Uso público e educação ambiental em praias Capixabas

Authors

  • Tchesley Lyrio Queiroz
  • Bruno de Lima Preto

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv21n12-146

Keywords:

educação ambiental, praias, turismo sustentável

Abstract

Os ecossistemas costeiros e marinhos são imprescindíveis para a vida humana, fornecendo serviços essenciais como alimentos, regulação do clima e purificação da água. Entretanto, esses ecossistemas enfrentam impactos antrópicos, resultantes de ações nos três setores econômicos, além da urbanização direta e do turismo desordenado nas regiões de praia e da intensificação das mudanças climáticas. A sensibilização e educação ambiental para os frequentadores das praias surgem como uma contribuição para a conservação desses ecossistemas. O litoral do Espírito Santo é extenso, contendo diversos tipos de praias e ecossistemas costeiros, sendo um destino turístico relevante. O crescimento econômico do turismo na região é notável, proporcionando aumento da receita econômica nos diversos setores. Diante disso, a pesquisa se concentra em avaliar a opinião pública dos frequentadores das praias capixabas sobre a Educação Ambiental, usando uma enquete divulgada em redes sociais. A enquete foi composta pela caracterização do respondente e da verificação do conhecimento das praias, da compreensão sobre Educação Ambiental e da participação em atividades relacionadas. A maioria dos participantes compreende a importância da Educação Ambiental e acredita que ela induz mudanças comportamentais. O estudo aborda também a relevância da sensibilização ambiental para diminuir os impactos negativos nas praias e ecossistemas costeiros e a necessidade de políticas públicas para um turismo sustentável.

References

BARCELOS, Viviann. ES tem quase 4 milhões de moradores, aponta prévia do Censo. 2023. Disponível em: https://g1.globo.com/es/espirito- santo/noticia/2022/12/28/previa-do-censo-2022.ghtml.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016. Regulamenta a pesquisa em Ciências Humanas e Sociais. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 25 abr. 2016. Seção 1, p. 44.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Biodiversidade e Florestas/Gerência de Biodiversidade Aquática e Recursos Pesqueiros. Panorama da Conservação dos Ecossistemas Costeiros e Marinhos no Brasil. Brasília, 2010. 148 p. Disponível em: http://www.pbmc.coppe.ufrj.br/documentos/publicos/panorama- conservacao/205_publicacao19082011110947.pdf.

CORREIA, Monica Dorigo; SOVIERZOSKI, Hilda Helena. Ecossistemas Marinhos: recifes, praias e manguezais. Maceió: Edufal, 2005. 55 p. Disponível em: https://daffy.ufs.br/uploads/page_attach/path/9358/ciencias2.pdf.

ESPÍRITO SANTO. SECRETARIA DE TURISMO. O Espírito Santo é a nossa praia. 2018. Disponível em: https://setur.es.gov.br/Media/Setur/Setur/Releases/Release%20Sol%20e%20Praia.p df.

ESPÍRITO SANTO. SECRETARIA DE TURISMO. Setur e IJSN divulgam

resultados da pesquisa Carnaval 2023 e Boletim da Economia do Turismo. 2023. Disponível em: https://observatoriodoturismo.es.gov.br/Not%C3%ADcia/setur-e-ijsn- divulgam-resultados-da-pesquisa-carnaval-2023-e-boletim-da-economia-do-turismo.

FREITAS, Idiamara Nascimento de. Projeto Geoparque Seridó: um estudo das práticas turísticas como propulsor para o desenvolvimento local. Dissertação (Mestrado em Turismo, linha de pesquisa: Turismo e Desenvolvimento Regional) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Programa de Pós-Graduação em Turismo – PPGTUR, Natal, 2019. Disponível em: https://repositorio.ufrn.br/bitstream/123456789/27673/1/ProjetoGeoparqueSerid%c3

%b3_Freitas_2019.pdf

GAMA, José Vitor Santos et al. Turismo e educação ambiental no Brasil: um olhar sustentável. Anais do VII Congresso Nacional de Educação – CONEDU, Maceió, 2020. Disponível em: https://editorarealize.com.br/editora/anais/conedu/2020/TRABALHO_EV140_MD4_S A14_ID365_13092020182323.pdf

GUIMARÃES, M. A formação de educadores ambientais. Campinas: Papirus, 2004. Disponível em: https://books.google.com.br/books?id=0qB7szoSm8YC&printsec=frontcover&hl=pt- BR&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q=complexa&f=false.

PRAIA. In: Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. Curitiba: Positivo Soluções Didáticas Ltda, 2010.

SÃO PAULO. APAM LITORAL CENTRO. Meio Biótico: diagnóstico técnico. São Paulo: Sistema Integrado de Gestão Ambiental, 2018. 33 p. Disponível em: https://sigam.ambiente.sp.gov.br/sigam3/Repositorio/511/Documentos/APAM_LC/A PAMLC_Praias.pdf.

SILVA, Adriana Sara da; DUTRA, Karina Aparecida Araujo; MAIA, Rafaela Camargo. Percepção e educação ambiental com os usuários da praia de Arpoeiras, Acaraú (CE). Revista Brasileira de Educação Ambiental (RevBEA), São Paulo, v. 16, n. 3,

p. 101-116, 2021. Disponível em: https://periodicos.unifesp.br/index.php/revbea/article/view/10746/8542

SILVA, Keli Fernanda Pires da; NOVELLO, Tanise Paula. A educação ambiental no ecoturismo: uma estratégia para a valorização local e o despertar do sentimento de pertencimento ambiental. Revista Even. Pedagóg., Sinop, v. 12, n. 2 (31. ed.), p. 482-502, ago./dez. 2021. Disponível em: https://periodicos.unemat.br/index.php/reps/article/view/10359/7171

Published

2023-12-18

How to Cite

Queiroz, T. L., & Preto, B. de L. (2023). Uso público e educação ambiental em praias Capixabas. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 21(12), 26176–26188. https://doi.org/10.55905/oelv21n12-146

Issue

Section

Articles

Most read articles by the same author(s)