Sentidos produzidos no cartaz do filme Mary Shelley (2017): uma análise de discurso crítica

Authors

  • Thânya dos Santos Araújo
  • Lívia Fernanda Nery da Silva

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv22n1-147

Keywords:

cartaz, Mary Shelley, análise de discurso crítica

Abstract

O presente trabalho objetiva analisar os sentidos produzidos no cartaz da cinebiografia Mary Shelley (2017). Mais especificamente, pretende-se: observar o cartaz como instrumento de valor informativo e de sentidos; descrever esses sentidos em categorias. Para tanto, o aporte teórico- metodológico é a Análise de Discurso Crítica (ADC) com a abordagem dos autores Fairclough (2001) e Resende e Ramalho (2019). Os autores Joly (2007) e Magalhães (2003) também contribuem com estudos sobre imagem e produção de sentidos. São utilizadas as categorias de intertextualidade e polifonia com suporte em Bakhtin (2003) e Stam (1992). Como o cartaz apresenta uma linguagem visual, busca-se suporte em Dondis (2007) e Heller (2013). Verificou-se que as informações contidas no cartaz revelam aspectos ideológicos por meio da intertextualidade e da polifonia que expressam as lutas da personagem para escrever sua obra Frankenstein.

References

ALBERTINO DA SILVA, S. O design de cartazes no Cinema Marginal e na Pornochanchada. 2008. 124 f. Dissertação (Mestrado em Artes e Design) – Departamento de Artes e Design, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 4. Ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

DONDIS, Donis A. Sintaxe da linguagem visual. 3. Ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007 FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Brasília: UNB, 2001.

HELLER, E. A psicologia das cores: como as cores afetam a emoção e a razão. 1. Ed. São Paulo: Gustavo Gili, 2013.

HOLLIS, R. Design gráfico: uma história concisa. São Paulo: Martins Fontes, 2000. JOLY,

M. Introdução à análise da imagem. Lisboa: Edições 70, 2007.

MAGALHÃES, F. L. J. Veja, istoé, leia: Produção e disputas de sentido na mídia. Teresina: Edufpi, 2003.

MARY SHELLEY. Direção de Haifaa al-Mansour. Filme do Estúdio Luxembourg. Luxemburgo: 2017. Brasil: Netflix, 2018. (120 minutos), colorido.

RESENDE, V; RAMALHO, V. Análise de discurso crítica. 2. Ed. São Paulo: Contexto, 2019.

STAM, R. Da teoria literária à cultura de massa. São Paulo: Editora Ática, 1992.

Published

2024-01-25

How to Cite

Araújo, T. dos S., & da Silva, L. F. N. (2024). Sentidos produzidos no cartaz do filme Mary Shelley (2017): uma análise de discurso crítica. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 22(1), 2814–2826. https://doi.org/10.55905/oelv22n1-147

Issue

Section

Articles