Jogar, aprender e ensinar sobre sexualidade com crianças deficientes intelectuais

Authors

  • Karin Elizabeth Kruger
  • Maria Regina Momesso

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv21n12-192

Keywords:

jogos educativos, educação sexual, deficiência intelectual

Abstract

Comumente na sociedade, julgam a criança deficiente intelectual como assexuada ou com sua sexualidade exacerbada. No âmbito escolar é notória a grande dificuldade dos professores em lidar com situações cotidianas que envolvem a sexualidade ou por despreparo, ou por julgar não ser o local adequado ou por questões pessoais, culturais ou religiosas. No entanto, é óbvio que questões sexuais fazem parte da vida do ser humano seja ele deficiente ou não; e tais situações são comuns. Estas se não forem trabalhadas adequadamente podem gerar conflitos, traumas e segregação. Tem-se como objetivo discutir e exemplificar a aplicação de jogos educativos para o trabalho no cotidiano da sala de aula com questões de modos de existência e de sexualidade dentro da inclusão escolar e social. Teórica e metodologicamente este trabalho qualitativo assenta-se na revisão bibliográfica, tendo como linha norteadora análise discursiva francesa, os estudos foucaultianos, Maia e Ribeiro para questões da sexualidade e deficiência, para a aprendizagem e os jogos a perspectiva Vigotskyana e outros. Os resultados preliminares apontam que os jogos facilitam na compreensão e na comunicação entre professor e alunos no que tange as questões sobre sexualidade e autoconhecimento do corpo e de seus modos de existência dentro da sociedade.

References

Almeida, M. da S. R.. (2007) O que é deficiência intelectual ou atraso cognitivo? São Paulo.

Foucault, M. (1988) História da Sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal,1988.

Freitas, Marcos Cezar de e Santos, Larissa Xavier dos. Interseccionalidades e a Educação Especial na Perspectiva da educação inclusiva. Cad. Pesqui., São Paulo, v.51, e07896, 2021.

Glat & Fernandes, E. M. (2005). Da educação segregada à educação inclusiva: uma breve reflexão sobre os paradigmas educacionais no contexto da Educação Especial brasileira. 2005. . (Acesso em: jan. 2016).

Maia, A. C. B. & Ribeiro, P. R. M. (2010). Desfazendo mitos para minimizar o preconceito sobre a sexualidade de pessoas com deficiências. Revista Brasileira de Educação Especial, 16(2), p. 159-176.

Maia, A.C.B. Inclusão e Sexualidade - Na Voz de Pessoas com Deficiência Física, 2011.Ribeiro fez o prefácio.

Omote, S. (1989). A estigmatização de deficientes e os serviços especializados. Vivência,São José (SC), 5, 14.

Perfeito, Artur Ericson. O Uso de novas tecnologias na escola. Instituto Federal Goiano Itapemeri, 2020

Rolim, A. A. M.; Guerra, S. S. F. & Tassigny, M. M. (2008). Uma leitura de Vygotsky sobre o brincar na aprendizagem e no desenvolvimento infantil. Rev. Humanidades, Fortaleza, v. 23, n. 2,. 176-180, jul./dez. 2008

Unesco (1994). Declaração de Salamanca e Linha de Ação Sobre Necessidades Educativas Especiais. Brasília: Corde.

Vigotsky, L.S. A (2008). Formação social da mente. SP: Martins Fonte, p. 107-124. 195

Published

2023-12-22

How to Cite

Kruger, K. E., & Momesso , M. R. (2023). Jogar, aprender e ensinar sobre sexualidade com crianças deficientes intelectuais. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 21(12), 27050–27062. https://doi.org/10.55905/oelv21n12-192

Issue

Section

Articles