A prática de exercícios físicos e o estresse psicológico: uma comparação entre estudantes de medicina e de enfermagem

Authors

  • Fábio Ribeiro Umezu
  • Leonardo Luiz Contarini
  • Claudia Correia dos Santos Silva
  • Juliana Gonçalves Herculian
  • Luciane Cristine Ribeiro Rodrigues
  • Renata Aparecida de Camargo Bittencourt
  • Patrícia Ribeiro Mattar Damiance

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv22n3-056

Keywords:

saúde do estudante, estudantes de medicina, estudantes de enfermagem, exercício, estresse psicológico

Abstract

Introdução:  No curso de medicina, o estudante se depara com as exigências nos estudos, sendo necessário adaptar-se e modificar seu estilo de vida, o que pode comprometer o seu bem-estar. Semelhante a isso, aos alunos do curso de enfermagem, adiciona-se a necessidade de trabalhar para arcar com as despesas da formação, somados às obrigações com a família. Diante disso, a atividade física executada adequadamente tem sido difundida como uma maneira de defrontar os malefícios à saúde e reduzir o estresse. Objetivo: Comparar os alunos de medicina e enfermagem, nos últimos anos de graduação, sobre a importância do exercício físico na diminuição do estresse. Metodologia: Trata-se de um estudo de caráter transversal, utilizando-se da metodologia quantitativa. Para a coleta de dados, foi aplicado um questionário contendo 11 questões fechadas. Os entrevistados foram os alunos dos cursos de medicina e enfermagem de uma Faculdade do interior do estado de São Paulo, frequentadores dos últimos anos de graduação. Resultados: Totalizando 145 alunos convidados, com 88 respostas obtidas e analisadas. Eles foram separados em três grupos: o primeiro composto por atuais praticantes de atividade física (48,9%); o segundo contendo alunos que costumavam praticar e hoje não praticam mais (45,5%) e um terceiro daqueles que nunca praticaram (5,7%). Dos entrevistados, 87,5% afirmaram melhora no aprendizado com o exercício físico. Conclusão: Concluiu-se que a maior parte dos entrevistados concordam que a atividade física é benéfica ao organismo, em especial para saúde mental e rendimento nos estudos, quando praticado de forma e intensidade correta.

References

ALVES, Audrey dos Santos; BAPTISTA, Marcio Rodrigues. A atividade física no controle do stress. Corpus Et Scientia, Rio de Janeiro, n. 2, p. 05-15, set. 2006.

BASSOLS, Ana Margareth et al. A Prevalência de Estresse em uma Amostra de Estudantes do Curso de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Revista do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, Porto Alegre, v. 28, n. 3, p. 153-157, out. 2008.

BERTIN, Maysa de Almeida. A influência da atividade física nas dificuldades de aprendizagem. 2016. 27 f. Trabalho de conclusão de curso (licenciatura - Pedagogia) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências de Rio Claro, 2016.

Biblioteca Virtual em Saúde. Tipos metodológicos de estudo. 2018. Disponível em: https://docs.bvsalud.org/oer/2018/07/842/aula-1-tipos-metodologicos-de-estudos_2.pdf.

CESTARI, Virna Ribeiro Feitosa et al. Estresse em estudantes de enfermagem: estudo sobre vulnerabilidades sociodemográficas e acadêmicas. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo , v. 30, n. 2, p. 190-196, apr. 2017.

CHAOULOFF, Francis. The serotonin hypothesis. American Psychological Association, Washington DC, p. 179-98, 1997.

CROCHEMORE-SILVA, Inácio et al. Prática de atividade física em meio à pandemia da COVID-19: estudo de base populacional em cidade do sul do Brasil. Ciências e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 25, n. 11, p. 4249-4258, nov. 2020.

DE CAMPOS, Elaine Aparecida Regiani et al. Análise dos níveis de estresse em formandos de administração e ciências contábeis de uma universidade pública. Revista Gestão & Conexões, Vitória, v. 5, n. 1, p. 121-140, jun. 2016.

DISHMAN, Rod. K. Brian monoamines, exercise, and behavioral stress: animal models. Medicine & Science in Sports & Exercise, Indiana, v. 29, n. 1, p. 63-74, 1997a.

