Efeito de diferentes níveis de salinidade da água sobre a sobrevivência de larvas de Macrobrachium olfersii

Authors

  • Naianni de Sillis Rezende
  • Nilo da Silva Nunes Pirovani
  • Bruno de Lima Preto

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv21n12-145

Keywords:

camarão-de-água-doce, desenvolvimento larval, migração

Abstract

A espécie Macrobrachium olfersii é considerada anfídroma por migrar da água doce para água salobra durante o processo de reprodução, assim como outras do gênero Macrobrachium. As larvas dessa espécie são naturalmente submetidas a diferentes salinidades de água, a depender do local onde as fêmeas ovígeras se encontram no momento da eclosão dos ovos e do regime hídrico natural. Em vista disso, o objetivo do trabalho foi verificar o efeito da salinidade da água sobre a sobrevivência de larvas de M. olfersii. Duzentas larvas de M. olfersii recém eclodidas foram alocadas individualmente em tubos de ensaio (40 mL), preenchidos com 20 mL de água nas concentrações salinas de 0, 5, 10 e 20 g.L-1. O experimento foi realizado em 10 dias. A avaliação da  sobrevivência se deu, diariamente, por análise macroscópica, a partir da observação de movimento e coloração das larvas e, quando inconclusiva, foi realizada com o auxílio de estereomicroscópio. Indivíduos submetidos ao tratamento com salinidade de 0 g.L-1 tiveram a morte total entre 3 e 4 dias; os submetidos à salinidade de 5 g.L- 1 tiveram morte total entre 8 e 9 dias; os submetidos à salinidade de 10 g.L-1 tiveram morte total entre 9 e 10 dias; e os mantidos em salinidade de 20 g.L-1 tiveram morte total entre 8 e 9 dias. Apesar de terem apresentado morte total no mesmo intervalo de tempo, larvas submetidas aos tratamentos de 5 e 20 g.L-1 tiveram 50% da  mortalidade populacional observada entre 5-6 dias e 7-8 dias, respectivamente. Portanto, há relação entre a sobrevivência de larvas de M. olfersii e o tempo em que são expostas à diferentes salinidades. Larvas de M. olfersii recém-eclodidas sobrevivem entre 3 a 4 dias em salinidade de 0 g.L-1 e apresentam maior sobrevivência em água salobra, principalmente quando expostas a salinidade de 10 g.L-1.

References

ALMEIDA, Eduardo Vianna de et al. Efeito de inanição nos primeiros estádios larvais dos camarões de água doce Macrobrachium acanthurus e Macrobrachium olfersii (Crustacea: Decapoda: Palaemonidae), em laboratório. Semioses, [S.L.], v. 11, n. 2, p. 48-57, out. 2017. Sociedade Unificada de Ensino Augusto Motta -UNISUAM. http://dx.doi.org/10.15202/1981996x.2017v11n2p48.

BAUER, Raymond T. Amphidromy and migrations of freshwater shrimps. II. Delivery of hatching larvae to the sea, return juvenile upstream migration, and human impacts. New Frontiers In Crustacean Biology, [S.L.], p. 157-168, 1 jan. 2011. BRILL. http://dx.doi.org/10.1163/ej.9789004174252.i-354.115.

BOND-BUCKUP, Georgina; BUCKUP, Ludwig. Os Palaemonidae de águas continentais do Brasil Meridional (Crustacea, Decapoda). Rev. Brasil. Bio, Rio de Janeiro, v. 4, n. 49, p. 883-896, nov. 1989.

BOWLES, D. E.; AZIZ, K.; KNIGHT, C. L. Macrobrachium (Decapoda: Caridea: Palaemonidae) in the contiguous United States: a review of the species and an assessment of threats to their survival. Journal of Crustacean Biology, v. 20, n. 1, p. 158–171, 2000

BRUSCA, R.C., G.J. BRUSCA. Invertebrados. 2ª edição. Editora Guanabara- Koogan, Rio de Janeiro. 968 p. 2007.

COELHO, P. A., M. R. PORTO, C. M. A. SOARES. Biologia e cultivo de camarões de água doce. Série Aquicultura, (1), Recife, PE: UFPE. 58 p. 1982.

COOPER, Richard K.; HEINEN, John M. A starvation test to determine optimal salinities for larval freshwater prawns, Macrobrachium rosenbergii. Comparative Biochemistry and Physiology Part A: Physiology, v. 100, n. 3, p. 537-542, 1991.

