Doenças crônicas e morte prematura em idosos: perfil do estado de Goiás

Authors

  • Beatriz Oliveira Azevedo
  • Ana Luisa Azevedo de Castro
  • Brunna Rauany Santos Queiroz
  • Érica Valessa Ramos Gomes Pagnoca
  • Ian Átila Rodrigues Cardoso
  • Isadora Borges Toledo
  • Jessica Coelho Costa
  • Heloísa Silva Guerra

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv22n1-100

Keywords:

doenças crônicas não transmissíveis, idoso, epidemiologia, mortalidade por faixa etária

Abstract

As doenças crônicas não transmissíveis são os problemas de saúde pública mais importantes em todo o mundo, com impacto significativo na economia em nível global, resultando em altos custos para saúde, além de repercussões na vida do indivíduo como dificuldade para realizar atividades básicas e piora da qualidade de vida. O objetivo deste estudo foi analisar a mortalidade prematura em idosos no estado de Goiás pelas quatro principais DCNT. Trata-se de um estudo descritivo com dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade, com foco na mortalidade prematura em indivíduos de 60 a 69 anos. Os dados foram analisados com recursos da epidemiologia descritiva. No período estudado, ocorreram 45.374 óbitos em idosos de 60 a 69 anos, pelas quatro principais DCNT no estado de Goiás. O perfil predominante incluiu indivíduos do sexo masculino (57,6%), raça parda (46,1%), casados (42,9%), com um a três anos de estudo (24,5%) e com óbito ocorrido no âmbito hospitalar (70,9%). Os resultados apontam a necessidade de maior ênfase nas medidas que envolvem prevenção, diagnóstico precoce e tratamento dessas condições na população, com destaque para o fortalecimento da atenção primária à saúde.

References

ALVES, C. G.; MORAIS NETO, O. L. Tendência da mortalidade prematura por doenças crônicas não transmissíveis nas unidades federadas brasileiras. Ciência e Saúde Coletiva, v. 20, n. 3, p. 641-54, 2015.

BARBOSA, A. M. R.; SOUZA, A. R. L.; NASCIMENTO, L. V.; et al. Educação e acompanhamento em saúde em um município da Amazônia Ocidental: um relato de experiência. Revista Observatório de La Economia Latinoamericana, v. 21, n. 10, p. 14959-73, 2023.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças Não Transmissíveis. Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas e Agravos não Transmissíveis no Brasil 2021-2030. Brasília: Ministério da Saúde, 2021.

CONASS. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Secretaria Estadual de Saúde. Governo de Goiás. O Caminho do Enfrentamento à Covid no Estado de Goiás. 2020. Disponível em: <https://www.conass.org.br/wp-content/uploads/2020/12/Goia%CC%81s_Apresentac%CC%A7a%CC%83o-Guia.pdf>. Acesso em: 20 novembro 2023.

FIOCRUZ. Fundação Oswaldo Cruz. Instituto de Informação e Comunicação Científica e Tecnológica em Saúde. (ICICT). Sistema de Indicadores de saúde e Acompanhamento de Políticas Públicas do Idoso (SISAP-Idoso). Rio de Janeiro, 2011. Disponível em: <https://sisapidoso.icict.fiocruz.br/>. Acesso em: 06 outubro 2023.

GBD. The Global Burden of Diseases. Diseases and Injuries Collaborators Global burden of 369 diseases and injuries in 204 countries and territories, 1990–2019: a systematic analysis for the global burden of disease study 2019. Lancet, v. 396 (10258), p. 1204-22, 2020.

MALTA, D. C.; MORAIS NETO, O. L.; SILVA, J. B. DA. Apresentação do plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis no Bra-sil, 2011 a 2022. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 20, n. 4, p. 425–438, dez. 2011.

MALTA, D. C.; MOURA, L.; PRADO, R. R.; et al. Mortalidade por doenças crônicas não transmissíveis no Brasil e suas regiões, 2000 a 2011. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 23, n. 4, p. 599–608, dez. 2014.

MALTA, D. C.; ANDRADE, S. S. C. A.; OLIVEIRA, T. P.; et al. Probabilidade de morte prematura por doenças crônicas não transmissíveis, Brasil e regiões, projeções para 2025. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 22, p. e190030, 2019.

MARTINS, B. C. F.; LEAL, C. E. V.; CAETANO, J. D. M.; et al. Mortalidade prematura por Doenças Crônicas não Transmissíveis (DCNT) em Minas Gerais no período de 2011 a 2019: análise comparativa das macrorregiões do Estado. Revista Médica de Minas Gerais, v. 33, supl. 7, p. S5-S15, 2023.

