Condições de vida e saúde de usuários da Atenção Básica e o desenvolvimento de ações educativas em um município do Maranhão

Authors

  • Taisa Gomes Silva
  • Alessandra Feitosa Neves
  • Geovane Nascimento Aguiar
  • Maria de Jesus Cabral Neves
  • Neiliane Silva Amaral
  • Lilian Fernanda Pereira Cavalcante
  • Samíria de Jesus Lopes Santos-Sodré
  • Luana Lopes Padilha

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv22n2-150

Keywords:

condições sociais, educação em saúde, doenças não transmissíveis, atenção primária à saúde, unidade básica de saúde

Abstract

As condições socioeconômicas e ambientais impactam a saúde da população; neste cenário a Atenção Básica é fundamental no sistema de saúde para enfrentamento das desigualdades sociais e para o desenvolvimento de ações educativas para melhorar as condições de vida e promoção da saúde. Assim, o objetivo deste estudo foi investigar o perfil social, de saúde e as ações educativas no contexto das doenças crônicas não transmissíveis desenvolvidas para adultos e idosos de Unidades Básicas de Saúde de um município do Maranhão, Brasil. Para tanto, foi desenvolvido um estudo transversal, com 124 usuários, de março a julho de 2022. Foram analisadas características demográficas, socioeconômicas, estilo de vida, saúde e atividades educativas desenvolvidas em Unidades Básicas de Saúde (UBS). As associações entre as variáveis foram realizadas pelo teste qui-quadrado (p<0,05). A maioria dos participantes era do sexo feminino (75,00%). A prevalência de hipertensão arterial foi 29,84% e diabetes mellitus (22,58%), sem diferença entre sexos (p>0,05). O excesso de peso atingiu 68,00% dos adultos e 50,00% dos idosos, sendo maior nas mulheres adultas (p=0,013). As mulheres eram menos tabagistas (p=0,002), consumiam menos bebida alcoólica (p=0,002) e praticavam menos atividade física (p=0,004) que os homens. As atividades educativas desenvolvidas pela equipe de trabalho nas UBS foram promoção da alimentação adequada e saudável, planejamento familiar, saúde sexual, saúde mental e doenças transmissíveis; com escassez daquelas direcionadas para as doenças crônicas. Estas atividades seguiam uma lógica mensal e não tinham avaliação posterior. Assim, os participantes apresentaram prevalências consideráveis de doenças crônicas. Ações em saúde são executadas, porém sem avaliação posterior. Há necessidade em intensificar estratégias educativas eficazes no âmbito da Atenção Básica do município, especialmente daquelas relacionadas às doenças crônicas e seus fatores de risco modificáveis.

References

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE PESQUISA. São Paulo: ABEP, 2022. Critério de Classificação Econômica Brasil. Disponível em: Critério Brasil - ABEP. Acessado em: 2022 jun 16.

BARTHOLO L. et al. Bolsa Família, autonomia feminina e equidade de gênero: o que indicam as pesquisas nacionais? Cadernos Pagu. 2019, v. 55. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/TDs/td_2331.pdf

MINISTÉRIO DA SAÚDE - BRASIL. plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Brasília-DF. Ministério da Saúde, 2011. isbn 978-85-334-1831.Disponível em: plano_acoes_enfrent_dcnt_2011.pdf (saude.gov.br). Acessado em: 2022 mar 03.

MINISTÉRIO DA SAÚDE - BRASIL. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças Não Transmissíveis. Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas e Agravos não Transmissíveis no Brasil 2021-2030[recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças Não Transmissíveis. – Brasília: Ministério da Saúde, 2021a. Disponível em:09-plano-de-dant-2022_2030.pdf (www.gov.br). Acessado em: 2022 mar 03.

MINISTÉRIO DA SAÚDE - BRASIL. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. Disponível em: Portal da Secretaria de Atenção Primária a Saúde (saude.gov.br). Acessado em: 2022 mar 03.

BRASIL. Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional – SISVAN: Uma visão ampliada. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2006. 4. BRASIL. Disponível em: http://189.28.128.100/nutricao/docs/geral/orientacoes_basicas_sisvan.pdf. Acessado em: 2023 jun 15.

BRASIL. Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Estimativas sobre Frequência e Distribuição Sociodemográfica de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2021. Acessado em: 2022 mar 03.