DISHMAN, Rod. K. The norepinephrine hypothesis. American Psychological Association Washington DC, p. 199-212, 1997b.

FONTANA, Rosane Teresinha; BRIGO, Lariane. Estudar e trabalhar: percepções de técnicos de enfermagem sobre esta escolha. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, Rio de Janeiro, v. 16, n. 1, p. 128-133, mar. 2012.

GONÇALVES, Maria Bernadete; BENEVIDES-PEREIRA, Ana Maria Teresa. Considerações sobre o ensino médico no Brasil: consequências afetivo-emocionais nos estudantes. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, v. 33, n. 3, p. 482-493, sep. 2009.

LOWEN, Alexander. Bioenergética. Summus Editorial, São Paulo, n. 4, 1982.

MCAULEY Edward; RUDOLPH David. Physical activity, aging, and psychological well-being. Journal of Aging and Physical Activity, Estados Unidos, v. 3, p. 67-96, 1995.

MELLO, Marco Túlio de et al. O exercício físico e os aspectos psicobiológicos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, Niterói, v. 11, n. 3, p. 203-207, jun. 2005.

MIELKE, Grégore Iven et al. Atividade física e fatores associados em universitários do primeiro ano da Universidade Federal de Pelotas. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. Florianópolis, v. 15, n. 1, p. 57-64, abr. 2010.

OLIVEIRA, Cristiano de Souza et al. Atividade física de universitários brasileiros: uma revisão da literatura. Revista de Atenção à Saúde, São Caetano do Sul, v. 12, n. 42, p. 71-77, out./dez. 2014.

OLMO, Neide Regina Simões; FERREIRA, Luciana Freixo; PRADO, Adelson Dantas. Percepção dos estudantes de medicina do primeiro e sexto anos quanto à qualidade de vida. Diagnóstico & Tratamento, São Paulo, v. 17, n. 4, p. 157-161, jun. 2012.

QUINTANA, Alberto Manuel et al. A angústia na formação do estudante de medicina. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro , v. 32, n. 1, p. 7-14, mar. 2008.

PRAAG, H. van. Exercise and brain: something to chew on. Trends Neurosci, 2009.

Disponível em: < http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2680508/>

RAGLIN John .S.; WILSON Michael. State anxiety following of bicycle ergometer exercise at selected intensities. International Journal of Sports Medicine, v. 17, p. 467-71, aug. 1996.

SAMULSKI, Dietmar Martin; NOCE, Franco. A importância da atividade física para a saúde e qualidade de vida: um estudo entre professores, alunos e funcionários da UFMG. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, Florianópolis, v. 5, n. 1, p. 5-21, out. 2000.

TRINDADE, Leda Maria Delmondes Freitas; VIEIRA, Maria Jesia. Curso de medicina: motivações e expectativas de estudantes iniciantes. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, v. 33, n. 4, p. 542-554, dec. 2009.

UMEZU, F. R; HERCULIAN, J. G.; CONTARINI, L. L.; RODRIGUES, L. C. R. A prática de exercícios físicos: uma proposta para redução do estresse em estudantes de medicina. 2020. 15 p. Projeto de Iniciação Científica (Graduação em Medicina) - Fundação Educacional do Município de Assis, Assis. No prelo.

WERNECK, Francisco Zacaron; FILHO, Maurício Gattás Bara; RIBEIRO; Luiz Scipião. Mecanismos de melhoria do humor após o exercício: Revisitando a hipótese das endorfinas. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v. 13, n. 2, p. 135-144, ago. 2005.

Published

2024-03-06

How to Cite

Umezu, F. R., Contarini, L. L., Silva, C. C. dos S., Herculian, J. G., Rodrigues, L. C. R., Bittencourt, R. A. de C., & Damiance, P. R. M. (2024). A prática de exercícios físicos e o estresse psicológico: uma comparação entre estudantes de medicina e de enfermagem. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 22(3), e3646. https://doi.org/10.55905/oelv22n3-056

Issue

Section

Articles

Most read articles by the same author(s)