Uma reflexão pertinente sobre a teoria crítica do currículo

Authors

  • Luciane Rocha Paes
  • Eulina Maria Leite Nogueira
  • Jonise Nunes Santos
  • Ilma Fialho de Oliveira
  • Cristiane Duarte da Silva Feitosa

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv22n1-224

Keywords:

Antônio Gramsci, currículo, Louis Althusser, Michael Apple

Abstract

Este artigo tem como objetivo central promover uma reflexão sobre os fundamentos direcionadores das teorias tradicionais e críticas do currículo, como o intuito de relacionar a teoria crítica do pesquisador educacional norte americano Michael W.  Apple sobre o currículo como modelador social e o princípio Marxista sobre a teoria de lutas de classes. Perpassando pelos principais teóricos Marxistas que fundamentam o pensamento de Apple (2001; 2002; 2006) que são Althusser (1983) e Gramsci (1981;1982), os pensadores progressistas mencionados nesse artigo articulam ideias próximas sobre a opressão dos capitalistas diante dos trabalhadores usando a ideologia e a política para modelar o currículo escolar oriundos da classe dos trabalhadores, sobre a ideia “fictícia” de uma neutralidade técnica. Isto posto, ao longo deste escrito se propicia o debate teórico acerca da necessidade da apropriação política no sentido de repensar a luta de classes, a predileção do consenso ideológico fetichizado,   numa hegemonia dominante opressora e alienante, para que possa rever a construção do pensamento emancipatório dada a promoção e mudança na reelaboração do currículo tradicional “neutro” para o crítico, visto que, só assim os trabalhadores podem vir a ter condições efetivas na construção de uma aprendizagem critica reflexiva que é principal intenção desta teórica crítica, pensada por Michael Apple.

References

ALTHUSSER, L. Aparelhos Ideológicos de Estado: nota sobre os aparelhos ideológicos de Estado (AIE). Tradução de Walter José Evangelista e Maria Laura Viveiros de Cas-tro. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1983.

ANGELI, José Mário. Gramsci, hegemonia e cultura: relações entre sociedade civil e política. Revista Espaço Acadêmico, v. 11, n. 122, p. 123-132, 2011.

APPLE, Michael W. “ENDIREITAR” A EDUCAÇÃO: As escolas e a nova aliança conservadora. Currículo sem Fronteiras, v.2, n.1, pp.55-78, Jan/Jun 2002. Disponível em www.curriculosemfronteiras.org

APPLE, M. W. Ideologia e Currículo. 3. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

APPLE, M. W. Reestruturação Educativa e Curricular e as agendas neoliberal e neocon-servadora: entrevista com Michael Apple. Currículo sem Fronteiras, v.1, n.1, p. 5‐33, 2001.

BRASIL. Secretaria De Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Introdução Aos Parâmetros Curriculares Nacionais /Secretaria De Educação Fundamen-tal – Brasília: Mec. /Sef,1997.

CORREIA, João Carlos. Ideologia e hegemonia. Comunicação e Política: conceitos e abordagens. Salvador: Edufba, p. 223-258, 2004.

FORTUNATO, Sarita Aparecida de Oliveira. Escola, educação e trabalho na concepção de Antônio Gramsci. In: IX Congresso Nacional de Educação–EDUCERE e III Encon-tro Sul Brasileiro de Psicologia. PUCPR. 2009.

FREIRE, Paulo. Pedagogia Da Autonomia. 25a Edição. São Paulo: Paz e Terra. 1996.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 17ªEdição. Rio de Janeiro. Paz e terra, 1987.

FREIRE, Paulo. Política e Educação: ensaios. 5 ed. São Paulo: Cortez, 2001. (Coleção Questões de Nossa Época; v.23).

FREIRE, Paulo. Política e educação: ensaios. 5ª Edição. São Paulo, Cortez, 2001.

GALIAN, Cláudia Valentina Assumpção; LOUZANO, Paula Baptista Jorge. Michael Young e o campo do currículo: da ênfase no “conhecimento dos poderosos” à defesa do “conhecimento poderoso”. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 40, n. 4, p. 1109-1124, out./dez. 2014.

GOODSON, Ivor F. Currículo: Teoria e História. 10ª Edição. Petrópolis- Rio de Janeiro, Vozes, 2008. GRAMSCI, Antonio. Caderno 12 – Documento Especial In Historia & Perspectivas nº. 5.Uberlândia – U.F. Uberlândia, 1991.

GRAMSCI, Antônio. Concepção Dialética da História. 4ª ed. Trad. Carlos Nelson Cou-tinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1981.

GRAMSCI, Antônio. Os Intelectuais e a Organização da Cultura. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. 4ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982.

SACRISTÁN, J. Gimeno. O currículo: uma reflexão sobre a prática. trad. Ernani F. da F. Rosa, v.3, 2000. SANTOMÉ, Jurjo Torres. A educação em tempos de neoliberalismo. Tradução de Claudia Schilling. Porto Alegre: Artmed, 2003.

SANTOMÉ, Jurjo Torres. Currículo escolar e justiça social: o cavalo de Troia da educa-ção. Penso Editora, 2013.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade: Uma introdução as teorias do Currículo. 2ª Edição. Belo horizonte, Autêntica, 2005.

YOUNG, Michael, F. D. Recolher o conhecimento: do construtivismo social ao realismo social na sociologia da educação. Londres: Routledge, 2007.

YOUNG, Michael F. D. Conhecimento e currículo: do sócio- construtivismo ao realismo social na sociologia da educação. Porto: Porto editora, 2010.

YOUNG, Michael F. D. O currículo do futuro: da “nova sociologia da educação” a uma teoria crítica do aprendizado. Campinas: Papirus, 2000.

Published

2024-01-31

How to Cite

Paes, L. R., Nogueira, E. M. L., Santos, J. N., de Oliveira, I. F., & Feitosa, C. D. da S. (2024). Uma reflexão pertinente sobre a teoria crítica do currículo. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 22(1), 4256–4270. https://doi.org/10.55905/oelv22n1-224

Issue

Section

Articles