Família contemporânea e as (novas) formas de moradia para a pessoa idosa de baixa renda de Araraquara – SP

Authors

  • Nayara Mendes Silva
  • Leticia Felice Olaia
  • Thainá Caroline Duarte de Mello
  • Karina Gramani Say
  • Luzia Cristina Antoniossi Monteiro

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv22n3-042

Keywords:

envelhecimento populacional, família, políticas públicas habitacionais

Abstract

O envelhecimento populacional é um fenômeno incontestável, resultando em demandas que perpassam o âmbito doméstico ao ensejar medidas do poder público para a efetivação de direitos fundamentais. Iniciativas emergem no sentido e prover habitação aos diferentes níveis de independencia e arranjos familiares da pessoa idosa. Deste modo, objetiva-se descrever sobre modalidades de moradia para a população idosa de Araraquara/SP, e discutir sobre o papel da família como determinante para a escolha da moradia mais adequada aos idosos. Diante da heterogeneidade deste segmento etário, (re)pensar formas de atendimento para além do seio familiar e ILPIs é medida que se impõe.

References

ALVES, Simone Da Silva Anjos. A Mediação E O Idoso E Os Onflitos No Âmbito Familiar. 2010, 50 fls. Trabalho de Conclusão de Curso ) Pós-Graduação em Conflitos com ênfase em família) – Instituto A Vez do Mestre – UCAM, RJ, 2010.

ARAUJO, Jeferson Santos et al. Perfil dos cuidadores e as dificuldades enfrentadas no cuidado ao idoso, em Ananindeua, PA. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 16, n. 1, p. 149-158, 2013.

ASSIS, Fabiana Idosos de Sمo Carlos e Araraquara mostram que idade nمo é barreira para trabalhar e se manter ativo, G1 São Carlos e Araraquara. Disponível em: <https://g1.globo.com/sp/sao-carlos-regiao/noticia/2018/10/01/idosos-de-sao-carlos-e- araraquara-mostram-que-idade-nao-e-barreira-para-trabalhar-e-se-manter-ativo.ghtml > Acesso em 28 de dezembro de 2018.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo, Edições 70, 2016.

BESTETTI, M. L. T. Habitação para idosos. O trabalho do arquiteto, arquitetura e cidade. Tese (Doutorado). FAU/USP. 2006.

BARROSO CTB (Org.). O idoso no direito positivo brasileiro. Brasília: Ministério da Justiça; 2001.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%C3%A7ao.htm>. Acesso: ago. 2014.

BRASIL. Lei nº 8625, de 12 de fevereiro de 1993. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8625.htm> Acesso em: maio de 2016.

BRASIL. Lei nº 8842, de 4 de janeiro de 1994. Dispõe sobre a Política Nacional do Idoso e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8842.htm> Acesso em agosto de 2014.

BRASIL. Lei nº 10.741, de 1 de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.741.htm. Acesso em: Ago, 2014.

BRASIL. Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa. PORTARIA nº 2.528 de 19 de outubro de 2006. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/2528%20aprova%20a%20politica%20nacional%20de%20saude%20da%20pessoa%20idosa.pdf. Acesso em: Ago,14.

BRASIL. SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO HUMANO. Dados sobre o envelhecimento no Brasil. Disponível em: <http://www.sdh.gov.br/assuntos/pessoa- idosa/dados-estatisticos/DadossobreoenvelhecimentonoBrasil.pdf> Acesso em 15. Ago. 2014.

BRASIL. Política Nacional de Assistência Social, 2004. Disponível em: > http://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/assistencia_social/Normativas/PNAS2004.pd f> . Acesso em jul. 2018.

DE OLIVEIRA MOREIRA, Jacqueline. Mudanças na percepção sobre o processo de envelhecimento: reflexões preliminares. Psicologia: teoria e pesquisa, v. 28, n. 4, p. 451- 456, 2012.

