Entre lugares e afetos: oficina de mapas afetivos com as mulheres marisqueiras De Ilha Grande, Piauí, Brasil

Authors

  • Christiana de Sousa Damasceno Oliveira
  • Maria Patrícia Freitas de Lemos

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv22n1-131

Keywords:

educação patrimonial, inventário participativo, mapas afetivos, marisqueiras, Ilha Grande do Piauí

Abstract

O presente artigo é um recorte da pesquisa intitulada: Inventário participativo do Ofício e modos de saber fazer das Marisqueiras da Ilha Grande, Piauí, Brasil, onde  apresentamos a experiência da Oficina: Entre lugares e afetos, desenvolvida com as mulheres marisqueiras de Ilha Grande do Piauí a partir da metodologia dos mapas afetivos como estratégia de Educação patrimonial com o intuito de mobilização da comunidade para construção do inventário participativo do ofício e modos de saber fazer das marisqueiras, realizado através de uma pesquisa-ação, como trabalho final de mestrado no Programa de Pós graduação em Artes, Patrimônio e Museologia da Universidade Federal do Delta do Parnaíba. O delineamento metodológico adotado é uma abordagem qualitativa, do tipo pesquisa-ação-participativa, as ações aconteceram no bairro Tatus, no município de Ilha Grande, localizado na região da Área de Proteção Ambiental do Delta do Parnaíba, tendo como objetivo geral: Estimular os vínculos de pertencimento e cidadania em relação ao território em que se vive e como específicos promover vivências e trocas de saberes sobre as experiências cotidianas das marisqueiras e reconhecer os espaços  no território que sejam significativos para  o saber fazer das mulheres pesquisadas. Trazemos como resultados a identificação coletiva das potencialidades da cidade de Ilha Grande a partir das discussões sobre os vínculos existentes nos lugares compartilhados por elas, como a associação, a Igreja, a escola, o rio, a canoa, a família e sobre a participação de cada uma através da afetividade.

References

AUGUSTO, Diego; FEITOSA, Maria; BOMFIM, Zulmira. (2016). A utilização dos mapas afetivos como possibilidade de leitura do território no CRAS. Estudos Interdisciplinares em Psicologia. 7. 145. 10.5433/2236-6407.2016v7n1p145.Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/305079113_A_utilizacao_dos_mapas_afetivos_como_possibilidade_de_leitura_do_territorio_no_CRAS . Acesso em 28.05.2023.

BEZERRA, Laís Leal Da Silva. Cartografia dos processos de subjetivação de mulheres marisqueiras e pescadoras artesanais: marcas do encontro das águas doce e salgada. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso) em Psicologia -UFDPAR. Parnaíba-PI, 67 pág, 2018.

BOMFIM, Z. A. C. Cidade e afetividade. Estima e construção dos mapas afetivos de Barcelona e de São Paulo. Fortaleza: Edições UFC, 2010.

BRASIl. Inventário Participativo, módulo 4, Escola Virtual.Gov, IBRAM,2023. Disponível em: https://www.escolavirtual.gov.br/curso/266. Acesso em: 4 de jul de 2023.

FLORÊNCIO, Sonia Rampim. Caderno de patrimônio cultural VOLUME 01: EDUCAÇÃO PATRIMONIAL. Brasília, 2019.

IBGE cidades IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2019. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/>. Acesso: 28.05.2023.

IPHAN. O Registro do Patrimônio Imaterial: Dossiê Final das atividades da Comissão do Grupo de Trabalho Patrimônio Imaterial. Brasília: Funarte, 2003.

IPHAN. Educação Patrimonial: inventários participativos: manual de aplicação / Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional; texto, Sônia Regina Rampim Florêncio et al. – Brasília-DF, 2016.

IPHAN. Educação Patrimonial: histórico, conceitos e processos. IPHAN, 2014.Disponível em: Educacao_Patrimonial.pdf (iphan.gov.br). Acesso em: 01 de dez. 2022.

IPHAN. Educação Patrimonial: inventários participativos. Brasília: Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, 2016. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/publicacao/inventariodopatrimonio_15x21web.pdf.

Acesso em: 19 ago. 2023.

IPHAN. Patrimônio Imaterial. Disponível em: Página - IPHAN - Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Acesso em 15 jun. 2023.

IPHAN. Salvaguarda de bens registrados: patrimônio cultural do Brasil: apoio e fomento / coordenação e organização Rívia Ryker Bandeira de Alencar. Brasília, 2017.

MOREIRA, Ionara Ingrid da Silva et all. O processo de construção de “Mapas afeti-vos” como método de pesquisa nas políticas públicas de Assistência Social. v. 4 n. 2 (2019): XXXVIII Encontro de Iniciação Científica,UFC.Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/eu/article/view/59527 . Acesso em 15 jun. 2023.

SCIFONI, Simone. Educação e Patrimônio Cultural: reflexões sobre o tema. In: TOLENTINO, Átila Bezerra (org.). Educação patrimonial: reflexões e práticas. João Pessoa: Superintendência do Iphan na Paraíba, 2012, p. 30-37. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/publicacao/EduPat_EducPatrimonialReflexoesEPraticas_ct1_ m.pdf. Acesso em: 19 ago. 2023.

Published

2024-01-23

How to Cite

Oliveira, C. de S. D., & de Lemos, M. P. F. (2024). Entre lugares e afetos: oficina de mapas afetivos com as mulheres marisqueiras De Ilha Grande, Piauí, Brasil. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 22(1), 2527–2547. https://doi.org/10.55905/oelv22n1-131

Issue

Section

Articles

Most read articles by the same author(s)