A comunicação, saúde e educação: um diálogo necessário por meio do ambiente radiofónico

Authors

  • Ieda Cristina Borges

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv21n12-107

Keywords:

comunicação, saúde, educação, mídia, rádio educativa

Abstract

Um dos pilares do Sistema de Saúde Brasileiro diz respeito à participação social em todas as esferas de sua organização (municipal, regional, estadual e nacional). Neste contexto, o trabalho apresenta uma reflexão sobre o papel dos meios de comunicação de massa (MCM), diante de suas possibilidades de promoverem a educação e a saúde de grandes populações. Pretende-se, por meio do estudo de caso, identificar o papel potencial das rádios educativas como ambiente cultural e midiático para aproximar as comunidades adstritas ao Sistema de Saúde. O universo da pesquisa ocorre no contexto regional paulista, na cidade de Adamantina, tendo como objeto a emissora educativa Cultura FM 99,3 MHz. Conhecer as experiências integradoras da comunicação com ações educativas voltadas ao desenvolvimento da cidadania potencializa o intercâmbio de ações conjuntas nas áreas envolvidas.

References

BELTRÃO, L. & QUIRINO, N. O. (1986) Subsídios para uma Teoria da Comunicação de Massa. São Paulo: Summus.

BELTRAN, L. R. La importância de la comunicación em la promoción de la salud. In: ESPTEIN, Isaac et al. Mídia e Saúde. Adamantina/SP, Unesco/Umesp/FAI, 2001, p. 355 – 368.

PENTEADO, R.Z, GIANNINI, S. P.P & BERLAMINO, C.G. (2002). A campanha da voz em dois jornais brasileiros de grande circulação. Saúde e Sociedade. São Paulo. v. 11, nº 2, p. 49-64, ago.dez.

BLOIS, M. M. (2003). Rádio Educativo no Brasil. Uma História em Construção. In: XXVI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Belo Horizonte/MG, 2 a 6 set. 2003. Anais eletrônicos... Belo Horizonte. Disponível em: <http://intercom.org.br/papers/nacionais/2003/www/pdf/2003_NP06_blois.pdf>. Acesso em: 31 mai. 2009.

BORDENAVE, J. E. D. (1986). Além dos meios e mensagens: introdução à comunicação como processo, tecnologia, sistema e ciência. 3 ed. Petrópolis/RJ: Vozes.

BORGES, C. C & JAPUR, M. (2005). Promover e recuperar saúde: sentidos produzidos em grupos comunitários no contexto do Programa de Saúde da Família. Interface – comunicação, saúde, educação. Botucatu/SP. v. 9, nº 8, p. 507-518, set. dez.

BRASIL (2001 a). Promoção da Saúde: Declaração de Alma-Ata, Carta de Ottawa, Declaração de Adelaide, Declaração de Sundsvall, Declaração de Santa Fé de Bogotá, Declaração de Jacarta, Rede de Megapaíses e Declaração do México. Brasília: Ministério da Saúde.

______ (2001 b). Constituição da República Federativa do Brasil: atualizada até a emenda constitucional n 32. OLIVEIRA, Dulce Eugênia (org.). 3 ed. São Paulo: Iglu.

BULIK, L. (2001). Comunicação e teatro. São Paulo: Arte & Ciência.

CAJUEIRO SANTOS, T. (2006). Teoria da comunicação e suas interfaces com o corpo e cultura. Comunicação Midiática. Bauru/SP. nº 6, p. 113-126, dez.

CASTRO, D; MARQUES DE MELO, J. & CASTRO, C. (Orgs.) (2010. Panorama da comunicação e das telecomunicações no Brasil. Brasília: Ipea, v. 3.

DONATO, A. F. & GOMES, .A. Z. (2010). O estudo da comunicação na formação dos profissionais de saúde: algumas questões e aproximações. Boletim do Instituto de Saúde – BIS. Comunicação e Saúde. v. 12. nº 1, p. 37- 43. abr.

FERREIRA, G. M. (2001). As origens recentes: os meios de comunicação de massa pelo viés do paradigma da sociedade de massa. In: HOHLFELDT, Antonio et al. Teorias da Comunicação de Massa: conceitos, escolas e tendências, Petropolis/ RJ: Vozes, p. 99 - 116.

FREIRE, P. (2002). Extensão ou Comunicação? 12 ed. São Paulo: Paz e Terra.

GEERTZ, C. (1989). A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

GOMES, A. L. Z. (2007). Na boca do rádio – o radialista e as políticas públicas. São Paulo: Aderaldo & Rothschild: Oboré.

KAPLÚN, M. (1978). Producción de Programas de Radio. El guión. La realización. Quito:

CIESPAL, Colección Initiyán.

MARQUES DE MELO, J. (2005). Grupo Comunicacional de São Bernardo: o diálogo interdisciplinar como estratégia para corresponder às demandas sociais. In: MARQUES DE

MELO (org) et al. Anais da VI Conferência Brasileira de Comunicação e Saúde: Mídia, Mediação e Medicalização. 2004, Salvador/BA. Brasilia: Agência Nacional de Vigilância Sanitária, 2005, p. IX – XI.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (2001). Promoção da saúde, Brasilia.

OROZCO, G. (1997). La investigación de la comunicación dentro y fuera de America Latina: tendencias, perspectivas y desafios del estudio de los medios. La Plata: Univ. Nacional del Plata.

PERUZZO, C. M. K. (2005). Mídia regional e local: aspectos conceituais e tendências. Comunicação & Sociedade. Universidade Metodista de São Paulo, n. 43, 1º sem. São Bernardo do Campo/SP.

ROSEN, G. (1994). Uma história da saúde pública. Trad. Marcos Fernandes da Silva Moreira. 2 ed. 1994. São Paulo: Hucitec: Editora da Universidade Estadual Paulista: Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Pós-Graduação em saúde Coletiva.

SOARES, I. O (2006).. Educom.rádio, na trilha de Mário Kaplún. In: Educomídia, alavanca da cidadania: o legado utópico de Mário Kaplún. MARQUES DE MELO, José (org) et al. São Bernardo do Campo, SP: Cátedra UNESCO: Universidade Metodista de São Paulo, p. 167 - 188.

VICTORIA, C. G. et al.(2011). Condições de saúde e inovações nas políticas de saúde no Brasil: o caminho a percorrer. Revista Lancet - Saúde no Brasil. Nova York, USA, p. 90 – 102. mai. 2011.

Published

2023-12-13

How to Cite

Borges, I. C. (2023). A comunicação, saúde e educação: um diálogo necessário por meio do ambiente radiofónico. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 21(12), 25427–25442. https://doi.org/10.55905/oelv21n12-107

Issue

Section

Articles