Governança de uso dos recursos no manejo florestal comunitário: o caso emblemático da Reserva Extrativista Verde para Sempre na Amazônia

Authors

  • César Augusto Tenório de Lima
  • Oriana Trindade de Almeida
  • Maria Creusa da Gama Ribeiro
  • Maria Margarida Ribeiro da Silva
  • Stefany de Souza Pereira
  • Técia Júlia Carvalho de Belém
  • Raiceli Maria da Costa Palha de Lima
  • Marlon Costa de Menezes

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv21n2-024

Keywords:

governança local, manejo florestal comunitário, uso comum dos recursos, RESEX verde para sempre

Abstract

As iniciativas de governança comunitária no manejo florestal ainda estão longe de se tornarem efetivamente arranjos institucionais descentralizados do poder público, ainda há uma forte dependência do Estado no apoio à organização, planejamento e meios de uso dos recursos naturais. Essa dependência também é evidenciada em parceria com organizações não governamentais, o que tem demonstrado pouca efetividade nas ações e no empoderamento comunitário a longo prazo. Na Amazônia Paraense são poucos os exemplos de casos que resultaram no protagonismo de povos e comunidades tradicionais, no tocante ao uso comum dos recursos florestais. Esta pesquisa tem por objetivo descrever a experiência de cinco comunidades ribeirinhas da Reserva Extrativista Verde  para Sempre, localizada no município de Porto de Moz, no Oeste do Estado do Pará, onde tiveram a iniciativa de implementar um modelo de gestão dos recursos de base comunitária, com exploração florestal na lógica de um manejo adaptativo, de acordo com suas condições e necessidades. Aqui é apresentado como foi construído de forma participativa esse modelo denominado de “governança  local”, que possibilitou o processo de condução direta da gestão pelas comunidades, onde as mesmas articularam com os atores envolvidos por meio de uma parceria formal, sem descaracterizar os interesses dos usuários. Os resultados revelaram que as comunidades estudadas têm avançado satisfatoriamente no alcance de suas metas, sendo consideradas iniciativas promissoras que podem ser multiplicadas. Constatou-se que a partir desse caso considerado emblemático, o órgão gestor da RESEX tem adotado uma postura de cogestão colaborativa, ao ponto de poder reconhecer esse modelo de governança e possibilitar a resignificação do manejo florestal comunitário, hoje considerado tecnicista. O artigo compartilha percepções socioambientais e lições aprendidas de cinco anos de observação empírica (2010-2015), a fim de contribuir para esse debate que ainda em seu início.

References

Agrawal, A. (2007). Forests, Governance and Sustainability: common property theory and its contributions. International Journal of the Commons, v. 1, n. 1, Outubro. p. 111-136.

Agrawal, A; Brown, D. G; Rao, G; Riolo, R; Robinson, D. T. & Bommarito, M. (2013). Interactions between organizations and networks in common-pool resource governance. Environmental Science & Policy, Volume 25, January, pp. 138–146.

Amaral, P. (2005). Manejo florestal comunitário: processos e aprendizagens na Amazônia brasileira e na América Latina / Paulo Amaral & Manuel Amaral Neto– Belém: IEB: IMAZON. p. 86: il.

Brasil. (2013). Ministério do Meio ambiente. Serciço Florestal Brasileiro. Relatório Técnico da Gerência de Florestas Comunitárias do Serviço Florestal Brasileiro (GEFLOC/SFB), Brasília/DF.

Biesbrouck, K. (2002). New Perspectives on Forest Dynamics and the Myth of 'Communities': Reconsidering Co-Management of Tropical Rainforests in Cameroon. IDS Bulletin, January, Volume 33, Issue1, pp. 55–64.

Cardona, W. C; Jong, W; Zuidema, P. A. & Boot, R. (2014). Diverse local regulatory responses to a new forestry regime in forest communities in the Bolivian Amazon. Land Use Policy, Volume 39, July, pp. 224– 232.

Capelari, M. G. M; Calmon, P. C. D. P. & Araújo, S. M. V. G. (2017). Vincent e Elinor Ostrom: dus confluentes trajetórias para a governança de recursos de propriedades comuns. Ambiente & Sociedade. São Paulo v. XX, n° 1, jan-mar, p. 207-226.