MORAIS, R. M.; COSTA, A. L. Uma avaliação do Sistema de Informações sobre Mortalidade. Saúde e Debate, v. 41, n. especial, p. 101-17, 2017.

NADRUZ, W.; CLAGGETT, B; HENGLIN, M.; et al. Racial Disparities in Risks of Stroke. New England Journal of Medicine, v. 376, n. 21, p. 2089–90, 2017.

NIKOLOSKI, Z.; ALQUNAIBET, A. M.; ALFAWAS, R. A.; et al. Covid-19 and non-communcable diseases: evidence from a systematic literature review. BMC Public Health, v. 21, 1068, p. 1-9, 2021.

OMS. Organização Mundial de Saúde. Estatísticas mundiais de saúde 2018: monitorização da saúde para os ODS, Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Geneva: OMS; 2018.

PATHIRANA, T. I.; JACKSON, C. A. Socioeconomic status and multimorbidity: a systematic review and meta-analysis. Australian and New Zealand Journal of Public Health, v. 42, n. 2, p. 186–94, 2018.

RODRIGUES, F.; TOBIAS, G. C.; AMORIM, A. M. M.; et al. Óbitos evitáveis de idosos em Goiás: reflexo da atenção primária. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde, v. 22, n. 3, p. 116–23, 2020.

ROMERO, D. E.; MUZY, J.; DAMACENA, G. N.; et al. Idosos no contexto da pan-demia da COVID-19 no Brasil: efeitos nas condições de saúde, renda e trabalho. Ca-dernos de Saúde Pública, v. 37, n. 3, p. e00216620, 2021.

SBD. Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabe-tes 2019-2020. Clannad: Editora Científica, 2020.

SES-GO. Secretaria do Estado da Saúde de Goiás. Gerência de Vigilância Epidemioló-gica. Superintendência de Vigilância em Saúde. Secretaria de Estado da Saúde de Goi-ás. Mortalidade por doenças crônicas não-transmissíveis em Goiás, 2006 a 2016. Bole-tim epidemiológico, v. 20, n. 2, 2019.

SILVA, D. S. M.; ASSUMPÇÃO, D.; FRANCISCO, P. M. S. B.; et al. Doenças crôni-cas não transmissíveis considerando determinantes sociodemográficos em coorte de ido-sos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 25, n. 5, p. e210204, 2022.

SILVA, I.S.; XAVIER, P. B.; ALMEIDA, J. L. S.; et al. Mortalidade por doenças crônicas não transmissíveis em idosos no estado da Paraíba. In: IV CIEH - Congresso Internacional de Envelhecimento Humano, p. 1-11, 2019.

STRINGHINI, S.; CARMELI, C.; JOKELA, M.; et al. Socioeconomic status and the 25 × 25 risk factors as determinants of premature mortality: a multicohort study and meta-analysis of 1.7 million men and women. Lancet, v. 389, p.1229-37, 2017.

TEIXEIRA, J. J. M.; BASTOS, G. C. F. C.; SOUZA, A. C. L. Perfil de internação de idosos. Revista da Sociedade Brasileira de Clínica Médica, v. 15, n.1, p. 15-20, 2017.

WILLIAMS, J.; ALLEN, L.; WICKRAMASINGHE, K.; et al. A systematic review of associations between non-communicable diseases and socioeconomic status whitin low and lower-middle-income countries. Journal of Global Health, v. 8, n. 2, 020409, 2018.

WEHRMEISTER, F.; WENDT, A. T.; SARDINHA, L.M. V. D. Inequalities and chronic non-communicable diseases in Brazil. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 31, supl. 1, e20211065, 2022.

WHO. World Health Organization. Health in 2015: from MDGs, Millennium Devel-opment Goals to SDGs, Sustainable Development Goals. Geneve: WHO, 2015.

WHO. World Health Organization. Noncommunicable diseases country profiles 2018 Report. Geneva: WHO, 2018a.

WHO. World Health Organization. Global action plan for the prevention and control of noncommunicable diseases 2013-2020. Genebra: WHO, 2018b.

Published

2024-01-18

How to Cite

Azevedo, B. O., de Castro, A. L. A., Queiroz, B. R. S., Pagnoca, Érica V. R. G., Cardoso, I. Átila R., Toledo, I. B., Costa, J. C., & Guerra, H. S. (2024). Doenças crônicas e morte prematura em idosos: perfil do estado de Goiás. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 22(1), 1920–1936. https://doi.org/10.55905/oelv22n1-100

Issue

Section

Articles