Colonialidade do saber como processo de objetivação

Authors

  • Honorata Dias

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv21n12-195

Keywords:

colonialidade do saber, diversidade cultural, subjetividade

Abstract

Este artigo tem como objetivo discutir o processo da colonialidade do saber nos países de língua oficial portuguesa, que passaram pelo processo de colonização e sua relação com as práticas de estereótipos e preconceitos com relação ao “outro” (colonizado). Para tanto, analisa a influência da determinação cultural sob forma de entender a natureza humana e a sua singularidade, apresentando de que maneira a explicação da história humana se dá pela imaginação. Portanto, para compreensão desses processos, dialoga com os autores Sawaia (2015), Spivak (2010), Nobles (2012) e Nogueira (2013), a partir dos quais compreende-se a importância do saber ou conhecimento na sua múltipla diversidade para a formação da pessoa como sujeito cultural.

References

DAMATTA, Roberto. O que faz o brasil, Brasil? Rocco Rio de Janeiro, 1986.

BASTIDE, Roger; FERNANDES, Florestan. O negro no mundo dos brancos. 2. ed. São Paulo: Clobol, 2007.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. In: SOVIK, L. Tradução de

Adelaine La Guardia Resende. Belo Horizonte, UFMG, 2009.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução: Tomaz Tadeu daSilva e Guaraciara Lopez Louro. 11. ed. Rio de Janeiro: DP e A, 2011.

MACAMO, Elísio Salvado. Relações entre o Brasil e a África: os desafios

da produção de um conhecimento crítico. Estudos de Sociologia- Rev. do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFPE, v. J5. n. 2. p. 35 – 47.

MARTÍN-BARÓ, I. O papel do Psicólogo. Estudos de Psicologia, 2(1), 7-27, 1996. Disponível em:

http://www.scielo.br/pdf/%0D/epsic/v2n1/a02v2n1.pdf. Acesso em: 30 out. 2023.

NOBLES, Wade W.. Sakhu Sheti: retomando e reapropriando um foco psicoiogico afrocentrado. Disponível em: https://psicologiaeafricanidades.files.wordpress.com/2012/09/nobles-portugues.pdf. Acesso em: 30 out. 2023.

NOGUEIRA, Simone Gibran. Psicologia crítica africana e descolonização da vida na prática da capoeira angola. 2013. Disponível em: https://sapientia.pucsp.br. Acesso em: 30 out. 2023.

PAIVA, José Maria. Colonização o catequese. Em Aberto, v. 3, n. 23, 1984.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças cientistas, instituições e questão racial no Brasil 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SAWAIA, B. B. Transformação social: um objeto pertinente à Psicologia Social? 2014.

Psicologia & Sociedade, 26(n. spe. 2), 4-17.

SAWAIA, B. B. Transformação social: uma questão para a psicologia social? Psicologia

e Sociedade (Impresso), v. 26, p. 17-25, 2014.

SAWAIA, B. B.; SILVA, Daniele Nunes Henrique Silva. Pelo reencantamento da psicologia: em busca da positividade epistemológica da imaginação e da emoção no desenvolvimento humano. Cad. Cedes, Campinas, v. 35, n. Especial, p. 343-360, out. 2015.

SPIVAK, G. C. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

WERNECK, Jurema. Racismo institucional e saúde da população negra. Saúde Soc.

São Paulo, v.25, n.3, p.535-549, 2016.

Published

2023-12-22

How to Cite

Dias, H. (2023). Colonialidade do saber como processo de objetivação. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 21(12), 27102–27114. https://doi.org/10.55905/oelv21n12-195

Issue

Section

Articles