As relações cotidianas entre vida e arte: atitudes criadoras e a noção de vidarte

Authors

  • Alberto D'Avila Coelho
  • Daiani Nogueira Luche

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv22n2-237

Keywords:

vidarte, cartografia, atitude estética, arte, vida

Abstract

O presente artigo nasce de uma pesquisa na área de educação, cujos interesses coincidiram e ganharam maior relevância com a chegada do “fique em casa”, situação imposta pela pandemia da Covid-19. Nesse período, fomos confrontados por uma rotina repetitiva e sem perspectivas, que nos forçou a descobrir formas de suportar um viver nunca antes experimentado, e que ajudassem no enfrentamento das incertezas daquele momento. Vivendo essa realidade investimos no propósito de acompanhar um conhecer-se, um cuidar-se para, talvez, cuidar do outro. Perguntamos: como suportar uma vida em confinamento? Como tornar o “ficar em casa” fonte de afirmação da vida? Abrindo um campo problemático limitado a nossa casa, na articulação com fazeres domésticos, laborais e artísticos, novas questões apareceram: que efeitos é possível notar no transcorrer de uma vida trivial que busca se transformar ao tomar a arte como aliada? Que limites uma vida cotidiana em “artistagens” pode alcançar? Como a arte age e faz com que um corpo se reconheça em transformação? Diante dessas questões, a pesquisa objetivou: pensar uma vida inventiva em isolamento, em sua limitação espacial no interior de uma casa/pátio, e propor a criação do conceito de “vidarte”. Através do método de pesquisa cartográfico (que propõe uma produção de dados na duração dos acontecimentos), analisou-se a ação de um corpo-pesquisadora-cartógrafa enquanto acompanhou a percepção de seu corpo ao mapear os instantes em que ele foi forçado a pensar, e só pensou porque foi levado a fazê-lo. Cartografando os instantes marcados pela arte e aliados a momentos de leituras e escritas, percebeu-se que nesse território, assim agenciado, ao priorizar atitudes artísticas e estéticas que intervêm na realidade, estando em isolamento ou não, modos de vida são movimentados pelas forças dos signos criadores da arte, aliados a uma ética e a uma política. Deste modo vive-se na potência que propicia renovações pela afirmação da própria vida em todos os seus (des)encantos.

References

BRANDÃO E. R. A arte como expressão da vida como vontade de poder em Friedrich Nietzsche. Griot: Revista de Filosofia, Amargosa – BA; v.20, n.2, p.190-201, junho, 2020.

DELEUZE, Gilles. Cursos sobre Spinoza. 3. ed. Fortaleza: EdUECE, 2019.

DELEUZE, Gilles.; GUATTARI, Felix. O que é a Filosofia? São Paulo: Editora 34, 1992.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: entre capitalismo e esquizofrenia. vol. 2. 2ª edição. 1ª reimpressão. Coleção TRANS. São Paulo: Editora 34, 2015. (A)

DIAS, R. M. Nietzsche, vida como obra de arte. Civilização Brasileira. Rio de Janeiro, 2011.

ESPINOSA, B. Ética segundo a ordem geométrica. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

FARINA; RODRIGUES. Cartografias do sensível. In: FARINA; RODRIGUES. Estética e subjetivação na contemporaneidade. Porto Alegre: Editora Evangraf Ltda. 2009.

FOUCAULT, M. À propos de la généalogie de l’éthique: un aperçu du travail en cours. Entrevista com H. Dreyfus e P. Rabinow, segunda versão. In: FOUCAULT, M. Dits et écrits (1980-1988), IV, Paris: Gallimard, 1994.

FOUCAULT, Michel. Arqueologia do Saber. 7 ed. Tradução Luiz F. B. Neves. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

FOUCAULT, Michel. Conceitos fundamentais/editado por Dianna Taylor. Petrópolis, RJ: Vozes, 2018.

G1. Ministro do Meio Ambiente defende passar 'a boiada' e 'mudar' regras enquanto atenção da mídia está voltada para a Covid-19. Disponível em: <https://g1.globo.com/politica/noticia/2020/05/22/ministro-do-meio-ambiente-defende-passar-a-boiada-e-mudar-regramento-e-simplificar-normas.ghtml> Publicado em 22/05/2021. Acesso em 13/08/2022.

HANNAH ARENDT. A condição humana. 11ª edição revista. UNIVERSlTARIA, 2007.

KASTRUP, V. Flutuações da atenção no processo de criação. In: Eric Lecerf, Siomara Borba e Walter Kohan. (Org.). Imagens da imanência - escritos em memória de H. Bergson. 1ed. Belo Horizonte: Autêntica, v. 1, p. 59-71, 2017.

LEITE, T. O domínio da arte no pensamento de Hannah Arendt. Revista Philia - Filosofia, Literatura & Arte, v. 1, p. 548-263, 2019.

MOSÉ, Viviane. Nietzsche Hoje: sobre os desafios da vida contemporânea. Petrópolis, RJ: Vozes, 2018.

NIETZSCHE, F. W. Vontade de Potência. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

PIMENTEL, Mariana. A arte de resistir ou a re-existência da arte. In: Monteiro, R. H. e Rocha, C. (Orgs.). Anais do V Seminário Nacional de Pesquisa em Arte e Cultura Visual. Goiânia-GO: UFG, FAV, 2012.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. 1. ed. São Paulo: EXO experimental; Ed. 34, 2005.

SILVA, Marcos Luiz da. A ideia do espaço público em Hannah Arendt. Cadernos de Zygmunt Bauman, vol. 7, num. 13, ISSN 2236-4099, 2017

VILLELA, P. M. O limiar da experiência estética: contribuições para pensar um percurso de subjetivação Pro-Posições, Campinas, v. 23, n. 1 (67), p. 183-195, jan./abr. 2012.

Published

2024-02-28

How to Cite

Coelho, A. D., & Luche, D. N. (2024). As relações cotidianas entre vida e arte: atitudes criadoras e a noção de vidarte. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 22(2), e3511. https://doi.org/10.55905/oelv22n2-237

Issue

Section

Articles