A interseccionalidade como meio para a compreensão do modelo social da deficiência

Authors

  • Maristela Lugon Arantes
  • Elda Coelho de Azevedo Bussinguer

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv22n1-126

Keywords:

pessoas com deficiência, modelo social da deficiência, interseccionalidade

Abstract

Este artigo busca compreender a interseccionalidade como meio para a implementação do modelo social da deficiência. Trazida pelo feminismo negro, o termo trata de diversas e imbricadas formas de opressão sofridas por grupos vulneráveis. O modelo social da deficiência quebrou o paradigma do modelo médico, afirmando, por meio da Convenção sobre os Direitos da Pessoa com Deficiência, o protagonismo desse grupo. Incluir é a palavra de ordem para o novo modelo. O problema de pesquisa fixa-se na análise da possibilidade de compreensão do modelo social da deficiência sem a utilização da interseccionalidade como ferramenta de análise das situações nas quais a pessoas com deficiência são embarreiradas no gozo de seus direitos. A interseccionalidade torna-se meio indispensável para os estudos da deficiência, tendo em vista que aproximadamente 17% da população mundial tem algum tipo de deficiência. Gênero, raça, classe social e outros marcadores sociais não podem ser analisados separadamente quando se trata de pessoas com deficiência. A pesquisa tem sua base teórica nas autoras Débora Diniz, Heleieth Saffioti e Kimberlé Crenshaw. Por meio de pesquisa bibliográfica e utilizando-se do materialismo histórico-dialético, conclui-se que o modelo social da deficiência, que reconhece o direito à inclusão plena, apenas poderá ser implementado em sua totalidade, se houver uma mudança nas estruturas sociais e na elaboração de políticas públicas que tenham um viés interseccional.

References

BORGES, Jorge Amaro de Souza. Política da Pessoa com Deficiência no Brasil: per-correndo o labirinto. Rio de Janeiro: Lumen Juris. 2021.

BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. In: Cadernos Pagu, v. 1, n. 26, 2006, pp. 329-376, Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644745. Acesso em: 22 dez. 2023.

BRASIL. Congresso Nacional. Lei nº 13.146, de 06 de julho de 2015. Assegura e pro-move, em condições de igualdade, o exercício dos direitos e das liberdades fundamen-tais por pessoa com deficiência. Estatuto da Pessoa com Deficiência. Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 06 jul. 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br. Aces-so em 23 fev.2022.

BUSSINGUER, Elda Coelho de Azevedo; NASCIMENTO, Hiata Anderson Silva do; ROHR, Roseane Vargas. Os "monstros" estão entre nós: problematizações acerca da categoria "humano". In: EIXO, v. 5, n. 2, pp. 115-125, jul./dez., 2016. Disponível em: http://repositorio.fdv.br:8080/bitstream/fdv/275/1/BUSSINGUER%3b%20NASCIMENTO%3b%20ROHR.pdf. Acesso em: 28 dez. 2023.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos de discriminação racial relativos ao gênero. In: Estudos Feministas. v. 10, n. 1, 2002. pp. 171-188. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ref/a/mbTpP4SFXPnJZ397j8fSBQQ/?format=pdf&lang=pt. Acesso em 22 mar. 2022.

DEGENER, Theresia. Disability in a Human Rights Context. In: Laws, v. 5, n. 35, 2016, pp. 1-24. Disponível em: https://doi.org/10.3390/laws5030035. Acesso em 22 mar. 2022.

DIAS, Adriana. Por uma genealogia do capacitismo: da eugenia estatal à narrativa capa-citista social. In: Anais do I Simpósio Internacional de Estudos sobre a Deficiência, v. 1, n. 1, 2013, pp. 1-14. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/ep/article/view/216832. Acesso em: 28 dez. 2023.

DINIZ, Debora. O que é deficiência. São Paulo: Brasiliense. 2007.

