A narrativa complexa televisiva e seus mecanismos: o caso de westworld

Authors

  • Clarissa Trein de Almeida
  • Alexandre Schirmer Kieling

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv22n1-030

Keywords:

narrativa complexa, mecanismos, westworld

Abstract

Este texto se insere em estudo que procura identificar e compreender mecanismos (multiplicidade de personagens, multiplicidade de fios narrativos, variação de temporalidade, movimentação centrífuga e centrípeta) que vêm sendo apontados como características do que se designa como narrativa complexa televisiva, amparados nas proposições de Mittell (2010, 2012, 2013, 2015), Scolari (2009a, 2009b), Booth (2011) e Johnson (2012). O texto faz um exercício de análise de como esses elementos operam e se relacionam a partir da primeira temporada da série televisiva Westworld.

References

ANAZ, S. A. Construindo séries de TV complexas: a concepção diegética de Westworld. Famecos, v. 25, n. 2, p. 1-17, maio/jun./jul./ago. 2018. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistafamecos/article/view/28492. Acesso em: out. 2019

BOOTH, P. Memories, temporalities, fictions: temporal displacement in contemporary television. Television & New Media, v. 12, n. 4, p. 370-388, jul. 2011.

CAPANEMA, L. Metalepse em Capitu: transgressões narrativas na ficção televisual. In: XXXIX CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, set. 2016. Anais […]. Disponível em: http://portalintercom.org.br/anais/nacional2016/resumos/R11-1692-1.pdf. Acesso em: nov. 2019.

CAMPOS, F. Roteiro de Cinema e Televisão: A arte e a técnica de imaginar, perceber e narrar uma estória. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

CARLOS, C. S. Em tempo real: Lost, 24 Horas, Sex and the City e o impacto das novas séries de TV. São Paulo: Alameda, 2006.

FIELD, Syd. Manual do roteiro: os fundamentos do texto cinematográfico. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

JIMÉNEZ, J. G. Narrativa audiovisual. 3. ed. Madrid: Catedra, 2003.

JOHNSON, S. Tudo o que é ruim é bom para você: como os games e a TV nos tornam mais inteligentes. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

LA TORRE, T. Historia de las series. Barcelona: Roca Editorial, 2016.

LOPES, A.; REIS, C. Dicionário de teoria da narrativa. São Paulo: Ática, 1988.

MITTELL, J. Television and american culture. New York: Oxford University Press, 2010.

MITTELL, J. Complexidade narrativa na televisão americana contemporânea. Matriz, v. 5, n. 2, p. 29-52, jan./jun. 2012.

MITTELL, J. The qualities of complexity: vast versus dense seriality in contemporary television. In: JACOBS, J.; PEACOCK, S. Television aesthetics and style. New York: Bloomsbury Academic, 2013. E-book.

MITTELL, J. Complex TV: the poetics of contemporary televison storytelling. New York: New York University Press, 2015.

O QUE é força centrífuga?. Colégio Web, 2016. Disponível em: https://www.colegioweb.com.br/noticias/o-que-e-forca-centrifuga.html. Acesso em: 28 abr. 2019.

SCOLARI, C. A. Ecología de la hipertelevisión: Complejidad narrativa, simulación y transmedialidad en la televisión contemporánea. In: FECHINE, Y. Televisão digital: desafios para a comunicação. Porto Alegre: Sulina, 2009a. p. 174-201.

SCOLARI, C. A. The grammar of hypertelevision: an identikit of convergenceage fiction television (or, how television simulates new interactive media). Journal of Visual Literacy, v. 28, n. 1, p. 28-50, 2009b. Disponível em: https://repositori.upf.edu/bitstream/handle/10230/27653/scolari_jvl_grammar.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Published

2024-01-16

How to Cite

de Almeida, C. T., & Kieling, A. S. (2024). A narrativa complexa televisiva e seus mecanismos: o caso de westworld. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 22(1), 558–576. https://doi.org/10.55905/oelv22n1-030

Issue

Section

Articles