Violência obstétrica e a vulnerabilidade dos homens trans diante de seus dirietos de personalidade nos serviços de saúde do Brasil

Authors

  • Anara Rebeca Ciscoto Yoshioka
  • José Sebastião de Oliveira

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv21n12-171

Keywords:

direitos da personalidade, direitos humanos e fundamentais, gênero, políticas públicas de inclusão social, violência obstétrica

Abstract

A pesquisa trata dos homens trans como sujeito passivo da violência obstétrica e objetiva analisar em que medida o homem trans pode sofrer violência obstétrica nos serviços de saúde do Brasil no século XXI. O método utilizado foi hipotético-dedutivo e a metodologia, pesquisa teórica. Constatamos que os direitos sexuais e reprodutivos como direitos da personalidade e sociai; bem como, a violência obstétrica como violação de gênero; e investigamos que forma o homem trans está sujeito a ela. Os resultados apontam que diante da transfobia e da situação de parto, os homens transexuais estão duplamente vulneráveis à violência nos serviços de saúde. 

References

ANGONESE, M.; LAGO, M. C. de S.. Direitos e saúde reprodutiva para a população de travestis e transexuais: abjeção e esterilidade simbólica. Saude soc., São Paulo , v. 26, n. 1, p. 256-270, mar/2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902017000100256&lng=pt&nrm=iso . Acesso em 11. jun. 2020.

AMARO, Mylene Manfrinato dos Reis; MORAES, Carlos Alexandre. Políticas públicas e os direitos reprodutivos por reprodução humana assistida: pela efetivação dos direitos da personalidade. Revista Direitos Sociais e Políticas Públicas (UNIFAFIBE). Bebe-douro, SP, vol. 7, n. 3, p. 33-58, set-dez/2019. Disponível em: http://dx.doi.org/10.25245/rdspp.v7i3. Acesso em: 02. jun. 2020.

BARBOZA, Heloísa Helena. Disposições do próprio corpo em face da bioética: o caso dos transexuais. In: GOZZO, Débora; LIGEIRA, Wilson Ricardo (Org.). Bioética e direitos fundamentais. São Paulo: Saraiva, 2012.

BITTAR, Carlos Alberto. Os direitos da personalidade. 8. ed. Rev. aum. e mod. por Eduardo C. B. Bittar. São Paulo: Saraiva, 2014.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2020]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 11. jun. 2020.

BRASIL. Decreto nº 4.377, de 13 de setembro de 2002. Promulga a Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher, de 1979, e revoga o Decreto no 89.460, de 20 de março de 1984. Brasília, DF, [2002]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/D4377.htm. Acesso em: 11. jun. 2020.

BRASIL. Governo Federal. Parto do Princípio- Mulheres em Rede Pela Maternidade Ativa. Violência obstétrica: "parirás com dor". Brasil, 2012. Disponível em: http://www.senado.gov.br/comissoes/documentos/SSCEPI/DOC%20VCM%20367.pdf. Acesso em: 11. jun. 2020.

BRASIL. Lei nº 9.263, de 12 de janeiro de 1996. Regula o § 7º do art. 226 da Consti-tuição Federal, que trata do planejamento familiar, estabelece penalidades e dá outras providências. Brasília, DF, Presidência da República, [2014] [s.p.]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9263.htm. Acesso em: 11. jun. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.459, de 24 de junho de 2011. Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS - a Rede Cegonha. Brasília, DF: Ministério da Saúde [2013]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1459_24_06_2011.html. Acesso em: 06. jun. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.820 de 13 de agosto de 2009. Dispõe so-bre os direitos e deveres dos usuários da saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde. Dis-ponível em: http://conselho.saude.gov.br/ultimas_noticias/2009/01_set_carta.pdf. Aces-so em: 11. jun. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Depar-tamento de Apoio à Gestão Participativa. Política Nacional de Saúde Integral de Lés-bicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2013. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_saude_lesbicas_gays.pdf. Acesso em: 06. jun. 2020.

COMISSÃO INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS (CIDH). Organiza-ção dos Estados Americanos. Violência contra pessoas LGBTI. Publicado em 12 nov. 2015. Disponível em: http://www.oas.org/pt/cidh/docs/pdf/ViolenciaPessoasLGBTI.pdf. Acesso em 08. jun. 2020.

CORRÊA, Sonia; ÁVILA, Maria Betânia Direitos sexuais e reprodutivos: pauta global e recursos brasileiros. In: BERQUÓ, Elza (org.). Sexo & vida: panorama da saúde repro-dutiva no Brasil. Campinas, SP: Unicamp, 2003.

GOMES, Romeu et al. Gênero, direitos sexuais e suas implicações na saúde. Ciênc. sa-úde colet. 23 (6) Jun. 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.04872018. Acesso em 09. jun. 2020.

HOFFKLING, Alexis; OBEDIN-MALIVER, Juno; SEVELIUS, Jae From erasure to opportunity: A qualitative study of the experiences of transgender men around pregnan-cy and recommendations for providers. BMC Pregnancy and Childbirth, 17(2) 2017;332. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5688401/. Acesso em: 11. jun. 2020.

MARQUES, Silvia Badim. Violência obstétrica no Brasil: um conceito em construção para a garantia do direito integral à saúde das mulheres. Cadernos Ibero-Americanos de Direito Sanitário. Brasília, DF, v. 9, n. 1, p. 97-119, jan./mar. 2020. Disponível em: https://www.cadernos.prodisa.fiocruz.br/index.php/cadernos/article/view/585. Acesso em: 02. jun. 2020.