Chen, H; Zhu, T; Krott, M. & Maddox, D. (2013). Community forestry management and livelihood development in northwest China: integration of governance, project design, and community participation. Regional Environmental Change, Vol. 13, Issue1, February, pp. 67-75.

Cheng, A. S. & Sturtevant, V. E. (2012). A Framework for Assessing Collaborative Capacity in Community- Based Public Forest Management. Environmental Management, March, Volume 49, Issue 3, pp. 675-689.

Cunha, L. H. (2004). Da “Tragédia dos Comuns” à Ecologia Política: perspectivas analíticas para o manejo comunitário dos recursos naturais. Raízes, Campina Grande, v. 23, n. 1 e 2, jan/dez. p. 10-26.

Barquero, A. V. (2002). Desenvolvimento endógeno em tempos de globalização. Porto Alegre: Fundação de Economia e Estatística, p. 278.

Dyer, J; Stringer, L. C; Dougill, A. J; Leventon, J; Nshimbi, M; Chama, F; Kafwifwi, A; Muledi, J. I; Kaumbu, J. M. K; Falcao, M; Muhorro, S; Munyemba, F; Kalaba, G. M. & Syampungani, S. (2014). Assessing participatory practices in community-based natural resource management: Experiences in community engagement from southern Africa. Journal of Environmental Management, Volume 137, 1 May, pp. 137–145.

Fleeger, W. E. & Becker, M. L. (2008). Creating and sustaining community capacity for ecosystem-based management: Is local government the key? Journal of Environmental Management, Volume 88, Issue4, September, pp. 1396–1405.

Garcia, C. A & Lescuyer, G. (2008). Monitoring, indicators, and community-based forest management in the tropics: pretext soared herrings? Biodiversity and Conservation, June, Volume 17, Issue 6, pp. 1303-1317.

Herdin, G. (1968). The tragedy of the commons. Science, 162: 1243-8.

Jell, B. & Machado, J. S. (2002). Collaborative Management in the Region of Lobeke, Cameroon: The Potentials and Constraints in Involving the Local Population in Protected Area. New Series, Vol. 6, n° 1, pp. 180-203.

Kijazi, M. H. & Kant, S. (2011). Social acceptability of alternative forest regimes in Mount Kilimanjaro, Tanzania, using stakeholder attitudes as metrics of uncertainty. Forest Policy and Economics, Volume 13, Issue4, April, pp. 242–257.

Kitamura, K & CLAPP, R. A. (2013). Common property protected areas: Community control in forest conservation. Land Use Policy, Volume 34, September, pp. 204–212.

Levine, A. S & Richmond, L. S. (2014). Examining Enabling Conditions for Community-Based Fisheries Comanagement: Comparing Efforts in Hawaii and American Samoa. Ecology and Society, 19(1): 24.

May, C. K. (2008). Achieving sustainability in US fisheries: community engagement in co‐management. Sustainable Development, November/December, Vol.16, Issue6, pp. 390–400.

Measham, T; Lumbasi, J. (2013). Success Factors for Community-Based Natural Resource Management (CBNRM): Lessons from Kenya and Australia. Environmental Management, September, Volume 52, Issue 3, pp. 649-659.

Medina, G. (2012). Governança local para o manejo florestal na Amazônia. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Vol. 27 nº 78, p. 79.

Medina, G & Barbosa, C. W. B. (2015). Experiências produtivas de agricultores familiares da Amazônia. Gabriel Medina e Cláudio Wilson Soares Barbosa (Editores). – Goiânia: Kelps, p. 198 il. Segunda Edição.

Menezes, M. C; Barbosa, C. W. S; Medina, G; Lima, C. A. T; Trindade, N. G. P & Cavalcante, T. V. (2013). Uso tradicional da floresta para a extração de madeira. In: Medina, G. Experiências Produtivas de Agricultores familiares na Amazônia. Goiânia: Kelps, p. 208 il.

Moran, E. F & Ostrom, E. (2009). Ecossistemas Florestais. Emílio F. Moran; Elinor Ostrom (orgs). Edição 1, Editora SENAC/SP, p. 544.

Olson, M. (1965). The Logic of Collective Action: public good sand the theory of groups. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press.