CARNEIRO, V. S. M.; ADJUTO, R. N. P.; ALVES, K. A. P. Saúde do homem: identificação e análise dos fatores relacionados à procura, ou não, dos serviços de atenção primária. Arquivos de Ciências da Saúde da UNIPAR, v. 23, n. 1, 2019.

CONCEIÇÃO, D. S. et al. A educação em saúde como instrumento de mudança social. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 8, p. 59412-59416, 2020.

DA SILVA, Adriana et al. Estratégia de educação em saúde para a adesão de hipertensos á consulta de Enfermagem na atenção básica. Revista Interfaces: Saúde, Humanas e Tecnologia, v. 7, n. 1, p. 203-209, 2019.

FITTIPALDI, Ana Lúcia de Magalhães; O’DWYER, Gisele; HENRIQUES, Patrícia. Educação em saúde na atenção primária: as abordagens e estratégias contempladas nas políticas públicas de saúde. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, v. 25, p. e200806, 2021.

IBGE. População no último censo [2022]. Disponível: IBGE. Cidades@ | Maranhão | Barreirinhas | Panorama.

LEME, Patricia Asfora Falabella; CAMPOS, Gastão Wagner de Sousa. Avaliação participativa de um programa de prevenção e tratamento de Doenças Crônicas Não Transmissíveis. Saúde em Debate, v. 44, p. 640-655, 2020.

LISOWSKI, Josiele Flores et al. Prevalência de sobrepeso e obesidade e fatores associados em mulheres de São Leopoldo, Rio Grande do Sul: um estudo de base populacional. Cadernos Saúde Coletiva, v. 27, p. 380-389, 2019.

NILSON, Eduardo Augusto Fernandes et al. Custos atribuíveis a obesidade, hipertensão e diabetes no Sistema Único de Saúde, Brasil, 2018. Revista Panamericana de Salud Pública, v. 44, p. e32, 2020.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE - OMS. doenças não comunicáveis - noncommunicable diseases. 2021. Disponível em: https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/noncommunicable-diseases. Acessado em: 2022 fev 25.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE - OMS. Noncommunicable diseases country profiles 2018. genebra: world health organization; 2018. Disponível em: https://www.who.int/nmh/publications/ncd-profiles-2018/en/. Acessado em: 2022 fev 25.

PAES, Nelson Leitão. Fatores econômicos e diferenças de gênero na prevalência do tabagismo em adultos. Ciência & Saúde Coletiva, v. 21, p. 53-61, 2016.

PENA, Mileide Morais et al. O emprego do modelo de qualidade de Parasuraman, Zeithaml e Berry em serviços de saúde. Revista da escola de enfermagem da USP, v. 47, p. 1227-1232, 2013.

RIGHI, Angela Weber; SCHMIDT, Alberto Souza; VENTURINI, Jonas Cardona. Qualidade em serviços públicos de saúde: uma avaliação da estratégia saúde da família. Revista Produção Online, v. 10, n. 3, p. 649-669, 2010.

SALLES-COSTA, Rosana et al. Gênero e prática de atividade física de lazer. Cadernos de Saúde pública, v. 19, n. suppl 2, p. S325-S333, 2003.

SEABRA, Cícera Amanda Mota et al. Health education as a strategy for the promotion of the health of the elderly: an integrative review. Revista brasileira de geriatria e gerontologia, v. 22, 2019.

SILVA, Alanna Gomes da et al. Monitoramento e projeções das metas de fatores de risco e proteção para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis nas capitais brasileiras. Ciência & Saúde Coletiva, v. 26, p. 1193-1206, 2021.

SILVA, Luiz Anildo Anacleto da et al. Avaliação da educação permanente no processo de trabalho em saúde. Trabalho, Educação e Saúde, v. 14, p. 765-781, 2016.

The Nutrition Screening Initiative. Nutrition reviews, v.52, n8, p.S44,1994.1994.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Global status report 2014. Health statistics and information systems. Geneva: WHO; 2014.Disponível em: 9789240692671_eng.pdf (who.int). Acessado em: 2022 mar 05.

Published

2024-02-19

How to Cite

Silva, T. G., Neves, A. F., Aguiar, G. N., Neves, M. de J. C., Amaral, N. S., Cavalcante, L. F. P., Santos-Sodré, S. de J. L., & Padilha, L. L. (2024). Condições de vida e saúde de usuários da Atenção Básica e o desenvolvimento de ações educativas em um município do Maranhão. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 22(2), e3318. https://doi.org/10.55905/oelv22n2-150

Issue

Section

Articles

Most read articles by the same author(s)