Perfil epidemiológico de acidentes ofídicos no Tocantins no período de 2017 a 2022

Authors

  • Adolpho Dias Chiacchio
  • Edilson Frevensol Ponciano Júnior
  • Fernanda Martins Silva
  • Filipe Augusto Alencar Costa
  • Livia Nogueira Lara de Souza
  • Rayane Cavenage Silva

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv21n12-246

Keywords:

acidentes ofídicos, animais peçonhentos, notificações

Abstract

RESUMO

Introdução: Os acidentes ofídicos são um problema de saúde pública no Brasil, sendo responsáveis por cerca de 4.553casos por ano no Tocantins. A região norte do país é a mais afetada, representando aproximadamente30% dos casos notificados. Além disso, o Tocantins é um estado localizado na região norte do Brasil, com uma área de 277.620 km² e uma população de cerca de 1,8 milhão de habitantes. Nesse sentido, o objetivo deste estudo foi avaliar o perfil epidemiológico dos acidentes ofídicos no estado do Tocantins, no período de 2017 a 2022. Métodos: Os dados foram obtidos do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), do Ministério da Saúde. Foram incluídos todos os casos de acidentes ofídicos notificados no estado do Tocantins, no referente período - as variáveis analisadas foram: sexo, idade, ocupação, espécie de serpente, tempo de atendimento e soroterapia. Resultados e discussão: Os resultados deste estudo mostraram que os acidentes ofídicos são um problema de saúde pública importante no estado do Tocantins. A incidência de acidentes ofídicos no estado é superior à média nacional, sendo a segunda maior entre os estados da região norte; de acordo com os dados obtidos, homens serem mais acometidos do que as mulheres é consistente com os resultados de estudos realizados em outras regiões do Brasil; a faixa etária mais acometida 20 - 39 pode ser explicada pelo fato de que esta é mais ativa e está mais exposta a acidentes ofídicos, por meio de atividades como agricultura, pecuária e lazer; quanto à ocupação mais acometida, os resultados são consistentes com a distribuição geográfica das serpentes venenosas no estado, que são mais abundantes em áreas rurais; o gênero de serpente mais notificado é amplamente distribuído no Brasil, e possui um veneno potente. Conclusão:  Os resultados deste estudo indicam que o Tocantins é um estado com alta incidência de acidentes ofídicos. As ações de prevenção e controle deste problema devem ser intensificadas, com foco na educação em saúde, na redução da exposição ao risco e no acesso a serviços de saúde de qualidade.

References

BERNARDE, P.S. Mudanças na Classificação de Serpentes Peçonhentas Brasileiras e suas Implicações na Literatura Médica. Gaz. Méd. Bahia; v. 81, n 1, p. 55-63, 2011.

BOCHNER, R.; STRUCHINER, C.J. Epidemiologia dos acidentes ofídicos nos últimos 100 anos no Brasil: uma revisão. Cad. Saúde Pública, v.19, n 1, p. 7-16, 2003.

BONAN, P.R.F; LIMA, J.S.; MARTELLI, D.R.B.; SILVA, M.S.S.; DE CARVALHO, S.F.G.; SILVEIRA, M.F.; MARQUES, L.O.; JÚNIOR, H.M. Perfil epidemiológico dos acidentes causados por serpentes venenosas no norte do Estado de Minas Gerais, Brasil. Rev. Med. Minas Gerais, v. 20, n 4, p. 503-507, 2010.

COSER, A.; WOLFF, I.; DE QUADROS, R.M.; MARQUES, S.M.T. Acidentes ofídicos nas mesorregiões do estado de Santa Catarina. Rev. Ciênc. Méd. Biol. v.14, n 1,p. 14-21, 2015.

DE OLIVEIRA, W.G.P.; Pereira DE OLIVEIRA, L.L.P.; FERNANDES, H.P.M.; RIBEIRO, R.S.P. Acidente Ofídico: Uma Análise Epidemiológica na Região Norte no Período de 2016 A 2019. JNT- Facit Business and Technology. Agosto. Ed. 31. V. 2. Págs. 659-669, 2021.

DE OLIVEIRA, M.R.; ARAÚJO, R.O.; GONÇALVES, J.A.G. Acidentes ofídicos e suas complicações clínicas: um estudo epidemiológico no Tocantins nos anos de 2015-2019. JNT- Facit Business and Technology Journal. Ed. 38. V. 1. Págs. 175, 2022.

