdf. Acessado em: 28 de fevereiro de 2023.

LIMA, D. R. M.; PESCK, V. A.; KONKOL, I.; DLUGOSZ, F. L.; FIGUEIREDO FILHO, A.

NAUIACK, C. H. B.; CUCHI, T.C. Detecção de espécie invasora na Floresta Ombrófila Mista por meio de classificação orientada ao objeto. In: ANAIS DO XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, Santos. Anais eletrônicos. São José dos Campos, INPE, 2019. 2694 – 2697 p. Disponível em: https://proceedings.science/sbsr-2019/papers/deteccao- de-especie-invasora-na-floresta-ombrofila-mista-por-meio-de-classificacao-orientada-ao- objeto?lang=pt-br. Acesso em 25 fevereiro de 2023.

LINDAO, A. A. L. Identificação de indivíduos da espécie Cordia trichotoma (Vell.) Arráb. Ex Steud em dois remanescentes florestais a partir de dados geoespaciais. 2021. Trabalho de Conclusão do Curso (Graduação em Engenharia Florestal) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Dois Vizinhos, 2021. Disponível em: http://repositorio.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/29299. Acesso em: 28 de agosto de 2023.

LOUHAICHI, M.; BORMAN, M. M.; JOHNSON, D. E. Spatially located platform and aerial photography for documentation of grazing impacts on wheat. Geocarto International, v. 16, n. 1, p.65–70, 2 mar. 2001.

MARCUSSI, A. B.; BUENO, C. R. P.; MIQUELONI, D. P.; ARRAES, C. L. Utilização de índices de vegetação para os sistemas de informação geográfica. 2010. Uberlândia-MG. Revista Caminhos de Geografia. v. 11, n. 35 Set/2010 p. 41 – 53.

PARANÁ, IAP. Lista de espécies exóticas invasoras do Paraná. 2015. Disponível em: https://www.iat.pr.gov.br/sites/agua-terra/arquivos_restritos/files/documento/2020- 04/folder_web_geral.pdf. Acesso em: 23 de fevereiro de 2023.

PARANÁ, IAP. Portaria IAP nº 59 de 15 de abril de 2015. 2015. Disponível em: https://celepar7.pr.gov.br/sia/atosnormativos/form_cons_ato1.asp?Codigo=2921. Acesso em: 23 de fevereiro de 2023.

Phantom 4. Disponível em: https://www.dji.com/global/phantom-4. Acesso em: 20 de julho de 2023.

SANTOS, V. D. Conservação em jogo: Floresta Ombrófila Mista. Bachelor's thesis. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, (2021). Disponível em: http://repositorio.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/27762. Acesso em: 23 de fevereiro de 2023.

SILVA, J. F.; PAZ, Y. M.; SILVA, P. P. L.; PEREIRA, J. A. S.; CANDEIAS, A. L. B. Índices de vegetação do Sensoriamento Remoto para processamento de imagens na faixa do visível (RGB). 2019. Journal of Hyperspectral Remote Sensing. v9. n4. p228-239.

SOS MATA ATLÂNTICA. Mata Atlântica. 2021. Disponível em:

https://www.sosma.org.br/causas/mata-atlantica/. Acesso em: 03 de março de 2023.

TELEGINSKI, E.; OLIVEIRA FILHO, P. C.; PESCK, V. A.; FIGUEIREDO FILHO, A.; TELEGINSKI, F. Utilização de mapa de intensidade de kernel na análise espacial da infestação de Hovenia dulcis Thunb. em Floresta Ombrófila Mista. In: Anais do XIX Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 2019, Santos. Anais eletrônicos. São José dos Campos, INPE, 2019. Disponível em: <https://proceedings.science/sbsr-2019/trabalhos/utilizacao-de-mapa-de-intensidade-de-kernel-na-analise-espacial-da-infestacao-de?lang=pt-br>. Acesso em: 08 ago. 2023.

Published

2024-03-08

How to Cite

Pyl, B. A., Pyl, A. G., Iurk, M. C., & Dlugosz, F. L. (2024). Identificação fenológica da espécie Hovenia dulcis Thunberg em ambientes nativos por meio de fotos aéreas. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 22(3), e3661. https://doi.org/10.55905/oelv22n3-057

Issue

Section

Articles