Maçã de elefante (Dillenia indica): explorando seu potencial nutricional, tecnológico e sensorial

Authors

  • Agáta Ishiba Chapina
  • Silvia Leticia Rivero Meza
  • Fabiana Perrechil Bonsanto
  • Aline Andreia Cavalari
  • Anna Cecília Venturini
  • Patricia Sinnecker

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv22n3-027

Keywords:

Dillenia indica, composição nutricional, suco de maçã de elefante, análise sensorial, CATA (“Check-All-That-Apply”)

Abstract

A maçã de elefante é um fruto de uma planta alimentícia não convencional (PANC), pouco conhecida, que é usada como terapêutica na medicina popular asiática, com propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes, porém faltam estudos que evidenciem suas propriedades nutricionais e presença de compostos bioativos. O trabalho teve como objetivo a caracterização da composição nutricional do fruto, elaboração de um preparo culinário (suco), caracterização físico-química (pH, oBrix, Cor CIE L*a*b*) e avaliação sensorial com metodologia CATA (“Check-all-that-apply”), aceitabilidade e intenção de compra. Foram coletados 70 frutos de coloração levemente amarelada e sem danos externos no Parque do Ibirapuera, São Paulo/ SP, em setembro de 2022. Após colheita, a polpa foi separada da casca e sementes e triturada para análises imediatas e outra parte foi armazenada em pedaços em sacos de polietileno à -18oC. Na polpa fresca foram feitas análises de umidade (estufa a 105oC), cinzas totais (mufla a 550oC), proteínas por Kjeldhal (fator de conversão de N 5,75), lipídeos pelo método de Goldfish e carboidratos totais foi calculado por diferença. O suco foi obtido com 80g de fruto:200 mL de água, triturado em liquidificador, coado, adoçado com 2,5% de açúcar e armazenado em garrafas de polietileno sob refrigeração até o momento das análises. A fruta apresentou um teor de umidade de 88,61 ± 0,29%, cinzas 0,37 ± 0,01%, lipídios 0,24 ± 0,10%, proteínas 0,69 ± 0,07% e carboidratos totais 10,09%. O suco apresentou pH ácido (2,65 ± 0,01) e um Brix baixo (5,8° ± 0,07), indicando uma quantidade pequena de açúcares, ou seja, uma doçura menor quando comparado a outros frutos convencionais. O suco escurece imediatamente após o corte e preparo, evidenciando a oxidação de ácido ascórbico (vitamina C). O armazenamento da polpa sob -18oC não reduziu o potencial de escurecimento, afetando os valores de cor instrumental CIE L* a* b*, com redução em L* e aumento dos parâmetros de a* e b*, indicando uma mudança de cor amarelo pálido para amarelo escuro. A análise sensorial do suco com 103 provadores não treinados apresentou uma aceitabilidade moderada (6,6 ± 1,56) e apenas 31% dos provadores expressaram interesse de compra. O aspecto visual do suco foi descrito como turvo, heterogêneo, encorpado de cor amarelo-amarronzada; seu odor era frutado, não muito aromático, refrescante, remetendo ao aroma de acerola e fruto verde; seu sabor foi relatado como adstringente (amarrento), pouco doce, remetendo a sabor de fruto verde e acerola. A maçã de elefante é um fruto com potencial nutritivo, com teor proteico maior do que outras frutas. Para aumentar a aceitabilidade do suco e viabilizar seu uso como preparo culinário sugere-se aumentar o teor de açúcares e melhorar os aspectos relacionados a cor e turbidez, com a aplicação de processos de pasteurização, inativação enzimática ou uso de novas tecnologias para minimizar a degradação de compostos bioativos.

References

Ahamed, Shakil; Borah, Anjan. Elephant apple fruit and its potential health benefits: A review. The Pharma Innovation Journal, v. 11 (6), p. 1174-1178, 2022.

AOAC. Association of Official Agricultural Chemists. Official Methods of Analysis. 15ed., 1996.

Bértolo, D. F. Q. Aplicação de quitosano na redução do escurecimento enzimático em sumo de maçã não pasteurizado (estabilizado por hiperpressão). Dissertação de Mestrado em Tecnologia e Segurança Alimentar. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Universidade Nova, Lisboa, Portugal. 2011, 82 p.

