A escola e a mediação de conflitos: conceitos, origens, propostas e desafios

Authors

  • Natália Leal Vio
  • Marianne Ramos Feijó
  • Mário Lázaro Camargo

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv22n1-220

Keywords:

mediação de conflitos, conflitos na escola, educação

Abstract

Os conflitos interpessoais e intergrupais são inerentes à sociedade e no ambiente  escolar contemporâneo, quando há dificuldade em resolvê-los pacificamente,  prejudicam o ensino e podem culminar em violência. A mediação de conflitos é  estratégia para prevenir e intervir em conflitos interpessoais diversos, em diferentes  comunidades e instituições, tais como na escola. Contudo, há escassez de  produções e a prática ainda enfrenta fragmentação e descontinuidade. Neste  contexto, o objetivo desta pesquisa foi revisar a literatura sobre a mediação de  conflitos para a Educação, como alternativa para intervir e prevenir situações de  violência nas escolas. Realizou-se busca na base eletrônica de dados “SciElo”, com a combinação de  descritores: mediação de conflitos, educação. Obtiveram-se dezesseis resultados, dos quais sete atenderam ao critério de inclusão e tiveram dados referentes aos autores, ano, objetivos e considerações finais descritos resumidamente em quadro. Realizou-se análise de conteúdo com base em categorias. Obtiveram-se as categorias: 1- conceitos sobre os conflitos - divergências entre os sujeitos, possibilidades e impasses; 2- origens dos conflitos: associadas à natureza humana, por divergências e problemas de comunicação e configuração da sociedade; 3- propostas de resoluções de conflitos: baseadas nos diálogos, estratégias de participação e educação; 4- propostas de mediação de conflitos - associadas as políticas públicas e em projetos já desenvolvidos, com utilização de conhecimentos específicos para desenvolver capacidades e aprendizados sobre diálogos restaurativos, disputas, cooperação, respeito, cidadania e outros; 5- considerações sobre a mediação de conflitos - os desafios frente aos modelos disciplinares, a dificuldade da prática e as políticas públicas. No ambiente escolar a mediação de conflitos pode promover cultura de paz, potencializar aprendizados e capacidades, bem como propiciar desenvolvimento solidário, cooperativo e menos desigual. Contudo, há desafios quanto a romper com a prática excludente e disciplinarização, bem como às disposições legais da atuação do professor na mediação de conflitos. 

References

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO. Resolução SE nº. 19, de 12 de feve-reiro de 2010. Institui o Sistema de Proteção Escolar na rede estadual de ensino de São Paulo e dá providências correlatas. São Paulo: CENP/DRHU, 2010.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

COSTA, M. M. S. Mediação no âmbito escolar como ferramenta para formação de crianças e adolescentes gestores dos próprios conflitos. Centro Universitário UNIFA-CIG: Manhuaçu, 2019. Trabalho de conclusão de curso. 43 p.

CRISPINO, A.; DUSI, M. L. H. M. Uma proposta de modelagem de política pública para a redução da violência escolar e promoção da Cultura da Paz. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 16, n. 61, p. 597- 624, out./dez. 2008.

CRISPINO, Á. Gestão do conflito escolar: da classificação dos conflitos aos modelos de mediação. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 15, n. 54, p. 11-28, jan./mar. 2007.

FEIJÓ, M. R. et al. A Construção de um Projeto de mediação de Conflitos e de Cultura de Paz: etapas e desafios. Nova Perspectiva Sistêmica, Rio de Janeiro, n. 40, p. 83-98, ago. 2011.

GALDINO, R. C. A. Mediação de conflitos na escola: pontos e contrapontos. Revista Educação, v. 15, n. 1, p. 158-163, 2020.

GOMES, R. A.; MARTINS, A. M. Conflitos e indisciplina no contexto escolar: a nor-matização do Sistema de Proteção Escolar em São Paulo. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 24, n. 90, p. 161-178, jan./mar. 2016.

MARTINS, A. M.; MACHADO, C.; FURLANETTO, E. C. Mediação de conflitos em escolas: entre normas e percepções docentes. Cadernos de Pesquisa, v. 46, n. 161, p. 566-592, jul./set. 2016.

MOORE, C. W. O processo de mediação: estratégias práticas para a resolução de conflitos. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 1998.

MUZSKAT, M. Guia Prático de Mediação de Conflitos. São Paulo: Summus, 2005.

OLIVEIRA, A. C.; SILVA, S. A. P. S. Intervenções pedagógicas do professor em re-lação a conflitos percebidos entre os alunos durante as aulas de Educação Física. Phys. Educ. v. 29, e2950, 2018.

SANTOS, J. V. T. A violência na escola: conflitualidade social e ações civilizatórias. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 27, n. 1, p. 105-122, jan./jun. 2001.

SILVA, A. M.; CUNHA, S. Formação de Mediadores Sociais na Europa: Um projeto piloto. Revista Portuguesa de Educação, v. 32, n. 1, p. 173-189. 2019.

SCHULTZ, N. C. W. et al. A compreensão sistêmica do bullying. Psicol. estud., v. 17, n. 2, p. 247-254, 2012.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Global consultation on violence and health. Violence: a public health priority. Geneva: WHO; 1996 (document WHO/EHA/ SPI.POA.2).

Published

2024-01-31

How to Cite

Vio, N. L., Feijó, M. R., & Camargo, M. L. (2024). A escola e a mediação de conflitos: conceitos, origens, propostas e desafios. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 22(1), 4177–4193. https://doi.org/10.55905/oelv22n1-220

Issue

Section

Articles