DINIZ, Debora; Barbosa, Lívia; Santos, Wederson Rufino dos. Deficiência, Direitos Humanos e Justiça. In: SUR- Revista Internacional de Direitos Humanos, v. 6. n. 11, dez. 2009, pp. 65-77. Disponível em: https://www.scielo.br/j/sur/a/fPMZfn9hbJYM7SzN9bwzysb/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 02 mar. 2022.

DINIZ, Debora. Modelo social da deficiência: a crítica feminista. In: Série Anis, v. 28, pp. 1-10, 2003. Disponível em: http://www.anis.org.br/serie/artigos/sa28(diniz)deficienciafeminismo.pdf. Acesso em: 18 fev. 2014.

FERREIRA, Jonatas; HAMLIN, Cynthia. Mulheres, negros e outros monstros: um en-saio sobre corpos não civilizados. In: Revista Estudos Feministas, v. 18, n. 3, 2010, pp. 811-836. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ref/a/pNrk63zWDDbTCVtrrg5TryH/abstract/?lang=pt. Acesso em: 28 dez. 2023.

GESSER, Marivete, BÖCK, Geisa Letícia, LOPES, Paula Helena (org.). Estudos da deficiência: anticapacitismo e emancipação social. Curitiba: CRV, 2020.

GOMES, Ruthie Bonan; LOPES, Paula Helena; GESSER, Marivete; TONELI, Maria Juracy Filgueiras. Novos diálogos dos estudos feministas da deficiência. Revista Estu-dos Feministas, Florianópolis, v. 27, n. 1, e48155, 2019.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional de Saúde, 2019. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/saude/9160-pesquisa-nacional-de-saude.html?=&t=o-que-e. Acesso em 22 mar. 2022.

KUHN, Thomas S. A estrutura das revoluções científicas. 5. Ed. São Paulo: Perspec-tiva, 1997.

KYRILLOS, Gabriela M. Uma Análise Crítica sobre os Antecedentes da Intersecciona-lidade. In: Estudos Feministas, v. 28, n. 1, 2020, pp. 1-12. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1806-9584-2020v28n156509. Acesso em: 28 dez. 2023.

LIBARDI, Guilherme; JACKS, Nilda. Interseccionalidade como ferramenta teórico-metodológica: apontamentos para a pesquisa de recepção e consumo midiático. In: Sig-nos do Consumo, v. 12, n. 2, 2020, pp. 3-13. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/signosdoconsumo/article/view/174262. Acesso em: 28 dez. 2023. Acesso em: 28 dez. 202.

ONU - ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Resolução A/61/611 de 6 de dezembro de 2006. Dispo-nível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/714_1.pdf. Acesso em: 28 dez. 2023.

ONU - ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Protocolo Facultativo à Con-venção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Resolução A/61/611 de 06 de dezembro de 2006. Disponível em: https://site.mppr.mp.br/crianca/Pagina/Convencao-sobre-os-Direitos-das-Pessoas-com-Deficiencia#protocolo_deficiencia. Acesso em: 28 dez. 2023.

PEIXOTO JUNIOR, Carlos Augusto. Sobre corpos e monstros: algumas reflexões con-temporâneas a partir da filosofia da diferença. In: Psicologia em Estudo, v. 15, n. 1, 2010, pp. 179-187. Disponível em: https://www.scielo.br/j/pe/a/Dz483yZGBTsB7Lc3rFvXFrJ/?format=pdf. Acesso em: 28 dez. 2023.

SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, patriarcado e violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.

OMS - ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Relatório mundial sobre a defi-ciência. Trad. Lexicus Serviços Lingüísticos. São Paulo: SEDPcD, 2012.

Published

2024-01-22

How to Cite

Arantes, M. L., & Bussinguer, E. C. de A. (2024). A interseccionalidade como meio para a compreensão do modelo social da deficiência. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 22(1), 2414–2433. https://doi.org/10.55905/oelv22n1-126

Issue

Section

Articles