Características sociodemográficas e clínicas de mulheres com câncer do colo do útero: revisão de literatura

Authors

  • Francisleia Falcão França Santos Siqueira
  • Hálmisson D’Árley Santos Siqueira
  • Daniela Ferreira Santos
  • Sara Silva Santos
  • Ingrid Rocha Nascimento
  • Larissa Barros Nascimento Calderon
  • Natália Mendes Paes Landim
  • Bruna Melo Barbosa
  • Grazielly da Silva Araújo
  • Karlla Patrícia Cavalcante Machado
  • Layse Moraes Mazetto
  • Bruno de Almeida Nunes
  • Emmanueli Iracema Farah
  • Keylla da Conceição Machado

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv22n1-028

Keywords:

mulheres, perfil epidemiológico, câncer do colo do útero

Abstract

O câncer do colo do útero é um dos tipos de câncer mais frequente na população feminina. A Organização Mundial da Saúde (OMS), estima que, em 2030, o número de casos novos chegará a 21,4 milhões, atingindo cerca de 13,2 milhões de óbitos.        A alta mortalidade apresentada pelo câncer de colo uterino pode ser atribuída a fatores importantes como: baixa cobertura pelo exame citopatológico, descontinuidade do seguimento após o diagnóstico precoce de lesões precursoras, qualidade dos exames citopatológicos e limitações existentes no Sistema de Informação do Câncer do Colo do Útero. Dessa forma, o objetivo dessa pesquisa é realizar uma análise, por meio da literatura, das principais características sociodemográficas e clínicas de mulheres com câncer do colo do útero. METODOLOGIA. Trata-se de uma revisão integrativa da literatura indexada nas bases de dados PubMed da National Library of  Medicine e a Biblioteca Virtual da Saúde (BVS), Biblioteca Regional de Medicina (BIREME), Medline e LILACS norteada pelos descritores  (Mulheres; Saúde da mulher; Perfil de saúde; Neoplasias do colo do útero) ou termos alternativos (Saúde feminina; Perfil epidemiológico; Câncer do colo do útero; Câncer de colo uterino) na estratégia de busca foi “AND”. Os critérios de inclusão adotados foram artigos originais completos publicados entre 2018 e 2023 nos idiomas português e inglês. Foram excluídos da busca inicial capítulos de livros, resumos, textos incompletos, teses, dissertações, monografias, relatos técnicos, estudos de revisão e outras formas de publicação que não fossem artigos científicos completos. RESULTADOS. Foram incluídos 09 artigos nesta revisão, todos apresentaram estudos descritivos transversais (100%); em que seis concentraram-se no ano de 2023 (66,7%). Os estudos também foram organizados conforme título, autor/ano, objetivo geral, população amostral e principais resultados, como demonstrado. Com relação às variáveis sociodemográficas, houve predomínio da faixa etária de 40 a 59 anos, com 66,7% dos casos. No que concerne à cor/raça, a maioria das pacientes eram pardas (66,7%). No que diz respeito à escolaridade, preponderou o ensino fundamental incompleto, com 55,6% das entrevistadas.Quanto ao estado civil, predominaram as casadas ou em união estável, com 44,4% das entrevistadas; quanto ao número de filhos, 55,6% das mulheres possuíam  entre um e três filhos.No tocante à coitarca, alguns estudos apontaram que 44,4% das mulheres tiveram sua primeira relação sexual a partir dos quinze anos de idade. DISCUSSÃO. É destacável que variáveis sociodemográficas, da vida sexual, da saúde e clínicas como a procedência, moradia, profissão, renda familiar, religião, prática de atividade física, número de abortos, idade do primeiro parto, frequência do exame preventivo antes e depois do diagnóstico de CCU, juntamente, com o baixo nível de instrução, ou mesmo a sua ausência, dificultam a compreensão e a adoção das medidas educativas no combate ao câncer. A educação configura-se estratégia fundamental, mesmo produzindo resultados em médio e longo prazo, e que precisa ser constantemente utilizada para se reduzir as desigualdades sociais e, nesse particular, as taxas de mortalidade pelo câncer do colo do útero. CONCLUSÃO. Destaca-se a importância de futuras pesquisas para entender melhor a relação entre fatores sociodemográficos e o câncer do colo do útero, bem como desenvolver intervenções de prevenção e tratamento mais eficazes para desenvolver intervenções de suporte mais eficazes.

References

AGGARWAL, P. (2014). Cervical cancer: Can it be prevented? World Journal of Clinical Oncology, 5(4), 775-780.

