Conflicts and resistance in the territory of Mata Sul Pernambucana in the Capitalocene Era

Authors

  • Fábio Andrey Pimentel São Mateus
  • Ana Maria Dubeux Gervais
  • Jorge Luiz Schirmer de Mattos

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv22n2-082

Keywords:

agribusiness, territoriality, peasant

Abstract

The present work is an effort to understand the impact of agribusiness and the SUAPE complex in Mata Sul in Pernambuco during the Anthropocene, and the resistance of local peasants. To achieve the proposed objective, we carried out a case study, preceded by a bibliographical review and the systematization of testimonies from representatives of different categories that make up the territory's peasantry, collected during the immersion period of the classes of the Postgraduate Program in Agroecology and Territorial Development (PPGADT), from the Federal Rural University of Pernambuco (UFRPE). During the activities, the testimonies allowed, on the one hand, to perceive the negative impacts related to the social, economic and environmental issues of sugar exploitation, established during the colonial period in the region. On the other hand, this scenario is quite revealing of how the peasant organization and struggle for their survival, reproduction and better living conditions have been occurring, with implications for different forms of resistance experienced in response to and in the face of territorial development models.

References

BARCELOS, E. Antropoceno ou capitaloceno: da simples disputa semântica à interpretação histórica da crise ecológica global. Revista Iberoamericana de Economía Ecológica, v. 31, n. 1, p. 1-17, 2019.

COSTA, H. S. Complexo de Suape: 36 anos de uma triste história. Recife. 2014. Disponível em: . Acesso em: 30 nov. 2021.

FERNANDES, B. M. A questão fundiária do mundo agrário e urbano atual. Revista Katálysis, v.19, n. 2, p.171-172. 2016.

FIGUEIREDO FILHO, D. B. Desigualdade de renda e vulnerabilidade social em Pernambuco: uma análise exploratória. Ciência & Trópico, v.43, n.1, p.45-57, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.33148/CeTropico-v.43n.1(2019)_1829. Acesso em: 29 de nov. de 2021.

GOODE, W. J.; HATT, P. K. Métodos em pesquisa social. 3. ed. São Paulo: Editora Nacional, 1969.

HAESBAERT, R. Da desterritorialização à multiterritorialidade. Boletim Gaúcho de Geografia. v. 29, n. 1, p.11-24, 2003.

IBGE. Panorama por cidades. 2021. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pe/panorama> Acesso em: 12 out. 2021.

SEVILLA GUZMÁN, E. De la sociologia rural a la agroecología. Córdoba: Icaria Editorial, 2006.

SEVILLA GUZMÁN, E.; GONZÁLEZ DE MOLINA, M. Sobre a evolução do conceito de campesinato. 3. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2005.

SILVA JÚNIOR, J. F.; CASTRO, M. F. Território Mata Sul Pernambucana. Árvore do conhecimento. EMBRAPA, 2010. DISPONÍVEL EM: <https://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/territorio_mata_sul_pernambucana/arvore/CONT000fbz2qttm02wx5eo0sawqe33div15q.html>. Acesso em: 29 de nov. de 2021.

MDA. Mata Sul-PE. Perfil Territorial. 2015. Disponível em:<http://sit.mda.gov.br/download/caderno/caderno_territorial_054_Mata%20Sul%20-%20PE.pdf>. Acesso em: 11 set. 2021.

MILANEZ; F.; PINTO; M. dos S. Descolonizar a narrativa do antropoceno: nego fugido e a liberdade sociológica. Antropoceno: os desafios de uma nova era. Rio de Janeiro: Boletim Ecoeco, 2019.

MOTTA, V; TAVARES, R. Flores de Ximenes: bem viver, agroecologia e feminismo na Mata Sul pernambucana. Cadernos de Agroecologia, v. 15, n. 3, 2018.

MPA. Quem somos. 2021. Disponível em: <https://mpabrasil.org.br/quem-somos/> Acesso em: 26 out. 2021.

.

MST. Programa agrário do MST. São Paulo: MST, 2014. (Cartilha).

PPGADT. Resolução n. 003/2021. Estabelece o Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Agroecologia e Desenvolvimento Territorial (PPGADT) da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), doutorado profissional em associação ampla de instituições de ensino superior (UNIVASF/UFRPE/UNEB). 26 fev. 2021.

RAMOS, J. de J. Vulnerabilidade ambiental às mudanças do clima na Zona da Mata de Pernambuco utilizando imagens de satélite. Recife: 2019.

SANTOS, E. L. História e lutas no Território do Araripe: Agroecologia e ações de resistências em tempos de pandemia. Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura, v. 15, n. 28, p. 221 - 231, 2021.

SANTOS, G. D. dos. et al. Análise dos impactos ambientais em ambientes hídricos: o caso do rio Sirinhaém na Zona da Mata pernambucana. Meio ambiente (Brasil), v. 2, n.1, 2020.

SIGAUD, Lygia et al. A forma acampamento: notas a partir da versão pernambucana. Novos estudos CEBRAP, v. 58, p. 73-92, 2000.

STEDILE, J.P. A questão agrária no Brasil: 1500-1960. São Paulo: Expressão Popular, 2005.

VIANNA, L. F. de N. Antropoceno e o COVID-19: uma era de integração ou de con-trole da natureza? Revista Brasileira de Meio Ambiente, v.8, n.1, 2020.

VILCHES, A., PRAIA, J. y GIL- PÉREZ, D. O Antropoceno: entre o risco e a oportunidade. Educação Temas e Problemas, 5, ano 3, p.41-66. 2008.

WANDERLEY, M. de N. B. O campesinato brasileiro: uma história de resistência. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 52, suppl. 1, p. 25-44, 2014. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S0103-20032014000600002>. Acesso em: 26 out. 2021.

YIN, R.K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. Ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

Published

2024-02-15

How to Cite

Mateus, F. A. P. S., Gervais, A. M. D., & de Mattos, J. L. S. (2024). Conflicts and resistance in the territory of Mata Sul Pernambucana in the Capitalocene Era. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 22(2), e3213. https://doi.org/10.55905/oelv22n2-082

Issue

Section

Articles