Geographical indications in brazilian regions: a strategy for protection and local development

Authors

  • Celiane Rodrigues da Silva
  • Tatília de Castro Ribeiro
  • Priscila Pereira de Sousa
  • Taylane Ribeiro de Sousa
  • Ronaldo Siqueira da Mata
  • Marcelo Paes Landim de Oliveira
  • Helena Roldão Amorim Vieira
  • Liária Nunes-Silva

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv22n2-002

Keywords:

indication of origin, denomination origin, territorial development

Abstract

Geographical Indication (GI) refers to a certification granted for products or services that present unique characteristics or that originate from territories that are renowned as centers of extraction or production, favoring local development and the appreciation of traditions, customs and knowledge. This research aimed to identify in Brazilian territory the regions that invest most in the search for GI as a strategy for protection and local development. Therefore, searches were carried out on the website of the National Institute of Industrial Property (INPI) to identify GIs recognized in Brazil in the modalities of Indication of Origin (IP) and Denomination of Origin (DO). Subsequently, two scripts were prepared for data collection, considering the GI modality (IP or DO), type of certified product or service, year of concession, region (North, Northeast, South, Southeast, and Central-West), and state. The main results found indicate that there are several areas demarcated by GI in Brazil, especially in the IP modality.  In addition, the use of GI as a protection and local development strategy is more significant in the Southeast and South regions, when compared to other regions. Therefore, it is necessary to form collaboration networks between the different social actors to act in the dissemination of knowledge and in the structuring of new GI requests and the demarcation of new areas.

References

AGUIAR, A. G; DOURADO, C. Produção de guaraná de Maués alia tradição a qualidade na Amazônia. Agência Brasil, 2022. Dispovível em: <https://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2022-12/producao-de-guarana-de-maues-alia-tradicao-e-qualidade-na-amazonia> Acesso em: 03 jun. 2023.

BELLETTI, G.; MARESCOTTI, A. Origin products, geographical indications and rural development. In: Labels of Origin for Food: Local Development, Global Recognition; Barham, E., Sylvander, B., Eds.; CABI Publishing: Rugfest Wallingford, UK, p. 75–91, 2011. Disponível em:http://ndl.ethernet.edu.et/bitstream/123456789/48287/1/135.pdf#page=93. Acesso em: 13 jun. 2023.

BRASIL. Lei n. 9.279, de 14 de maio de 1996. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Diário Oficial da União, Brasília, DF, Seção 1, p. 8.353, 15 maio de 1996. Disponível em: <http://bit.ly/1zHQ1jc>. Acesso em: 30 de mai. 2023.

CARBONE, A.;, CASWELL, J.; GALLI, F.; SORRENTINO, A. The Performance of Protected Designations of Origin: An Ex Post Multi-Criteria Assessment of the Italian Cheese and Olive Oil Sectors. Journal of Agricultural & Food Industrial Organization, v. 12, n.. 1, p. 121-140 2014. Disponível em: https://www-degruyter-com.ez117.periodicos.capes.gov.br/document/doi/10.1515/jafio-2013-0017/html. Acesso em: 19 jan. 2024.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE MUNICÍPIOS [CNM]. Açafrão goiano é o primeiro a conseguir selo de Indicação Geográfica. CNM, 2016. Disponível em:< https://www.cnm.org.br/comunicacao/noticias/acafrao-goiano-e-o-primeiro-a-conseguir-selo-de-indicacao-geografica>. Acesso em: 06 de jun. 2023.

DATASEBRAE. Indicações Geográficas Brasileiras: IG Pirenópolis. DataSebrae, 2022. Disponível em: https://datasebrae.com.br/ig-pirenopolis/ . Acesso em: 06 jun. 2023.

DATASEBRAE. Indicações Geográficas Brasileiras: IG Região do Cerrado Mineiro: Denominação de Origem. DataSebrae, 2018. Disponível em:< https://datasebrae.com.br/ig-regiao-do-cerrado-mineiro-denominacao-de-origem/ Acesso em: 06 jun. 2023.