DE GRAVE, Sammy et al. A Classification of living and fossil genera of decapod crustaceans. Raffles Bulletin Ff Zoology, Singapura, v. 21, p. 1-109, set. 2009.

ESPÍRITO SANTO. Decreto nº 1.499-R, de 13 de junho de 2005. Declara as espécies da fauna e flora silvestres ameaçadas de extinção no Estado do Espírito Santo, e dá outras providências. Vitória, ES, 2005.

ESPÍRITO SANTO. IEMA. Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos. Espécies ameaçadas de extinção no Espírito Santo. Disponível em: https://iema.es.gov.br/especies-ameacadas/fauna_ameacada. 2020.

FALEIROS, Rogério Oliveira. Osmorregulação em camarões Palaemonidae (Decapoda, Caridea): uma abordagem molecular e bioquímica. 2011. 114 f. Tese (Doutorado) - Curso de Biologia Comparada, Departamento de Biologia, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2011.

FAUSTINI, Rodrigo Guéron. Salinidade da água afeta a sobrevivência de larvas de Macrobrachium acanthurus. 2016. 24 f. TCC (Graduação) - Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas, Ifes, Alegre, 2016.

FRANSOZO, Adilson. Zoologia dos Invertebrados. Rio de Janeiro: Roca, 2018.

GARCÍA-VELAZCO, Humberto et al. Evidence of oceanic dispersal of a disjunctly distributed amphidromous shrimp in Western North America: first record of Macrobrachium occidentale from the baja California peninsula. Journal Of Crustacean Biology, [S.L.], v. 34, n. 2, p. 199-215, 1 jan. 2014. Oxford University Press (OUP). http://dx.doi.org/10.1163/1937240x-00002217.

HILL, R.W.; WYSE, G.A.; ANDERSON, M. Fisiologia Animal. Porto Alegre: Artmed, 2012.

MARTIN, J.W.; DAVI, G.E. Uma classificação atualizada da recente Crustácea. Science Series (Los Angeles), 39. Museu de História Natural do Condado de Los Angeles: Los Angeles. VII, 123 p. 2001.

MCNAMARA, John Campbell. The time course of osmotic regulation in the freshwater shrimp Macrobrachium olfersii (Wiegmann) (Decapoda, Palaemonidade). Journal Of Experimental Marine Biology and Ecology, v. 107, n. 3, p. 245-251, 1987

MELO, Gustavo Augusto Schmidt de. Famílias Atyidae, Palaemonidae e Sergestidae, p. 289-415. In: G.A.S. MELO (Ed.). Manual de identificação dos Crustacea Decapoda de água doce do Brasil. São Paulo, Editora Loyola, 430p. 2003.

MELO, Sonia Graça; BROSSI-GARCIA, Ana Luiza. Desenvolvimento larval de Macrobrachium birai Lobão, Melo & Fernandes (Crustacea, ustacea, Decapoda, Caridea, Palaemonidae) em labor Palaemonidae) em laboratório. Revista Brasileira de Zoologia, [s. l], v. 23, n. 1, p. 131-152, mar. 2005.

MOYSES, C.D.; SCHULTE, P.M. Princípios de Fisiologia Animal. Porto Alegre: Artmed, 2010.

NAZARI, E. M. et al. Comparisons of fecundity, egg size, and egg mass volume of the freshwater prawns Macrobrachium potiuna and Macrobrachium olfersi (Decapoda, Palaemonidae). Journal Of Crustacean Biology, [S.L.], v. 23, n. 4, p. 862-868, 1 jan. 2003. Oxford University Press (OUP). http://dx.doi.org/10.1651/c-

NEW, M. B., SINGHOLKA, S. Freshwater prawn farming. A manual for the culture of Macrobrachium rosenbergii. FAO Fishery Technical Paper .118p. 1982.

OLIVEIRA, Ederson Dias de. Geometria Hidráulica: algumas considerações teóricas e práticas. Sociedade e Território, Natal, v. 24, n. 1, p. 166-184, jan. 2012.

Published

2023-12-18

How to Cite

Rezende, N. de S., Pirovani, N. da S. N., & Preto, B. de L. (2023). Efeito de diferentes níveis de salinidade da água sobre a sobrevivência de larvas de Macrobrachium olfersii. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 21(12), 26163–26175. https://doi.org/10.55905/oelv21n12-145

Issue

Section

Articles

Most read articles by the same author(s)