Hipertensão arterial e qualidade de vida de mulheres atendidas na estratégia saúde da família

Authors

  • Sebastião Paulo dos Santos Carvalho
  • Fagner Medeiros Alves
  • Victor Alves Marques
  • Ana Gabriella Pereira Alves
  • Pamela Cristina de Sousa Guardiano Reis Oliveira
  • Maria Sebastiana Silva

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv22n1-009

Keywords:

hipertensão arterial sistêmica, qualidade de vida, sistema público de saúde

Abstract

A hipertensão arterial sistêmica é uma doença de alta prevalência no mundo, tem grande impacto sobre a qualidade de vida e é uma das principais causas de morte relacionada às doenças cardiovasculares. O objetivo desse trabalho foi comparar a qualidade de vida de mulheres hipertensas e normotensas que participaram de um projeto de pesquisa e extensão, realizado pela Faculdade de Educação Física e Dança da Universidade Federal de Goiás, em parceria com a Estratégia da Saúde da Família do município de Santo Antônio de Goiás, Goiás. Foram avaliadas 118 mulheres, que responderam um questionário semiestruturado sobre aspectos sociais e de saúde e outro de qualidade de vida (SF-36). Também foram mensuradas a massa corporal e a estatura, para cálculo do índice de massa corporal (IMC), e aferida a pressão arterial. Os escores dos domínios da qualidade de vida, a massa corporal, o IMC e a pressão arterial sistólica (PAS) e diastólica (PAD) das mulheres foram comparadas pelo teste-t para amostras independentes ou Mann-Whitney. Do total das participantes do estudo, cerca de 39,0% utilizavam anti-hipertensivos, 12,0% hipoglicemiantes e 13,0% antilipidêmicos. As mulheres hipertensas e normotensas tinham, respectivamente 53,24 (±11,61) e 41,13 (±12,08) anos, pesavam 75,71 (±14,64) e 76,38 (±16,10) kg, e IMC de 30,79 (±5,57) e 30,19 (±6,12) kg/m². Os valores de PAS e PAD das hipertensas foram de 133,25 (±23,46) e 81,87 (±12,89) mmHg e das normotensas de 119,30 (±11,26) e 76,16 (±9,22) mmHg, respectivamente.  Não foi encontrada diferença significativa entre os escores dos domínios da qualidade de vida (p>0,05). Os resultados obtidos a partir do questionário podem subestimar uma condição alarmante de saúde devido ao viés subjetivo do próprio instrumento, sobretudo das hipertensas.

References

BRASIL, Ministério da Saúde. Pesquisa Nacional de Saúde. Rio de Janeiro. 2020.

BARROSO, Weimar Kunz Sebba et al. Brazilian guidelines of hypertension - 2020. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, [S. l.], v. 116, n. 3, p. 516–658, 2021. ISSN: 16784170. DOI: 10.36660/abc.20201238.

CAMPOS, Maryane Oliveira; RODRIGUES NETO, João Felício. Qualidade de vida: um instrumento para promoção de saúde. Revista Baiana de Saúde Pública, v. 32, n. 2, p. 232, 2008.

DA SILVA, Ricardo Costa. et al. Intervenções educativas na melhora da qualidade de vida de hipertensos: Revisão integrativa. Texto contexto – enfermagem, v. 29, 2020.

DE CARVALHO, Maria Virgínia. et al. A influência da hipertensão arterial na qualidade de vida. Arquivos Brasileiro de Cardiologia, v. 100, n. 2, p. 164-174, 2013.

CÔRTES, Denise Castro De Souza.; ARANTES, Adriana Alvarez.; MENDONÇA, Ana Paula Pimentel.; SILVA, Janaína dos Santos. Qualidade de Vida e Hipertensão Arterial. International Journal Cardiovascular Science. v. 29, n. 6, p. 512–516, 2016.

HEERSPINK, Hido J Lambers. et al. Effect of lowering blood pressure on cardiovascular events and mortality in patients on dialysis: a systematic review and meta-analysis of randomised controlled trials. The Lancet, v. 373, n. 9668, p. 1009–1015, 2009.

JULIÃO, Nayara Abreu; SOUZA, Aline de; GUIMARÃES, Raquel Rangel de Meireles. Tendências na prevalência de hipertensão arterial sistêmica e na utilização de serviços de saúde no Brasil ao longo de uma década (2008-2019). Ciência & Saúde Coletiva [online]. v. 26, n. 09. 2021.

OLIVEIRA, Eduardo José Pereira. et al. Qualidade de vida e condições de saúde bucal de hipertensos e diabéticos em um município do sudeste brasileiro. Ciências e Saúde Coletiva, v. 23, n. 3, p. 763-772, 2018

REIS, Maria Gorette dos; GLASHAN, Regiane de Quadros. Adultos hipertensos hospitalizados: percepção de gravidade da doença e de qualidade de vida. Revista Latino americana de Enfermagem, v. 9, n. 3, p. 51-57, 2001.

SILQUEIRA, Salete Maria de Fátima. O questionário genérico SF-36 como instrumento de mensuração da qualidade de vida relacionada a saúde de pacientes hipertensos. 2005. tese (doutorado em enfermagem em saúde pública) - Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2005.

SOARES, Marina Mendes; GUEDES, Gilvan Ramalho; RODRIGUES, Suely Maria; DIAS, Carlos Alberto. Interactions between drug treatment adherence, blood pressure targets, and depression in hypertensive individuals receiving care in the Family Health Strategy. Cadernos de Saude Publica, [S. l.], v. 37, n. 8, 2021. ISSN: 16784464. DOI: 10.1590/0102-311X00061120.

THE WHOQOL GROUP. The World Health Organization Quality of Life Assessment (WHOQOL): Position paper from the World Health Organization. Soc. Sci. medicine, v. 41, p. 1403-10, 1995.

SILVA, L. P.; ALVES, C. A.; OLIVEIRA, M. C.; SOUSA, M. S.; ROCHA, R. M. A. Prevalência de hipertensão arterial em mulheres adultas brasileiras: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Hipertensão, v. 29, n. 2, p. 123-32, 2022. DOI: 10.5535/RBH.2022.29.02.007

Published

2024-01-02

How to Cite

Carvalho, S. P. dos S., Alves, F. M., Marques, V. A., Alves, A. G. P., Oliveira, P. C. de S. G. R., & Silva, M. S. (2024). Hipertensão arterial e qualidade de vida de mulheres atendidas na estratégia saúde da família. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 22(1), 170–179. https://doi.org/10.55905/oelv22n1-009

Issue

Section

Articles