Ostrom, E. (1990). Governing the Commons: The Evolution of Institutions for Collective Active. New York: Cambridge University Press.

Ostrom, E. (2002). The Drama of the Commons. National Research Council. Committee on the Humans Dimensions of Global Change. E. Ostrom [et al.]. Division of Behavioral and Social Sciences and Education. Washington, DC: National Academy Press, p. 534.

Ostrom, E & McKean, M. (2001). Regimes de propriedade comum em florestas: somente uma relíquia do passado? In: Diegues, Antônio Carlos; Moreira, André de Castro (Org.). Espaços e recursos naturais de uso comum. São Paulo: USP, p. 79-95.

Ostrom, E & Tucker, C. (2009). Pesquisa multidisciplinar relacionando instituições e transformações florestais. In: Moran, E & Ostrom, E. (Org.). Ecossistemas florestais: interações homem-ambiente. São Paulo: Editora Senac; Edusp, p. 109-138.

Pacheco, P.; Nunes, W.; Rocha, C; Vieira, I; Herrerra, J. A; Santos, K. A; Silva, T. F & Cayres, G. (2009). Acesso à terra e meios de vida: examinado as suas interações em três locais do Estado do Pará. Centro Internacional de Pesquisa Florestal – LAET/NEAF/UFPA; Assessoria Comunitária e Ambiental – ARCA; Direitos e Recursos – RRI. Belém, Pará, CIFOR, p. 74.

Pinto, A. (2011). Iniciativas de Manejo Florestal Comunitário e Familiar na Amazônia Brasileira 2009/2010. Andréia Pinto; Paulo Amaral; Manuel Amaral – Belém, PA: IMAZON; IEB / Brasília, DF: GIZ; SFB, p. 84 il.

Pokorny, B; Godar, J; Hoch, L; Johnson, J; Koning, J; Medina, G; Steinbrenner, R; Vos, V. & Weigelt, J. A. (2014). produção familiar como alternativa de um desenvolvimento sustentável para a Amazônia: Lições aprendidas de iniciativas de uso florestal por produtores familiares na Amazônia boliviana, brasileira, equatoriana e peruana. CIFOR, Bogor, Indonésia.

Porro, R.; Porro, N. S. M.; Menezes, M. C. & Bartholdson, O. (2015). Collective action and forest management: institutional challenges for the environmental agrarian reform in Anapu, Brazilian Amazon. International Forestry Review, v. 17, p. 20-37, Mar. Suppl. 1.

Prasad, R. & Kant, S. (2003). Institutions, Forest Management, and Sustainable Human Development – Experiences from India. Environment, Development and Sustainability, September, Volume 5, Issue 3, pp. 353-367.

Ruiz-Ballesteros, E. & Gual, M. A. (2012). The Emergence of New Commons. Human Ecology, December, Volume 40, Issue 6, pp. 847-862.

Siry, H. Y. (2011). In search of appropriate approaches to coastal zone management in Indonesia. Ocean & Coastal Management, Volume 54, Issue 6, June, pp. 469–477.

Taylor, P. L; Cronkleton, P. & Barry, D. (2013). Learning in the Field: Using Community Self Studies to Strengthen Forest-Based Social Movements. Sustainable Development, Vol. 21, Issue4, July/August, pp. 209–223.

Watrin, O. S. (2009). Levantamento do uso e cobertura da terra em área da reserva extrativista Verde para Sempre, Porto de Moz, PA / Orlando dos Santos Watrin, Pedro Mourão de Oliveira – Belém, PA: Embrapa Amazônia Oriental, p. 36:21 cm – (Embrapa Amazônia Oriental. Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, 69).

Williamson, O. E. (1994). The mecanisms of governance. Berkley: University of California, p. 411.

Published

2023-04-20

How to Cite

de Lima, C. A. T., de Almeida, O. T., Ribeiro, M. C. da G., da Silva, M. M. R., Pereira, S. de S., de Belém, T. J. C., de Lima, R. M. da C. P., & de Menezes, M. C. (2023). Governança de uso dos recursos no manejo florestal comunitário: o caso emblemático da Reserva Extrativista Verde para Sempre na Amazônia. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 21(2), 1029–1048. https://doi.org/10.55905/oelv21n2-024

Issue

Section

Articles

Most read articles by the same author(s)