Neurociências aplicada à educação: autoavaliação de desempenho, conceitos e justificativas docentes

Authors

  • Márcia Camilo Figueiredo
  • Regiane Cardoso de Andrade
  • Neiryane dos Santos Silva
  • Neiri Davanso
  • Géssica Fernanda Pelizer de Almeida
  • Alessandra Dutra
  • José Rosa Júnior

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv22n1-058

Keywords:

formação continuada, avaliação, ensino, aprendizagem

Abstract

As pesquisas e avanços no âmbito de neurociências têm apresentado contribuições aos aspectos de aprendizagem, criatividade, desempenho acadêmico e laboral. Com o intuito de contribuir com a área, o objetivo da pesquisa foi identificar e discutir o conceito e as justificativas que emergiram de professores da Educação Básica ao realizarem uma autoavaliação de desempenho, após concluírem a disciplina – Neurociências aplicada à Educação (NAE). A pesquisa qualitativa e do tipo exploratória, contou com a participação de quatorze discentes. No último dia de aulas, todos fizeram uma autoavaliação, sob a forma de questionário dissertativo, para refletir, atribuir e justificar qual dos três conceitos, A, B ou C, respectivamente, com notas dez (10), oito (8) ou seis (6), alcançaram ao cursar e concluir a NAE. Conforme os resultados, verifica-se dentre esse grupo multidisciplinar, que o conceito A (nota 10 – dez) predominou para nove docentes, que evidenciaram em suas justificativas vários motivos que os levaram a atribuírem essa nota, como assiduidade, participação de trabalhos em grupos, enfrentamento de obstáculos, ampliação de conhecimentos e outros. Dentre os participantes, cinco docentes atribuíram o conceito B (nota 8 – oito) sob as justificativas de faltar uma vez na disciplina, não participar como gostaria das aulas, ter contato com os assuntos pela primeira vez. Conclui-se que a autoavaliação colabora para ambas as partes – aluno e professor, em virtude de permitir ao docente refletir acerca da prática pedagógica, observando em quais aspectos pode melhorar e mudar o seu planejamento de aulas na busca por estratégias que beneficiem o processo de ensino e, por conseguinte, oportuniza ao aluno avaliar o seu próprio desempenho, manifestando se e como ocorreu a aprendizagem durante o seu percurso de formação.

References

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016.

BARROS, C. E. et al. O organismo como referência fundamental para a compreensão do desenvolvimento cognitivo. Revista Neurociências. São Paulo, v. 12, n. 14, 2004.

BEAR, M. F.; CONNORS, B. W.; PARADISO, M. A. Neurociências: desvendando o sistema nervoso. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2017.

BRASIL. Resolução CNE/CP Nº 1, DE 27 de outubro de 2020. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=164841-rcp001-20&category_slug=outubro-2020-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 15 set. 2023.

COSENZA, R.; GUERRA, L. Neurociência e educação: como o cérebro aprende. Porto Alegre: Artmed, 2011.

DARLING-HAMMOND, l.; BRANSFORD, J. Preparando professores para um mundo em transformação: o que devem aprender e estar aptos a fazer. Porto Alegre: Editora Penso, 2019.

FARIAS, I. M. S. et al. Didática e docência: aprendendo a profissão. Brasília: Liber Livros, 2008.

FERNANDES, D. Avaliação do desempenho docente: Desafios, problemas e oportunidades. Texto Editores, 2008.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

HOFFMANN, J. O jogo do contrário em avaliação. Porto Alegre: Mediação, 2005.

LAGO, V. G. et al. As contribuições da neurociência para a prática docente. Research, Society and Development, v. 10, n. 12, e392101218775, 2021.

LENT, R. Cem bilhões de neurônios: conceitos fundamentais de neurociência. 2ª ed. São Paulo: Atheneu. 2010.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem componente do ato pedagógico. São Paulo: Cortez, 2011.

MELCHIOR, Maria Celina. O sucesso escolar através da avaliação e da recuperação. Novo Hamburgo: s.ed., 1998.

PURVES, et al. Neurociências. 4ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

RELVAS, M. P. Neurociência e transtornos de aprendizagem: as múltiplas eficiências para uma educação inclusiva. 6 ed. Rio de Janeiro: Wak, 2015.

RÉGNIER, J-C. A autoavaliação na prática pedagógica. Revista Diálogo Educacional. Paraná, v. 3, n.6, p.53-68, maio/agosto, 2002.

ROTTA, N. T.; OHLWEILER, L.; RIESGO, R. S. Transtornos da aprendizagem: abordagem neurobiológica e multidisciplinar. 2. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2015.

SANT’ANA, D. M. G. Plasticidade neural: as bases neurobiológicas da aprendizagem. In: Claudinei Luiz Chitolina; José Aparecido Pereira; Rodrigo Hayasi Pinto. (Org.). Mente, Cérebro e Consciência. Um confronto entre a filosofia e a ciência. 1 ed.Jundiaí: Paco Editorial, 2015, v. 1, p. 73-84.

SOUZA, A. M. O. P., ALVES, R. R. N. A neurociência na formação dos educadores e sua contribuição no processo de aprendizagem. Rev. Psicopedagogia, 34 edição, 105: 320-331, 2017.

Published

2024-01-17

How to Cite

Figueiredo, M. C., de Andrade, R. C., Silva, N. dos S., Davanso, N., de Almeida, G. F. P., Dutra, A., & Rosa Júnior, J. (2024). Neurociências aplicada à educação: autoavaliação de desempenho, conceitos e justificativas docentes. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 22(1), 1075–1095. https://doi.org/10.55905/oelv22n1-058

Issue

Section

Articles