Cinema e ensino de matemática: “o homem que viu o infinito” e suas possibilidades para o ensino de matemática em uma escola da rede pública de Macapá-Amapá

Authors

  • Íris Costa da Silva
  • Claudionor de Oliveira Pastana
  • Breno Marques da Silva e Silva
  • Antonio Marcos de Jesus de Souza Pereira
  • Gerlany de Fátima dos Santos Pereira

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv21n12-135

Keywords:

história da matemática, objetos matemáticos, srinivasa ramanujan

Abstract

Este estudo teve por questão norteadora, quais possibilidades o filme “O homem que viu o infinito” pode trazer ao ensino de Matemática?  Assim, seu objetivo geral foi compreender as possibilidades que o filme “O homem que viu o infinito” apresenta para o ensino de Matemática. E seus objetivos específicos: identificar no filme em questão aspectos relativos à história da Matemática, mediados pelo Cinema; averiguar no filme, aspectos concernentes à Filosofia da Matemática; apresentar as contribuições da matemática incompreendida do “gênio invisível” para a Matemática moderna. Para tanto, se fez uso da abordagem qualitativa, nos termos de Minayo (2012). O lócus do estudo foi a Escola Estadual General Azevedo Costa, com os alunos de uma turma de 1º ano do Ensino Médio, no contexto de uma disciplina eletiva ministrada para esses discentes. No decorrer da disciplina, são escolhidos filmes para abordar inúmeros aspectos presentes nas narrativas cinematográficas, visando a exploração de questões relacionadas ao ensino e à história da Matemática, a saber: 1) o contexto histórico que o filme “O homem que viu o infinito” aborda, tratando das relações de colônia e metrópole (trabalhamos em uma perspectiva da decolonialidade); 2) o contexto histórico que trata das questões de guerras (períodos em que grandes gênios da matemática e das ciências “eclodem”, visto que sempre revelam-se grandes avanços nos conhecimentos científicos em períodos de guerra); 3) compreensão dos conhecimentos matemáticos que podem ser abordados a partir do filme em questão (função modular) e, por fim, a compreensão do objeto de estudo da matemáticas, a partir de uma visão filosófica, por fim, fazer breves considerações sobre a BNCC e as suas competências para a área da Matemática. Os resultados evidenciaram que a partir da narrativa trazida no filme quando em analogia com a realidade, denota-se que são necessárias práticas inovadoras para a compreensão de novas formas de aprender e ensinar, a fim de se desconstruir técnicas e métodos de ensino que sejam categoricamente trabalhados há anos. 

References

ANDRADE, D. Números Primos e Números de Mersenne. Jornal Eletrônico de Ensino e Pesquisa de Matemática. (1s.) v. 21, p 81–89. 2018. Jeepema–ISSN-2594-6323. www.dma.uem.br/kit/jeepema

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2018.

CORONIL, F. Natureza do pós-colonialismo: do eurocentrismo ao globocentrismo. In: LANDER, Edgardo. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais - perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, p. 107-130, 2005.

CHAVES, A. P. O Homem que viu o infinito: Realidade, Ficção e a Matemática de Srinivasa Ramanujan. 2015. Disponível em: CINIME_-_O_Homem_que_viu_o_Infinito.pdf (ufg.br)

FERREIRA, M. J. A.; ALENCAR, A. C.; PAULO, R. M. A filosofia da matemática compreendida a partir do filme “o homem que viu o infinito”. 2017. In: Anais... VIII CONGRESO IBEROAMERICANO DE EDUCACIÓN MATEMÁTICA. LIBRO DE ACTAS. ISBN 978-84-945722-3-4.

GROSFOGUEL, Ramón. La opción decolonial: desprendimiento y apertura. Um manifiesto y un caso. Tabula Rasa, n. 8, p. 243-282, 2008.

HARDY, G. H.; WRIGHT, E. A Mathematician's Apology. Cambridge paperbacks: Mathematics Canto (Cambridge University Press), pp 153, 1992.

HUSSERL, E. Meditações Cartesianas e Conferências de Paris: de acordo com o texto de Husserliana I/Edmud Husserl; editado por Stephan Strasser; Traduçao Pedro M. S. Alves. 1 ed. Rio de Janeiro: Forense, 2013.

KANIGEL, R. The Man Who Knew Infinity. Charles Scribner's Sons, pp 438 (1991).

MACHADO, T. Casos, acasos e livros. O homem que viu o infinito: uma história que merece ser contada. 2017. Disponível em: O Homem Que Viu O Infinito: Uma história que merece ser contada - Casos Acasos e Livros

MINAYO, M. C. de S. Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade Ciênc. saúde coletiva. v. 17, n. 3. 2012. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-81232012000300007

MOL, R. S. Introdução à história da matemática. Belo Horizonte: CAED-UFMG, 2013. 138 p.

RAMANUJAN, S. Collected Papers of Srinivasa Ramanujan. v. 159 of AMS Chelsea Publishing Series, pp 426, 2000.

STABEL, E. C. A fórmula de Hardy-Ramanujan-Rademacher das partições de um inteiro positivo. Dissertação [Mestrado]. Porto Alegre, 7 de Março de 2007.

SUESS, R. C.; SILVA, A. de S. A perspectiva decolonial e a (re)leitura dos conceitos geográficos no ensino de geografia. 2019. Disponível em: DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236499435469

WALSH, C. Interculturalidad y (de)colonialidad: Perspectivas críticas y políticas. Visão Global, Joaçaba, v. 15, n. 1-2, p. 61-74, jan./dez. 2012.

VITAGLIANO, L. F. A história de um jovem indiano que mudou a matemática. 2019. Disponível em: A história de um jovem indiano que mudou a matemática - Fundação Perseu Abramo (fpabramo.org.br)

Published

2023-12-15

How to Cite

da Silva, Íris C., Pastana, C. de O., e Silva, B. M. da S., Pereira, A. M. de J. de S., & Pereira, G. de F. dos S. (2023). Cinema e ensino de matemática: “o homem que viu o infinito” e suas possibilidades para o ensino de matemática em uma escola da rede pública de Macapá-Amapá. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 21(12), 25953–25976. https://doi.org/10.55905/oelv21n12-135

Issue

Section

Articles

Most read articles by the same author(s)