FLORES, S.S; FALCADE. A pesquisa sobre indicações indicações geográficas no Brasil: um estudo bibliométrico. API, v.3, n.2, p.209-305, 2019. Disponivel em: < https://ingi.api.org.br/index.php/INGI/article/download/42/44?__cf_chl_tk=7_hgVeAiSSWqviB2USaJjdjbPILnL3DgDfO4u6yOzYg-1685740848-0-gaNycGzNDCU>. Acesso em: 02 jun. 2023.

FRANCO, C.B.A; BRUCH, K,L; MATEI, A.P. A Comunicação nas Indicações Geográficas do Rio Grande do Sul. Cadernos de Prospeção, v.16, n.4, 2023. Disponível em:https://periodicos.ufba.br/index.php/nit/article/view/50572/29155. Acesso em: 04 jun.2023.

GOMES, I. R.; CIPOLLA, J. H. M.; HAZOFF JR, W. Indicação geográfica da Alcachofra Roxa do município de São Roque, no interior do estado de São Paulo, Brasil: um estudo de caso. Scientia Vitae, v. 11, n. 32, p. 22-38, 2021. Disponível em: https://www.revistaifspsr.com/v11n322238.pdf. Acesso em: 12 jan. 2024.

GONÇALVES, L.A.S; ALMEIDA, B.A.; BASTOS, E.M.S. Panorama das Indicações Geográficas no Brasil. RDE, v. 3, 2018. Disponível em:< https://revistas.unifacs.br/index.php/rde/article/view/5805>. Acesso em: 08 de jun.2023.

INDICAÇÃO GEOGRÁFICA. Queijos artesanais agregam valor com Indicação Geográfica. IG, 2015. Disponível em: < https://indicacaogeografica.com.br/queijos-artesanais-agregam-valor-com-indicacao-geografica/ .Acesso em: 06 jun. 2023.

INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO [IFES]. Edital 03/2022 - Chamada pública de projetos voltados ao desenvolvimento de Indicações Geográficas (IGs). Disponível em: https://www.ifes.edu.br/chamadas-publicas/20773-edital-03-2022-chamada-publica-de-projetos-voltados-ao-desenvolvimento-de-indicacoes-geograficas-igs. Acesso em: 19 de jan. 2024.

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL [INPI] Serviços: Indicação geográfica, 2023. Disponível em :< https://www.gov.br/inpi/pt-br/servicos/indicacoes-geograficas>. Acesso em: 06 jun. 2023.

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL [INPI]. Portaria INPI/PR n. 4, de 12 de Janeiro de 2022. Estabelece as condições para o registro das Indicações Geográficas. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2022. Disponível em: https://www.gov.br/inpi/pt-br/servicos/indicacoes-geograficas/arquivos/legislacao-ig/PORT_INPI_PR_04_2022.pdf>.Acesso em: 15 de jun. 2023.

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL [INPI]. Pedidos de Indicação Geográfica no Brasil. INPI, 2024. Disponível em: https://www.gov.br/inpi/pt-br/servicos/indicacoes-geograficas/pedidos-de-indicacao-geografica-no-brasil. Acesso em 05 jan. 2024.

LEMOS JEZIORNY, D. A multifuncionalidade da agricultura no desenvolvimento do território do Vale dos Vinhedos no Rio Grande do Sul. GeSec: Revista de Gestao e Secretariado, v. 14, n. 4, p. 6506-6532, 2023. Disponível em: https://web.p.ebscohost.com/ehost/pdfviewer/pdfviewer?vid=3&sid=d7d51cce-2a78-40c1-ab87-54225218ca94%40redis. Acesso em: 12 jan. 2024

MENDONÇA, D.; PROCÓPIO, D, P; DOS SANTOS CORRÊA, S. R.; A contribuição das indicações geográficas para o desenvolvimento rural brasileiro. Research, Society and Development, v. 8, n. 7, p. 13, 2019. Disponível em: https://www.redalyc.org/journal/5606/560662198042/html/. Acesso em: 13 jan. 2024.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA [MAPA]. O que é Indicação Geográfica? Como combater o registro? Gov, 2024. Disponível em:< https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/sustentabilidade/indicacao-geografica/o-que-e-indicacao-geografica-ig>. Acesso em: 20 jan. 2024.