MATTAR, Laura Davis; DINIZ, Carmen Simone Grilo. Hierarquias reprodutivas: ma-ternidade e desigualdades no exercício de direitos humanos pelas mulheres. Interface, Botucatu [online], 2012, vol.16, n.40, pp.107-120, Mar 06, 2012. ISSN 1414-3283. Dis-ponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832012005000001. Acesso em: 11. jun. 2020.

MOREIRA, Maria de Fátima Salum; TORRES, Taluana Laiz Martins Torres; ALMEI-DA, Danielle Berbel Leme de. Direitos reprodutivos, violência e humanização do parto: implicações em projetos para a educação e sexualidade na juventude. In: BRABO, Tânia Suely Antonelli Marcelino (org.). Mulheres, gênero e violência. Marília, SP: Oficina Universitária; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2015, parte 2, capítulo 5. Disponível em: https://www.marilia.unesp.br/Home/Publicacoes/mulheres-genero_ebook.pdf. Acesso em: 07. jun. 2020.

NASCIMENTO, Letícia Carolina Pereira do. Transfeminismo. São Paulo: Jandaíra, 2021.

OLIVEIRA, Luaralica Gomes Souto Maior de; ALBUQUERQUE, Aline; Violência obstétrica e direitos humanos dos pacientes. Revista CEJ, Brasília, ano XXII, n. 75, p. 36-50, maio/ago. 2018. Disponível em: http://www.mpsp.mp.br/portal/page/portal/documentacao_e_divulgacao/doc_biblioteca/bibli_servicos_produtos/bibli_boletim/bibli_bol_2006/Rev-CEJ_n.75.03.pdf. Acesso em: 11. jun. 2020

PEREIRA, Rodrigo da Cunha. Para além do binarismo: transexualidades, homoafetivi-dades e intersexualidades. In: DIAS, Maria Berenice (coord.); BARRETTO, Fernanda Carvalho Leão. Intersexo. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2018.

PIOVESAN, Flávia. KAMIMURA, Akemi. Proteção internacional à diversidade sexual e combate à violência e discriminação baseadas a orientação sexual e identidade de gê-nero. Anuario de Derecho Público Udp, p.173-190, 2017.

PRINCÍPIOS DE YOGYAKARTA. Princípios sobre a aplicação da legislação inter-nacional de direitos humanos em relação à orientação sexual e identidade de gênero. Yogyakarta, Indonésia, 2007 Disponível em: http://www.clam.org.br/uploads/conteudo/principios_de_yogyakarta.pdf. Acesso em 07. jun. 2020.

RIOS, Roger Raupp. Para um direito democrático da sexualidade. Horizontes Antro-pológicos, Porto Alegre, a. 12, n. 26, p. 71-100, jul./dez. 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ha/v12n26/a04v1226.pdf. Acesso em: 11 jun. 2020.

RODRIGUEZ, Ana María Mújica. Experiências de atenção à saúde e percepções das pessoas transgênero, transexuais e travestis sobre os serviços públicos de saúde em Florianópolis/SC, 2013-2014. 2014. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) – Uni-versidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014.

SCHEREIBER, Anderson. Direitos da personalidade. 3. ed. rev. atual. São Paulo: Atlas, 2014, livro digital.

SENADO FEDERAL. Direitos humanos: atos internacionais e normas correlatas. 4. ed. Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2013. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/508144/000992124.pdf?sequence=1. Acesso em: 11. jun. 2020.

SILVA, Diogo Sousa. “Existe uma barreira que faz com que as pessoas trans não cheguem lá”: Itinerários terapêuticos, necessidades e demandas de saúde de homens trans no município de Salvador – BA. Salvador-BA, 2017. Dissertação (Mestrado em Saúde Comunitária) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2017.

TEPEDINO, Gustavo. A Tutela da Personalidade no Ordenamento Civil-constitucional Brasileiro. In: TEPEDINO, Gustavo. Temas de direito civil. 3. ed. Rio de Janeiro: Re-novar, 2004.

UNITED NATIONS. Ending violence and other human rights violations based on sexual orientation and gender identity: A joint dialogue of the African Commission on Human and Peoples’ Rights, Inter-American Commission on Human Rights and United Nations. Pretoria, South Africa: Pretoria University Law Press, 2016. Disponível em: https://www.ohchr.org/Documents/Issues/Discrimination/Endingviolence_ACHPR_IACHR_UN_SOGI_dialogue_EN.pdf. Acesso em: 08. jun. 2020.

UNFPA BRAZIL. Relatório da Conferência Internacional sobre População e De-senvolvimento (Conferência do Cairo). Publicado em 02 de janeiro de 2007. Disponí-vel em: https://brazil.unfpa.org/pt-br/publications/relat%C3%B3rio-da-confer%C3%AAncia-internacional-sobre-popula%C3%A7%C3%A3o-e-desenvolvimento-confer%C3%AAncia-do. Acesso em: 01. jun. 2020.

ZANARDO, Gabriela Lemos de Pinho et al. Violência obstétrica no brasil: uma revisão narrativa. Psicologia & Sociedade [online]. 2017, vol.29, e155043. 10 julho. 2017. ISSN 1807-0310. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1807-0310/2017v29155043. Acesso em: 06. jun. 2020.

Published

2023-12-19

How to Cite

Yoshioka, A. R. C., & de Oliveira, J. S. (2023). Violência obstétrica e a vulnerabilidade dos homens trans diante de seus dirietos de personalidade nos serviços de saúde do Brasil. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 21(12), 26626–26655. https://doi.org/10.55905/oelv21n12-171

Issue

Section

Articles