Or sexism from Veblen's institutionalist theory

Authors

  • Sirlene Silveira de Amorim Pereira

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv22n2-119

Keywords:

institutionalist theory, Veblen, sexism

Abstract

Sexism is a deeply rooted social issue that manifests itself in many forms, including unequal treatment, limited opportunities, and biased expectations placed on individuals based on their gender. Understanding the intricate relationship between sexism and economic development is crucial for designing effective policies and interventions to combat gender inequalities. The main objective is, then, to examine the cultural dimension of sexism, aiming to provide an understanding of the mechanisms through which sexism operates within institutions. A case study was then carried out, with a qualitative approach and observation technique to perceive cultural evidence of sexism in the participants' attitudes. At the end of the study, it was possible to understand that the main objective can only be achieved with systematic, longer-term research that can use different research instruments for in-depth analysis.

References

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CAVALCANTI, C. M. A ECONOMIA INSTITUCIONAL E AS TRÊS

DIMENSÕES DAS INSTITUIÇÕES. Revista de Economia Contemporânea (2014) 18(3): p. 373-392

CONCEIÇÃO, O. A. C. Instituições, crescimento e mudança na ótica institucionalista.

Secretaria da Coordenação e Planejamento (Fundação de Economia e Estatística), Porto

Alegre, março de 2002.

CONCEIÇÃO, O. A. C. A dimensão institucional do processo de crescimento

econômico: inovações e mudanças institucionais, rotina e tecnologia social. Revista

Economia e Sociedade. Campinas, v. 17, n. 1, pg. 85 – 105, abr. 2008.

CONCEIÇÃO, O. A. C. A relação entre instituições e crescimento econômico: uma

análise heterodoxa e evolucionária. In: DATHEN, R. (orgs.) Desenvolvimentismo – o

conceito, as bases teóricas e as políticas. Porto Alegre: UFRGS, p. 157-192.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. Tradução de Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo, 2016.

FERREIRA, Maria Cristina. Sexismo hostil e benevolente: inter-relações e diferenças de gênero. Temas psicol., Ribeirão Preto , v. 12, n. 2, p. 119-126, 2004 . Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X2004000200004&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 06 nov. 2023.

IFSC. Site institucional. 2023. Disponível em: <https://www.ifsc.edu.br/>, acesso em 30 de outubro de 2023.

LOPES. H. C. Instituições e crescimento econômico: os modelos teóricos de Thorstein Veblen e Douglass NorthRevista de Economia Política, vol. 33, no 4 (133), pp. 619-637, outubro-dezembro/2013.

VLEBEN, Thorstein. A teoria da classe ociosa: um estudo econômico das instituições. São Paulo, Nova Cultural, 1987.

ODS BRASIL. Indicadores Brasileiros para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Brasília, 2022. Disponível em: https://odsbrasil.gov.br. Acesso em: 22 maio 2022.

Published

2024-02-16

How to Cite

Pereira, S. S. de A. (2024). Or sexism from Veblen’s institutionalist theory. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 22(2), e3267. https://doi.org/10.55905/oelv22n2-119

Issue

Section

Articles