NUNES-SILVA, L.; DELMONDES, L. Potential of geographical indication for honey from the Serra da Capivara Development Territory. International Journal of Development Research, v. 11, n. 11, p. 51740-51743, 2021. Disponível em: https://www.journalijdr.com/potential-geographical-indication-honey-serra-da-capivara-development-territory. Acesso em: 19 jan. 2024.

PELLIN, V.; CURADI, F.C. Potencialidades e limites das indicações geográficas (IGs) como estratégia de desenvolvimento territorial sustentável em Santa Catarina. RMGC, v.3, n.2, p. 03-18, jul./Dez, São Paulo, 2018. Disponível em: < https://revistaseletronicas.fmu.br/index.php/RMGC/article/view/1800> . Acesso em: 06 jun.2023.

PELLIN, V. Indicações Geográficas e desenvolvimento regional no Brasil: a atuação dos principais atores e suas metodologias de trabalho. Interações, Campo Grande, MS, v. 20, n. 1, p. 63-78, jan./mar. 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/j/inter/a/gQ7KFM4TjpbQ4RbtjyNCyBS/#. Acesso em: 14 jan. 2024.

SANTOS, E.N. A indicação geográfica no contexto dos queijos artesanais do Serro e Canastra: perspectivas e desafios. Rio de Janeiro, 2019. Disponível em: https://www.microbiologia.ufrj.br/portal/index.php/pt/graduacao/formularios/311--147/file . Acesso em: 06 jun.2023.

SILVA, L. N.; SILVA, J. W. S.; LIMA, F. V. R.; SANTOS, A. B.; DE-BORTOLI, R. O uso da indicação geográfica no território brasileiro. Anais do IV Encontro Nacional da Propriedade Intelectual. Juazeiro/BA-2018. v. 4, n. 1, p.540-548, 2018.

SILVA, A. A.; RODRIGUES, B.; DA SILVA, G.; F.; Breve panorama das indicações geográficas do nordeste brasileiro e reflexões sobre os negócios locais/Brief overview of geographical indications of northeast Brazil and reflections on local business. Informe Gepec, v. 26, n. 1, p. 238-256, 2022. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/gepec/article/view/28146. Acesso em: 14 jan. 2024.

SOUSA, L.M.; SANTOS, M.J.C. Indicação Geográfica e desenvolvimento territorial: um estudo sobre o caso da gema de opala em Pedro II. INGI, v.5, n.1, p.1162-1178, Jan/Fev/Mar, Aracaju, 2021. Disponível em:< https://ingi.api.org.br/index.php/INGI> Acesso em: 04 jun. 2023.

TONIETTO, J.; FALCADE, I.; GUERRA, C. C.; ZANUS, M. C. As Indicações Geográficas de vinhos do Rio Grande do Sul. In: Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Indicações Geográficas do Rio Grande do Sul registradas até março de 2021. Brasília : MAPA/AECS, 2022. Disponível em: https://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/1142177. Acesso em 14 jan. 2024.

TÖRÖK, Á.; JANTYIK, L.; MARÓ, Z. M.; MOIR, H. V. J. Understanding the Real-World Impact of Geographical Indications: A Critical Review of the Empirical Economic Literature. Sustainability, v. 12, n. 22, p. 9434, 2020. Disponível em: https://www.mdpi.com/2071-1050/12/22/9434. Acesso em 13 jan. 2024.

VERGAMINI, D.; BARTOLINI, F.; PROSPERI, P.; BRUNORI, G. Explaining regional dynamics of marketing strategies: The experience of the Tuscan wine producers. Journal of Rural Studies, v. 36, n. 1, p. 137-152, 2019. Disponível em: https://arpi.unipi.it/bitstream/11568/1015746/4/Explaining%20regional%20dynamics%20of%20marketing%20strategies_Post_print.pdf. Acesso em: 14 jan. 2024.

Published

2024-02-05

How to Cite

da Silva, C. R., Ribeiro, T. de C., de Sousa, P. P., de Sousa, T. R., da Mata, R. S., de Oliveira, M. P. L., Vieira, H. R. A., & Nunes-Silva, L. (2024). Geographical indications in brazilian regions: a strategy for protection and local development. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 22(2), e3073. https://doi.org/10.55905/oelv22n2-002

Issue

Section

Articles