CAMARGOS, M.C.S.; GONZAGA, M.R. Viver mais e melhor? Estimativas de expectativa de vida saudável para a população brasileira. Cad. Saúde Pública[online]. vol.31, n.7, pp.1460- 1472, 2015.

DEBERT, G. G.; SIMÕES, J. A. Envelhecimento e velhice na família contemporânea. In: FREITAS, E.V. et al. Tratado de geriatria e gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006. p. 1366- 1373.

FEIJO, M. C. A aplicabilidade do Estatuto do Idoso junto ao Ministério Público de São Paulo. 2010. Tese (Doutorado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2010.

GOLDANI, Ana Maria. As famílias brasileiras: mudanças e perspectivas. Cadernos de pesquisa, n. 91, p. 7-22, 1994.

GUEDES, Elaine Cristina Nascimento; LEMOS, Thayna Roque de Sousa; CANDEIA, Normanda. MORADIA DIGNA NO PROJETO HABITACIONAL CIDADE MADURA: UMA QUESTÃO DE MOBILIDADE E ACESSO NO ENVELHECIMENTO ATIVO. In: V Congresso Internacional de Envelhecimento Humano, 2017, Maceió/AL. Anais V CIEH. Campina Grande/PB: Realize Editora, 2017. v. 1. p. 1-6.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Perfil dos idosos responsáveis pelos domicílios. 2002. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/25072002pidoso.shtm. > Acesso em: 22 de abril de 2017.

IBGE. População residente, por sexo e grupos de idade, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação – 2010. Sinopse do Censo Demográfico 2010. Brasil. Disponível em: <https://censo2010.ibge.gov.br/sinopse/index.php?dados=12>. Acesso em 18. jul. 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Síntese de Indicadores Sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro, P. 15-16. 26.- 28. 2016.

Número de idosos cresce 18% em 5 anos e ultrapassa 30 milhões em 2017. Agência IBGE Notícias. Abr. 2018. Disponível em: <https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia- noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/20980-numero-de-idosos-cresce-18-em-5-anos-e ultrapassa-30-milhoes-em-2017.html>. Acesso em 18 de jul. 2018.

KALACHE, Alexandre. Envelhecimento populacional no Brasil: uma realidade nova. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro , v. 3, n. 3, p. 217-220, Sept. 1987.

KÜCHEMANN, Berlindes Astrid. Envelhecimento populacional, cuidado e cidadania: velhos dilemas e novos desafios. Sociedade e Estado, v. 27, n. 1, p. 165-180, 2012.

KUNZLER, C. M. Uma moradia digna para os idosos–ampliando o sentido de dignidade a este direito fundamental. Mais 60 Estudos sobre Envelhecimento,v. 27, n. 64, p. 48-65, 2016.

LEONE, Eugenia Troncoso et al. Mudanças na composição das famílias e impactos sobre a redução da pobreza no Brasil. Economia e Sociedade, 2010.

LOPES, et al. O que levou os idosos à institucionalização? Rev enferm UFPE on line., Recife, v. 12, n. 9, p. 2428-35, set., 2018.

LUCAS, Cristiane Branquinho. O Ministério Público e a Fiscalização das Instituições de Longa Permanência para Idosos – um pouco da experiência do Estado do Rio de Janeiro. Disponível em:<http://www.ampid.org.br/v1/wp-content/uploads/2018/04/O- Minist%C3%A9rio-P%C3%BAblico-e-a-Fiscaliza%C3%A7%C3%A3o-das- Institui%C3%A7%C3%B5es-de-Longa-Perman%C3%AAncia-para-Idosos-%E2%80%93-um-pouco-da-experi%C3%AAncia-do-Estado-do-Rio-de-Janeiro-Cristiane-Branquinho-1.pdf> . Acesso em jul. 2018. Guanabara Koogan, 2017. P. 2996 –3014.

MIRANDA, Gabriella Morais Duarte; MENDES, Antonio da Cruz Gouveia; DA SILVA, Ana Lucia Andrade. O envelhecimento populacional brasileiro: desafios e consequências sociais atuais e futuras. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 19, n. 3, p. 507-519, 2016.