Dasanayaka, B.I.; Jinadasa, R.N.; Jayasuriya, K.M.G.G.; Phartyal, S.S. Seed ecophysiology of Elephant apple (Dillenia indica L.) – an important tree species of the Indomalayan realm. Ecological Research, v.37, p.532-543, 2022. DOI: 10.1111/1440-1703.12312

Deshmukh, N.; Okram, S.; Angami, T.; Rymbai, H. Elephant Apple (Dillenia indica). In: Ghosh, S.N. et al. Minor Fruits: Nutraceutical Importance and Cultivation. Delhi, Índia: JAYA Publishing House, 2017. cap. 18, p. 409 - 420. ISBN 9789186110299.

Gopalan, C.; Rama Sastri, B.V.; Bala Subramanian, S.C. 1993. Nutritive value of Indian foods. Narasinga Rao (ed.). National Institute of Nutrition, Indian Council of Medical Research, Hyderabad¬ 500007.

IAL, Instituto Adolfo Lutz. Métodos físico-químicos para análise de alimentos. 4ª edição, 1ª Edição Digital. São Paulo: Instituto Adolfo Lutz, 2008.

Janick, J.; Paull, R. E. (Ed.). Dilleniaceae: Dillenia indica - elephant apple. In: The encyclopedia of fruit and nuts. CABI, 2008. p. 321-322.

Kamal, M. M. et al. Optimization of microwave-assisted extraction of pectin from Dillenia indica fruit and its preliminary characterization. Food Processing and Preservation, v. 44 (6), p. e14466, 2020.

Liberato, P.S, et al. PANCs - Plantas Alimentícias Não Convencionais e seus benefícios nutricionais. Environmental Smoke, João Pessoa, v. 2, n.2, p. 102-111, 2019.

Marín-Arroyo, M.R.; González-Bonilla, S.M. Sensory characterization, and acceptability of a new lulo (Solanum quitoense Lam.) powder-based soluble beverage using rapid evaluation techniques with consumers. Foods, 11, 3129, 2022.

Nayak, P.K.; Rayaguru, K. Design, development, and performance evaluation of elephant apple core cutter. J. Food Sci. Technol., v.54, 4060–4066, 2017.

Saikia, D.; Kesavan, R.; Stephen Inbaraj, B.; Dikkala, P.K.; Nayak, P.K.; Sridhar, K. Bioactive Compounds and Health-Promoting Properties of Elephant Apple (Dillenia indica L.): A Comprehensive Review Foods, v.12, 2993, 2023. https://doi.org/10.3390/foods12162993

Saikumar, A.; Nickhil, C.; Badwaik, L.S. Physicochemical characterization of elephant apple (Dillenia indica L.) fruit and its mass and volume modeling using computer vision. Sci. Hortic. 314, 111947, 2023.

Santos, R.T.S.; Biasoto, A.C.T.; Rybka, A.C.P.; Castro, C.D.P.C.; Aidar, S.T.; Borges, G.S.C. Physicochemical characterization, bioactive compounds, in vitro antioxidant activity, sensory profile and consumer acceptability of fermented alcoholic beverage obtained from Caatinga passion fruit (Passiflora cincinnata Mast.). LWT – Food Science and Technology, v.148, 111714, 2021.

Silva, J. C. C, et al. Capítulo 2. Avaliação do teor de sólidos solúveis (brixº) de polpas de frutos congeladas comercializadas na cidade de Cuité-PB. Nutrição nos ciclos da vida-Pesquisas e avanços, v.1,p.13, 2022.

Yazan, L.S.; Armania, N. Dillenia species: a review of the traditional uses, active constituints and pharmacological properties from pre-clicinical studies. Pharmaceutical Biology, v.52 (7), p. 890-897, 2014. DOI:10.3109/13880209.2013.872672

Published

2024-03-04

How to Cite

Chapina, A. I., Meza, S. L. R., Bonsanto, F. P., Cavalari, A. A., Venturini, A. C., & Sinnecker, P. (2024). Maçã de elefante (Dillenia indica): explorando seu potencial nutricional, tecnológico e sensorial. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 22(3), e3597. https://doi.org/10.55905/oelv22n3-027

Issue

Section

Articles

Most read articles by the same author(s)