ALEIXO, S. B., PULIDO, J. Z., & SOGAME, L. C. (2023). Câncer Cervical no Brasil: desafios do sistema público. Revista Observatorio de La Economía Latinoamericana, 21(10), 17697-17710. DOI: 10.55905/oelv21n10-171

ALMEIDA, A. P. F.; ASSIS, M. M. Efeitos colaterais e alterações fisiológicas relacionadas ao uso de contínuo de anticoncepcionais hormonais orais. Rev. eletrônica Atualiza Saúde, Salvador, v. 5, n. 5, p. 85-93, jan/jun., 2017

ARAÚJO, T. C. F., BEZERRA, K. K. S., ALMEIDA, J. S., & SARDINHA, A. H. L. (2023). Perfil sociodemográfico de mulheres com câncer de colo do útero: avaliação da qualidade de vida. Revista Baiana de Saúde Pública, 47(1), 227-243. DOI: 10.22278/2318-2660.2023.v47.n1.a3852

BARASUOL, M. E. C.; SCHIMIDT, D. B. Cervical cancer and its risk factors: integrative review. Rev. Saúde e Desenvolvimento.,v. 6, n. 3, p. 139-153, jul/dez., 2014.

BRUCKER SY, ULRICH UA. Surgical treatment of early-stage cervical cancer. Oncol Res Treat. 2016;39(9):508-14. DOI: http://dx.doi.org/10.1159/000448794

CASTANEDA, A. B., PINHEIRO, C. M., & CORRÊA, D. S. (2019). Investigação qualitativa e transformação da saúde coletiva. SciELO - Saúde Pública, 24(5), 1582-1582. DOI: 10.1590/1413-81232018245.05962019

CONDE, C. R., LEMOS, T. M. R., & FERREIRA, M. L. S. M. (2018). Características sociodemográficas, individuais e programáticas de mulheres com câncer de colo do útero. Enfermería Global, 49, 17697-17710. DOI: 10.6018/eglobal.17.1.301041

COSGROVE CM, SALANI R. Ovarian effects of radiation and cytotoxic chemotherapy damage. Best Pract Res Clin Obstet Gynaecol. 2019;55:37- 48. DOI:https://doi.org/10.1016/j.bpobgyn.2018.07.008

CUNHA, A. B., PINHEIRO, C. M., & CORRÊA, D. S. (2019). Detecção precoce e prevenção do câncer de mama: conhecimentos, atitudes e práticas de profissionais da Estratégia Saúde da Família de cidade de porte médio de MG, Brasil. Revista de Saúde Pública, 31(3), e31030394.

DAHIYA, A., et al. (2016). High mortality due to cervical cancer in India: A call for action. Cancer Epidemiology, 44, 112-118.

DALLA LIBERA, L. S. et al. Human Papillomavirus infection evaluation in cytopathological exams.RBAC, Goiânia, v.48, n.2, p. 138-143, 2016.

FERDOUS J, ISLAM S, MARZEN T. Attitude and practice of cervical cancer screening among the women of Bangladesh.Mymensingh Med J. Bangladesh; 23(4). Disponível em:http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25481587

FRANCE. International Agency for Research on Cancer (IARC). Cancer Today [online]. Lyon, FR: IARC; 2018.

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER. Brasil. Diretrizes brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero. Rio de Janeiro: INCA; 2016.

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER. Brasil. Estimativa 2016/2017: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA; 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Indicadores Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Primeiro Trimestre de 2021. Brasília .2022.

JAYASINGHE YL, WALLACE WHB, ANDERSON RA. Ovarian function, fertility and reproductive lifespan in cancer patients. Expert Rev Endocrinol Metab. 2018; 13(3):125-36. DOI: https://doi.org/10.1080/17446651.2018.1455498

JORGE L. T. DE OLIVEIRA, NÁDIA C. P. RODRIGUES, GISELE O’DWYER. Perfil sociodemográfico e citológico de mulheres em investigação de neoplasia cérvico-uterina em um serviço secundário

LOBO, L. M. G. A.; ALMEIDA, M. M.; OLIVEIRA, F. B. M. Uterine column cancer, HPV and Papanicolaou experiment: a reflection on women’s knowledge. Revista Ciência & Saberes-Facema, v. 4, n. 1, p. 889-895, 2018.

LIBERA, D., et al. (2016). Human papillomavirus infection and risk factors in a cohort of Tuscan women aged 18-24: results at recruitment. BMC Infectious Diseases, 16, 75.

KINGSBERG, S. A., CLAYTON, A. H., & PFAUS, J. G. (2015). The female sexual response: Current models, neurobiological underpinnings and agents currently approved or under investigation for the treatment of hypoactive sexual desire disorder. CNS Drugs, 29(11), 915–933. DOI: 10.1007/s40263-015-0288-1

MOREIRA, D. P., SANTOS, M. A. C., PILECCO, F. B., DUMONT-PENA, É., REIS, I. A., & CHERCHIGLIA, M. L. (2022). Tratamento ambulatorial do câncer do colo do útero em tempo oportuno: influência da região de residência em Minas Gerais, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 38(10).

