“Tia, seu cabelo é tão bonito”: uma análise das relações raciais em um abrigo de crianças e adolescentes

Authors

  • Júlia Muniz de Alvarenga
  • Giovanna Marafon

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv22n1-011

Keywords:

abrigos, crianças e adolescentes, diário de campo, racismo institucional

Abstract

Com a escrita e com a análise do diário de campo de uma experiência profissional em um abrigo destinado ao público infanto-juvenil da cidade do Rio de Janeiro, este texto coloca em evidência os relatos de crianças e adolescentes acolhidas/os em relação ao racismo institucional que tem atravessado a história e as dinâmicas das instituições de acolhimento. Para questionar as narrativas de poder que compõem os processos jurídicos, entendendo que toda história deve ser examinada levando em consideração quem conta, quando e o modo como conta, propomos uma análise dos registros do diário de campo a respeito do trabalho com crianças e adolescentes acolhidas/os. A análise das narrativas apresentadas demonstra a urgência de repensar as relações raciais e combater o racismo nos abrigos e no sistema de garantia de direitos de crianças e adolescentes. 

References

ADICHIE, C. O perigo de uma única história. Sitio eletrônico Technology, Entertainment and Design – TED. Disponível em: <https://www.ted.com/talks/chimamanda_ngozi_adichie_the_danger_of_a_single_story?language=pt-br >. Acesso em 01 dez 2017.

ALMEIDA, D.P. Esse cabelo: a tragicomédia de um cabelo crespo que cruza fronteiras. Rio de Janeiro: LeYa, 2017.

ALVARENGA, J. M. Entre luzes e sombras: narrativas no campo dos direitos das crianças e adolescentes. 2018. 82 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Programa de Pós-Graduação em Psicologia - Estudos da Subjetividade, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2018.

ARPINI, D. M. Repensando a perspectiva institucional e a intervenção em abrigos para crianças e adolescentes. Psicologia ciência e profissão, Brasília, v. 23, n. 1, 2003, p. 70-75.

BARROS, R. B. Clínica e social: polaridades que se opõem/complementam, ou falsa dicotomia? In: Clínica e Política: subjetividade e violação dos direitos humanos. Rio de Janeiro: Te Corá/Instituto Franco Basaglia, 2002, p. 122-139.

BENTO, M. A. S. Branquitude: o lado oculto do discurso sobre o negro. In: CARONE, I. e BENTO, M. A. S (Orgs) Psicologia Social do racismo: Estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2020, p.147-162.

EURICO, M. C. Preta, preta, pretinha: o racismo institucional no cotidiano de crianças e adolescentes e adolescentes negras(os) acolhidos(as). 2018. 209 f. Tese (Doutorado em Serviço Social) - Programa de Estudos Pós-Graduados em Serviço Social, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2018.

EURICO, M. C. O Cotidiano da Famílias Negras: Por uma Perspectiva Antirracista de Análise de Suas Demandas e Potencialidades. Emancipa: o cotidiano em debate / Revista do Conselho Regional de Serviço Social de São Paulo - CRESS 9ª Região. n. 4, maio 2019, p. 18-30.

FOUCAULT, M. A verdade e as formas jurídicas. Tradução Roberto Machado e Eduardo Jardim Morais. Rio de Janeiro: NAU, 2003.

____________. A vida dos homens infames. In: Estratégia, poder-saber. Ditos e escritos IV. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006, p. 203-222.

GONZALEZ, L. A categoria política da amefricanidade (1988). In: RIOS, F. e LIMA, M. (Orgs.) Lélia Gonzalez: por um feminismo afro-latino-americano - ensaios, intervenções e diálogos. Rio de Janeiro: Zahar, 2020, p. 127-138.

INSTITUTO FAZENDO HISTÓRIA. Guia de ação para colaboradores. São Paulo: Associação Fazendo História, 2008.

_____. Esta é nossa história! São Paulo: Alaúde, 2013.

KILOMBA, G. Memórias da Plantação: episódios de racismo cotidiano. (tradução Jess Oliveira. Original de 2008). Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

LIBARDI, S. e URSIN, M. Escutando os adultos sobre proteção da infância e crianças em situação de rua no brasil urbano. Childhood & Philosophy, Rio de Janeiro, v. 14, n. 29, 2018, p. 163-188.

MARAFON, G. e NASCIMENTO, M. L. Judicialização e normalização dos modos de viver. In: LEMOS, F. e NASCIMENTO, M. L. (Orgs.). Biopolítica e tanatopolítica: a agonística dos processos de subjetivação contemporâneos. Curitiba: CRV, 2019, p. 19-32.

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. 31º Censo da população infantojuvenil acolhida no Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: MPRJ, 2023.

MIRANDA, L. L. e MOURÃO, L. C. C. Escrever COM: o que isso (re)significa? Revista Polis e Psique, Porto Alegre, RS, v. 6, n. 1, 2016, p. 162-175.

NASCIMENTO, M. L. Estudo da infância e desafios da pesquisa: estranhamento e interdependência, complexidade e interdisciplinaridade. Childhood & Philosophy, Rio de janeiro, v. 14, n. 29, 2018, p. 11-25.

NASCIMENTO, M. L. e LEMOS, F. C. S. A pesquisa-intervenção em Psicologia: os usos do diário de campo. Barbarói, Santa Cruz do Sul, n. 57, 2020, p. 239-253.

Published

2024-01-02

How to Cite

de Alvarenga, J. M., & Marafon, G. (2024). “Tia, seu cabelo é tão bonito”: uma análise das relações raciais em um abrigo de crianças e adolescentes. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 22(1), 198–219. https://doi.org/10.55905/oelv22n1-011

Issue

Section

Articles