Transformação digital no autoatendimento bancário: análise da evolução do uso do aplicativo caixa no município de Pinheiros, Estado do Espírito Santo

Authors

  • Maria Aparecida de Brito Pinto
  • José Geraldo Ferreira da Silva

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv22n2-165

Keywords:

transformação digital, banco móvel, experiência do cliente

Abstract

Os desdobramentos da Revolução Industrial iniciada na Inglaterra no Século XVIII caracterizaram marcantes transformações nos meios de produção em âmbito mundial, reflexo disso é a Transformação Digital que dá um sentido de volatilidade em diferentes aspectos. Este estudo consiste numa reflexão dos marcos dessa revolução na economia de forma ampla, foi se delineando até chegar ao Setor bancário, em seguida pode-se navegar pelo contexto histórico da Caixa Econômica Federal. Ao longo do trabalho consta dados estatísticos retirados principalmente dos sites oficiais da própria instituição financeira, do Banco Central do Brasil e da Federação Brasileira dos Bancos, com objetivo de tornar mensurável o nível de transformação digital desenvolvido pela Estatal.  É possível ainda encontrar abordagem sobre principais tipos de transações e serviços disponíveis no aplicativo. Finalmente a pesquisa caminha ao encontro de resposta ao objetivo geral que é entender a jornada do cliente correntista da Agência Cidade de Pinheiros, no trato a usabilidade do mobile banking, aplicativo CAIXA. Trata-se de uma pesquisa com a aderência a ser classificada como exploratória e descritiva, cuja estratégia de coleta de dados foi aplicação de um questionário, a partir da utilização da ferramenta Google FORMS, obteve-se uma amostra de 326 respostas, todos clientes correntistas Pessoa Física (PF) da Caixa Econômica Federal, Agência Cidade de Pinheiros, no entanto considera-se para fins de apuração dos dados 326 respostas. Os resultados premitem concluir que que ainda existes Correntistas PF da Instituição não adeptos ao uso do aplicativo Caixa, mas que representativa maioria (85,89%) utilizam o aplicativo Caixa, motivados por questões de praticidade, conforto e rapidez. Conclui-se, ainda, que as motivações para não utilização do aplicativo estão  relacionadas a medo, segurança e falta de informações sobre os serviços oferecidos nesse canal. Com base nas notas de aprovação dadas ao aplicativo Caixa, conclui-se pela boa aceitação aos meios digitais e à evolução em termos de Transformação Digital, na agência. Os achados servem de apoio aos bancos brasileiros, pois retrata o processo de migração dos clientes que buscavam atendimento presencial para o mobile banking, potencializa os pontos positivos, e através do produto final desmistifica a jornada visando elevar o grau de satisfação e melhorar a experiência do cliente, impulsionando eficiência do serviço e possibilidades de alcançar a clientela ainda avessa as tecnologias. Recomenda-se à Caixa Econômica Federal, Agência Cidade de Pinheiros, promover ações para desentravar e prospectar a adesão dos clientes ainda não usuários do aplicativo, por meio de ações regulares de incentivo considerando os perfis demográficos e expertise dos usuários frente a utilização de aplicativos móveis.

References

BARBOSA, DC. (2021). Aceitação do mobile banking pelos usuários num contexto de pandemia. 2021. 49. p. Trabalho de conclusão do Curso de Especialização em Gestão Estratégica de Negócios. Departamento Ciências Econômicas. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2021.

BRANDAO LM, SILVA I, SILVA ACIOLY TM, VIANA DC. (2021). Informática no aperfeiçoamento comunitário: avaliação técnica e científica. Cadernos da Pedagogia, v. 15, n. 33, p. 74-80.

GIL, AC. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas S.A.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2022. Disponível em https://censo2022.ibge.gov.br/sobre/conhecendo-o-brasil.html. Acesso: 15 de junho de 2023.

LIMA EC, OLIVEIRA NETO CR (2017). Revolução Industrial: considerações sobre o pioneirismo industrial inglês. Revista Espaço Acadêmico, v. 1, n. 194, p. 103-113.

MARCHESE LF (2022). Aceitação e uso do mobile banking entre clientes de uma agência bancária do município de Palmitos – SC. Trabalho de conclusão de curso Administração. Universidade Federal da Fronteira Sul. Chapecó, 2022, 43. p.

MATTANA F (2017). Banco do Brasil: Satisfação dos clientes Pessoa Física com o modelo de relacionamento digital. Dissertação Mestrado Profissional em Gestão e Negócios, Programa de Pós-Graduação em Gestão e Negócios, Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS, Porto Alegre, 140 p.

NASCIMENTO, EKR. (2022). Percepção dos usuários do mobile banking: confiabilidade, segurança, facilidade e intenções de uso. Trabalho de Conclusão de Curso Bacharel em Administração. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba, João Pessoa, 58 p.

PEREIRA A (2007). A utilização dos serviços de auto-atendimento no Banco do Brasil. Trabalho de conclusão de curso - Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Londrina, 60 p.

SCHEUR L (2001). A qualidade do atendimento eletrônico em uma agência bancária segundo a percepção de seus clientes. 2001. 88 p. Dissertação Mestrado em Engenharia da Produção - Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis.

SILVA NM, SILVA IR, ACIOLY TMDS, VIANA DC. (2023). Modelo de negócios baseado na Internet das Coisas: uma análise das oportunidades de novos negócios–revisão de literatura. Interações (Campo Grande), v. 24, p. 717-726.

TEIXEIRA FILHO JC (2015). Proposta de Análise do Banco Virtual no Contexto dos Canais Bancários e da Aceitação dos Clientes. Dissertação Mestrado Administração de Empresas. Fundação Getúlio Vargas. 93 p. São Paulo.

Published

2024-02-20

How to Cite

Pinto, M. A. de B., & da Silva, J. G. F. (2024). Transformação digital no autoatendimento bancário: análise da evolução do uso do aplicativo caixa no município de Pinheiros, Estado do Espírito Santo. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 22(2), e3342. https://doi.org/10.55905/oelv22n2-165

Issue

Section

Articles