Análise multivariada e geoestatística: formação e espacialização de grupos de espécies florestais sob um plantio de Araucaria angustifólia

Authors

  • Carla Fernanda Mussio
  • Emílio Carlos Zilli Ruiz
  • Tarik Cuchi
  • Milayne Lopes Rickli
  • Tiago Grespan
  • Karina Henkel Proceke de Deus
  • Alexandre Techy de Almeida Garrett
  • Andrea Nogueira Dias

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv22n2-154

Keywords:

floresta ombrófila mista, análise de agrupamento, análise discriminante, krigagem, IDW

Abstract

Este trabalho objetivou verificar se os resultados da Análise Multivariada, na formação de padrões de distribuição de espécies em parcelas utilizando os seus índices de valor de cobertura em uma floresta sob um plantio de araucária, podem ser complementados e espacializados por meio de ferramentas de Geoestatística. A área de estudo encontra-se na Floresta Nacional (FLONA) de Irati. Os dados utilizados são provenientes de 40 subparcelas de 625 m² distribuídas ao longo de 10 parcelas permanentes de um hectare cada, remedidas em 2014, instaladas em um plantio de Araucaria angustifolia de aproximadamente 75 anos. Inicialmente foi realizado uma análise fitossociológica para a obtenção do índice de valor de cobertura (IVC), parâmetro utilizado para a Análise de Agrupamento (Cluster) e Análise Discriminante. Com a formação dos grupos e conhecimento das principais espécies discriminantes de cada um deles, utilizou-se de ferramentas de geoestatística (krigagem ordinária e IDW) para espacializar as regiões de ocorrência de cada grupo, utilizando o IVC das espécies discriminantes. A análise de agrupamento formou três grupos, sendo o primeiro formado por nove subparcelas, o segundo por 19 e o terceiro por 12 subparcelas. As principais espécies discriminantes de cada grupo foram Syagrus romanzoffiana, Casearia sylvestris e Psychotria vellosiana, respectivamente. Pela análise discriminante, foi detectado erro de agrupamento para a subparcela 19, devendo ser agrupada no Grupo 2. Em relação a geoestatística, apesar das validações cruzadas apresentarem resultados pouco satisfatórios, os mapas finais gerados pelo IVC das espécies discriminantes de cada grupo demonstraram resultados similares aos encontrados pela Análise Multivariada, captando situações específicas como o ocorrido na subparcela 19. Desta forma, pode-se concluir que a utilização conjunta de ferramentas de Análise Multivariada e Geoestatística podem colaborar para o conhecimento e espacialização de grupos distintos de espécies arbóreas em florestas regeneradas.

References

ARAUJO, M. M. et al. Análise de agrupamento em remanescente de Floresta Ombrófila Mista. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 20, n. 1, p. 1-18, jan./mar. 2010. DOI 10.5902/198050981755. Disponível em: https://doi.org/10.5902/198050981755. Acesso em: 2 dez. 2017.

AUSTREGÉSILO, S. L. et al. Comparação de métodos de prognose da estrutura diamétrica de uma floresta estacional semidecidual secundária. Revista Árvore, Viçosa, v. 28, n. 2, p. 227-232, mar./abr. 2004. DOI 10.1590/S0100-67622004000200009. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0100-67622004000200009. Acesso em: 2 dez. 2017.

BERNACCI, L. C. Aspectos da demografia da palmeira nativa Syagrus romanzoffiana (Cham.) Glasman, Jerivá, como subsídio ao seu manejo. 2001. 134 p. Tese (Doutorado em Biologia Vegetal) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2018.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Biodiversidade brasileira: avaliação e identificação de áreas e ações prioritárias para conservação, utilização sustentável e repartição dos benefícios da biodiversidade nos biomas brasileiros. Brasília: MMA, 2002. 404 p. Disponível em: http:/livroaberto.ibict.br/handle/1/969. Acesso em: 22 nov. 2017.

FERREIRA, D. F. Estatística multivariada. 1. ed. Lavras: UFLA, 2008. 662 p.