MUENTES, A. M., et al. (2016). Risk Factors for Invasive Cervical Cancer in Latin America and the Caribbean. The Open Cancer Journal, 9, 27-32.

OLIVEIRA, J. L. T., RODRIGUES, N. C. P., & O’DWYER, G. (2023). Trajetórias assistenciais de mulheres entre diagnóstico e início de tratamento do câncer de colo uterino. Revista Brasileira de Enfermagem, 26(3), 9854-9860. DOI:10.36489/nursing.2023v26i303p9854-9860.

OLIVEIRA, A. G. P., & LIMA, V. S. B. (2023). Prevenção do câncer de colo do útero: dificuldades encontradas por mulheres na realização da citologia oncológica no município de Flores - PE. Revista Multi.Sert., Suplementar 2(1), S7-S17. DOI: 10.25248/REAS.e11

2023

RIBEIRO, J., SILVA, P., DUARTE, R., et al. (2016). Team Sports Performance Analyzed Through the Lens of Social Network Theory: Implications for Research and Practice. Teresina-PI: Centro de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (CACON)

ROSA, L. M.; DIAS, M.; MIRANDA, G. M.; BAGIOL, C. B.; SANTOS, M.J.;

KALINKELL, L. P. Perfil epidemiológico de mulheres com câncer ginecológico em

braquiterapia: estudo transversal. Revista Brasileira de Enfermagem. Florianópolis, SC. 2021;74(5):e20200695. 2019. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2020-0695.

ROSÁRIO, JAYPEE R. D., et al. “Preparing Junior High School Students in Science, Technology, Engineering and Mathematics (STEM) Track Using Journal Writing in Mathematics.” International Journal of Advanced Engineering, Management and Science, vol. 4, no. 11, Nov. 2018

SANTOS, A. B., PINHEIRO, C. M., & CORRÊA, D. S. (2023). Perfil de pacientes com câncer de colo do útero tratadas em um centro de oncologia. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 18(4), e31030394. DOI: 10.1590/1806-93042018000400002

SILVA, A. C. B., GUIMARÃES, A. P. A., & TRINDADE, E. L. (2023). Perfil citopatológico dos exames preventivos de câncer cervical realizados no estado do Pará de 2017 a 2020. Revista Eletrônica Acervo Saúde, 23(1), 1-11. DOI: 10.25248/REAS.e11672.2023

SILVA, R. C. G., et al. (2018). Perfil de mulheres com câncer de colo do útero atendidas para tratamento em oncologia center. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 18(4), 703-710. DOI: 10.1590/S1519-38292018000400005

SOUZA ARD, SANTOS FN, SANTOS JM. Competência Informacional do Enfermeiro na Promoção da Saúde: atuação na prevenção do câncer de colo do útero Ci Inf Rev.2014;1(3):

-51.

SU B, QIN W, XUE F, WEI X, GUAN Q, JIANG W et al. The relation of passive smoking with cervical câncer. Medicine. 2018;97(46): e13061.

TAKEKUMA M, KASAMATSU Y, KADO N, KUJI S, TANAKA A, TAKAHASHI N, et al. The issues regarding postoperative adjuvant therapy and prognostic risk factors for patients with stage I-II cervical cancer: a review. J Obstet Gynaecol Rev. 2017;43(4):617-26. DOI: http://dx.doi.org/10.1111/jog.13282

THULER LCS, AGUIAR SS, BERGMANN A. Determinantes do diagnóstico em estadio avançado do câncer do colo do útero no Brasil. Rev Bras Ginecologia. Rio de janeiro; 36(6). Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-72032014000600237

ZHENG D, MOU HP, DIAO P, LI XM, ZHANG CL, JING J, et al. Chemoradiotherapy in combination with radical surgery is associated with better outcome in cervical cancer patients. Oncotarget. 2017;9(2):2866-75. DOI: http://dx.doi.org/10.18632/oncotarget.23165

Published

2024-01-16

How to Cite

Siqueira, F. F. F. S., Siqueira , H. D. S., Santos , D. F., Santos, S. S., Nascimento, I. R., Calderon , L. B. N., Landim, N. M. P., Barbosa , B. M., Araújo , G. da S., Machado, K. P. C., Mazetto, L. M., Nunes , B. de A., Farah , E. I., & Machado , K. da C. (2024). Características sociodemográficas e clínicas de mulheres com câncer do colo do útero: revisão de literatura. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 22(1), 510–535. https://doi.org/10.55905/oelv22n1-028

Issue

Section

Articles

Most read articles by the same author(s)