FEITOSA, S. B.; MISE, Y. F.; MOTA, E. L. A. Ofidismo no Tocantins: análise ecológica de determinantes e áreas de risco, 2007-2015. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 29, n. 4, set. 2020.

FERREIRA, T.S.B.; MOURA, H.G.; NEVES, A.C.D; LUZ, M.C.; BATISTA, K.C.; BITENCOURT, E.L.; ANDRADE, A.E.P.R. (2021). Perfil epidemiológico dos acidentes por picadas de cobras no Tocantins entre 2010 e 2019. Revista de Patologia do Tocantins, 8(1).

GUIMARAES, C.D.; PALHA, M.C.; SILVA, J.C. Perfil clínico-epidemiológico dos acidentes ofídicos ocorridos na ilha de Colares, Pará, Amazônia oriental. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, Londrina, v. 36, n. 1, p. 67-78, 2015.

LEITE, J.E.F. Epidemiologia dos acidentes ofídicos notificados pelo Centro de Assistência e Informação Toxicológica da Paraíba (CEATOX-PB), 2011 a 2012. João Pessoa, Paraíba, p. 1-23, 2013.

LEMOS, J.C.; DE ALMEIDA, T.D.; FOOK, S.M.L.; PAIVA, A.A.; SIMÕES, M.O.S. Epidemiologia dos acidentes ofídicos notificados pelo Centro de Assistência e Informação Toxicológica de Campina Grande (Ceatox-CG), Paraíba. Rev. Bras. Epidemiol.v.12, n 1,p. 50-9, 2009.

LUCAS, E.P.R. Estudo Interlaboratorial para o Estabelecimento do Veneno Botrópico e do Soro Antibotrópico de Referência Nacional. 2009.104f. Tese (Mestrado em Vigilância Sanitária) – Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2009.

MACHADO. Acidentes Ofídicos no Brasil: da assistência no município do Rio de Janeiro ao controle da saúde animal em instituto produtor de soro antiofídico. Instituto Oswaldo Cruz. Rio de Janeiro, 2018.

Ministério da Saúde. Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN). 2023. Disponível em: https://portalsinan.saude.gov.br/

PAULA, M.C.M.F. Perfil Epidemiológico dos Casos de Acidentes Ofídicos Atendidos no Hospital de Doenças Tropicais de Araguaína Tocantins. Dissertação (Mestrado em Ciências na Área de Tecnologia Nuclear) – Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares, São Paulo, 2010.

PESSOA, A.M. Aspectos Biológicos na Avaliação dos Acidentes causados por Cobras Corais no Brasil. 2012. 58p. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais e Saúde) – Universidade Católica de Goiás, Goiânia, 2012.

PINHO, F. M. O.; PEREIRA, I. D. Ofidismo. Revista da Associação Médica Brasileira, v. 47, n. 1, p. 24–29, mar. 2001.

SANTANA & SUCHARA. Epidemiologia dos acidentes com animais peçonhentos registrados em Nova Xavantina – MT. RevEpidemiolControlInfect. v. 5 n. 3 : p.141-146, 2015.

SANTOS, G.J. Epidemiologia dos acidentes causados por serpentes peçonhentas no Estado do Rio Grande do Sul no Período de 2007 a 2010, Brasil. 2012. 26f. Monografia (Pós – Graduação em Biologia Animal) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

RODRIGUEZ, M.F.G.; SALES, A.G.; VIEIRA, B.M.S.; CRUZ, E.V.; TURIBIO, T.O. Perfil epidemiológico dos acidentes causados por serpentes peçonhentas em Palmas -TO nos anos de 2020 a 2022. Brazilian Journal of Health Review,Curitiba, v. 6, n.3,p.10959-10967,may./jun.,2023

Published

2023-12-29

How to Cite

Chiacchio, A. D., Ponciano Júnior, E. F., Silva, F. M., Costa, F. A. A., de Souza, L. N. L., & Silva, R. C. (2023). Perfil epidemiológico de acidentes ofídicos no Tocantins no período de 2017 a 2022. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 21(12), 28073–28084. https://doi.org/10.55905/oelv21n12-246

Issue

Section

Articles

Most read articles by the same author(s)