MONTENEGRO, O. et al. Social dependency in old age: poor training, pension and housing. Enfermería Global, v. 12, n. 32, 2013.

PASSOS, Luana; GUEDES, Dyeggo. Participação feminina no mundo do trabalho e a crise de cuidados da modernidade: conexões diversas. Anais, p. 1-20, 2017.

PERSEGUINO, Marcelo Geovane; DE MORAES HORTA, Ana Lucia; RIBEIRO, Circéa Amália. A família frente a realidade do idoso de morar sozinho. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 70, n. 2, 2017.

PINA, Selma Cristina Tomé Tome et al. • O papel da família e do Estado na proteção do idoso. Ciência ET Praxis, v. 9, n. 18, p. 35-40, 2017.

QUIROGA, Olga L. L. de. O Garmic e a luta por moradia para idosos na cidade de São Paulo. In: Revista Kairós, São Paulo, v. 10, n; 1, pp .213-220, 2007.

RABELO, Doris Firmino. Os idosos e as relações familiares, In: Freitas, Elizabete Viana de Tratado de geriatria e gerontologia/Elizabete Viana de Freitas, Ligia Py. –4. ed. – [Reimpr.]. –Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017. p. 3383 –3398.

RODRIGUES, M. País não está pronto para uma ‘sociedade de idosos’, diz especialista. 2018. Disponível em <https://g1.globo.com/df/distrito- federal/noticia/2018/08/05/pais-nao-esta-pronto-para-uma-sociedade-de-idosos-diz-especialista-leia-entrevista.ghtml> . Acesso: setembro de 2018.

SAAD, Paulo M. Envelhecimento populacional: demandas e possibilidades na área de saúde. Séries Demográficas, v. 3, p. 153-166, 2016.

SÃO PAULO, Assembléia Legislativa do Estado de. Lei nº 23.555/2009. Disponível em: <http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei/2009/lei-1355509.06.2009.html> . Acesso em março de 2016.

SÃO PAULO (Estado). Assembleia Legislativa. Lei Complementar n. 734 de 1993. Institui a Lei Orgânica do Ministério Público e dá outras providências. Disponível em: <http://www.mpsp.mp.br/portal/page/portal/estrutura/734.htm>. Acesso em: jun. 2017.

SILVA, A. C. L; MINCACHE, G. B; ROSA, M. A. S; MUTCHNIK, V. I. Sensações do morar e a concretização de moradia para idosos egressos de um albergue. Caderno Temático Kairós Gerontologia 8. ISSN 2176-901X, São Paulo, novembro 2010: 169-193.

SILVA, R. S. B. O necessário fortalecimento da atuação do Ministério Público na defesa dos interesses transindividuais. Cadernos de Direito, Piracicaba, v. 12, n. 22, p. 155-166. jan./jun. 2012.

SILVA, Raimunda Magalhães da et al. Influências dos problemas e conflitos familiares nas ideações e tentativas de suicídio de pessoas idosas. Ciência & Saúde Coletiva, v. 20, p. 1703-1710, 2015.

VERAS, Renato Peixoto; CALDAS, Célia Pereira; CORDEIRO, Hesio de Albuquerque. Modelos de atenção à saúde do idoso: repensando o sentido da prevenção. Physis: Revista de Saúde Coletiva, v. 23, p. 1189-1213, 2013.

VITÓRIO LINI, Ezequiel; RODRIGUES PORTELLA, Marilene; DORING, Marlene. Fatores associados à institucionalização de idosos: estudo caso-controle. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 19, n. 6, 2016.

Published

2024-03-05

How to Cite

Silva, N. M., Olaia, L. F., de Mello, T. C. D., Say, K. G., & Monteiro, L. C. A. (2024). Família contemporânea e as (novas) formas de moradia para a pessoa idosa de baixa renda de Araraquara – SP. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 22(3), e3623. https://doi.org/10.55905/oelv22n3-042

Issue

Section

Articles