HAIR, J. F. et al. Análise Multivariada de Dados. Tradução: A. S. Sant’Anna. 6 ed. Porto Alegre: Bookman, 2009. 688 p.

LONGUI, S. J. Agrupamento e análise fitossociológica de comunidades florestais na sub-bacia hidrográfica do Rio Passo Fundo - RS. 1997. 215 p. Tese (Doutorado Ciências Florestais) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1997.

MACHADO, S. A. et al. Distribuição espacial de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista Montana. Rev. Ciência Rural, Santa Maria, v. 42, n. 6, p. 1013-1019, jun. 2012. DOI 10.1590/S0103-84782012005000029. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0103-84782012005000029. Acesso em: 30 nov. 2017.

MAZZA, C. A. S. Caracterização ambiental da paisagem da microrregião colonial de Irati e zoneamento ambiental da Floresta Nacional de Irati, PR. 2006. 147 p. Tese (Doutorado em Ecologia) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2006.

MAZZA, C. A. S. et al. Caracterização ambiental dos componentes estruturais da paisagem do Município de Irati, Paraná. Colombo: Embrapa Florestas, 2005. 45 p. (Boletim de pesquisa e desenvolvimento / Embrapa Florestas, 25).

MILLER, R. I. Mapping the Diversity of Nature. London, UK: Chapman & Hill, 1994. 218 p.

NARVAES, I. S.; BRENA, D. A.; LONGHI, S. J. Estrutura da regeneração natural em floresta ombrófila mistas na Floresta Nacional de São Francisco de Paula, RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 15, n. 4, p. 331-342. 2005. DOI 10.5902/198050981871. Disponível em: https://doi.org/10.5902/198050981871. Acesso em: 30 nov. 2017.

ODA-SOUZA, M. Modelagem geoestatística em quatro formações florestais do Estado de São Paulo. 2009. 99 p. Tese (Doutorado em Recursos Florestais) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2009.

PAISE, G.; VIEIRA, E. M. Produção de frutos e distribuição espacial de angiospermas com frutos zoocóricos em uma floresta ombrófila mista no Rio Grande do Sul, Brasil. Rev. Bras. Bot., São Paulo, v. 28, n. 3, p. 615-625, jul./set. 2005. DOI 10.1590/S0100-84042005000300017. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0100-84042005000300017. Acesso em: 29 nov. 2017.

RODE, R. Avaliação florística e estrutural de uma Floresta Ombrófila Mista e de uma vegetação arbórea estabelecida sob um povoamento de Araucaria angustifolia de 60 anos. 2008. 159 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2008.

RODERJAN, C. V. et al. As unidades fitogeográficas do estado do Paraná, Brasil. Ciência & Ambiente, Santa Maria, v. 24, n.1, p. 75-92, jan./jun. 2002.

USHIZIMA, T. M.; BERNARDI, J. V. E.; LANDIM, P. M. B. Estudo da distribuição espacial do Angico (Anadenanthera peregrina) na Floresta Estadual “Edmundo Navarro de Andrade” – Rio Claro, SP, Brasil, empregando metodologia geoestatística. Holos Environment, v.3, n.1, p. 59-73, 2003. DOI 10.14295/holos.v3i1.1192. Disponível em: https://doi.org/10.14295/holos.v3i1.1192. Acesso em: 29 nov. 2017.

VIOLA, D. N. Detecção e modelagem de padrão espacial em dados binários e de contagem. 2007. 118 p. Tese (Doutorado em Estatística e Experimentação Agronômica) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2007.

Published

2024-02-20

How to Cite

Mussio, C. F., Ruiz, E. C. Z., Cuchi, T., Rickli, M. L., Grespan, T., de Deus, K. H. P., Garrett, A. T. de A., & Dias, A. N. (2024). Análise multivariada e geoestatística: formação e espacialização de grupos de espécies florestais sob um plantio de Araucaria angustifólia. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 22(2), e3331. https://doi.org/10.55905/oelv22n2-154

Issue

Section

Articles

Most read articles by the same author(s)