Reprodutibilidade dos valores de vo2máx a partir do incremental shuttle walk test em mulheres jovens

Authors

  • Maria Isabel Fustinoni Bruno
  • Vagner Pires de Campos Júnior
  • Felipe Sczepanski
  • Cláudia Roberta Brunnquell

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv21n12-021

Keywords:

métodos de avaliação, valor preditivo, consumo de oxigênio

Abstract

Objetivo: Investigar se os valores obtidos pela equação de predição do VO2máx, a partir do ISWT, reproduzem os obtidos na ergoespirometria, em mulheres jovens. Materiais e Métodos: Participaram do estudo 75 mulheres jovens e saudáveis, insuficientemente ativas (IPAQ), com idade de 20 (19–21) anos e IMC de 18,3 (14,7–22,3) kg/m2. Foi mensurado o VO2máx de forma direta (ergoespirometria) e, indireta, por equação de predição a partir da DP no ISWT. A frequência cardíaca máxima (FCmáx) foi verificada durante a ergoespirometria e ISWT e, calculada por equação de predição. Resultados: As mulheres apresentaram, para a ergoespirometria e ISWT, valores de VO2máx de 1,68 (1,39–2,02) e 1,33 (1,20–1,51) L/min, respectivamente e, para FCmáx, a partir da ergoespirometria, ISWT e equação de predição, de 180 (163-189), 165 (154-187),194 (193,3 -194) bpm. Observou-se que os valores de VO2máx obtidos a partir do ISWT foram significativamente menores que da ergoespirometria (p<0,0001). Para a FCmáx, os valores obtidos a partir da equação de predição foram significativamente maiores que os da ergoespirometria e ISWT. Conclusões: O ISWT é um teste de esforço máximo e a equação de Tanaka et al. não é capaz de predizer a FCmáx para a população estudada. Assim, os valores obtidos pela equação de predição do VO2máx, a partir do ISWT, não reproduzem os obtidos na ergoespirometria, em mulheres jovens.

References

Duarte MFS, Duarte CR. Validade do teste aeróbico de corrida de vai-e-vem de 20 metros. Rev. Bras. Ciên. e Mov. 2001; 9 (3): 7-14.

Kayihan G, Özkan A, Köklü Y, Eyuboğlu E, Akça F, Koz M, Ersöz G. Comparative analysis of the 1-mile run test evaluation formulae: Assessment of aerobic capacity in male law enforcement officers aged 20–23 years. IJOMEH. 2014; 27 (2): 165-174.

Probst VS, Hernandes NA, Teixeira DC, Felcar JM, Mesquita RB, Gonçalves CG, Hayashi D, Singh S, Pitta F. Reference values for the incremental shuttle walking test. Respir. Med. 2011; 106 (2): 243-248.

Mayorga-Veja D, Aguilar-Soto P, Viciana J. Criterion-Related Validity of the 20-M Shuttle Run Test for Estimating Cardiorespiratory Fitness: A Meta-Analysis. J. of Sports Sci. And Med. 2015; 14: 536-547.

Minatto G, Sousa TF, Carvalho WRG; Ribeiro RR, Santos KD, Petroski EL. Association between cardiorespiratory fitness and body fat in girls. Rev. Paul. de Pedi.. 2016; 34 (4): 469-475.

Barbalho MSM, Novoa HJD, Amaral JC. Consumo máximo de oxigênio (VO2) em atletas de futebol profissional de diferentes posições de jogo. Rev. Bras. de Futs. e Fut.. 2017; 9: 37-41.

Agarwal B, Shah M, Andhare N, Mullerpatan R. Incremental shuttle walk test: Reference values and predictive equation for healthy Indian adults. Lung India. 2016; 33 (32): 36-41.

Silva BD, Angelo CS, Medeiros AFR, Sczepanski F, Brunnquell CR. Análise comparativa de equações de predição para estimar o consumo máximo de oxigênio e aplicabilidade de equações a partir do incremental Shuttle Walk Test em mulheres jovens. Rev. bras. Ciên. e Mov. 2017; 25 (1): 32-41.

Singh SJ, Morgan MD, Scott S, Walters D, Hardman AE. Development of a shuttle walking test of disability in patients with chronic airways obstruction. Thorax. 1992; 47: 1019–24.

Singh SJ, Morgan MDL, Hardman AE, Rowe C, Bardsley PA. Comparison of oxygen uptake during a conventional treadmill test and the shuttle walking test in chronic airfl ow limitation. Europ Respir J. 1994; 2016-2020.

Camarda SRA, Tebexreni AS, Páfaro CN, Sasai FB, Tambeiro VL, Juliano Y, Neto TLB. Comparação da Freqüência Cardíaca Máxima Medida com as Fórmulas de Predição Propostas por Karvonen e Tanaka. Arq Bras Cardiol. 2008; 91 (5): 311-314.

Dourado VZ; Guerra RLF. Reliability and validity of heart rate variability threshold assessment during an incremental shuttle-walk test in middle-aged and older adults. Braz J Med Biol Res. 2013; 46 (2): 194-199.

Tanaka H, Monahan KD, Seals DR. Age-Predicted Maximal Heart Rate Revisited. JACC. 2001; 37 (1): 153-156.

Himann JE, Cunningham DA, Rechnitzer PA, Paterson DH. Agerelated changes in speed of walking. Med Sci Sports Exerc. 1988; 20: 161-166.

Dourado VZ, Vidotto MC, Guerra RLF. Equações de referência para os testes de caminhada de campo em adultos saudáveis. J Brasil de Pneumol. 2011; 37 (5): 607-614.

BOHANNON RW. Population representative gait speed and its determinants. J Geriatr Phys Ther. 2008; 31: 49 - 52.

Cureton KJ, Sloniger MA, O´Bannon JP, Black DM, Mccormack WP. A generalized equation for prediction of VO2 peak from 1-mile run/walk performance. Med Sci Sports Exerc. 1995; 27: 445-51.

Almeida JA, Campbell SG, Pardono E, Sotero RC, Magalhões G, Simões HG. Validade de Equações de Predição em Estimar o VO2máx de Brasileiros Jovens a Partir do Desempenho em Corrida de 1.600m. Rev Bras Med Esporte. 2010; 16 (1): 57-60.

Léger LA, Lambert J. A Maximal.Multistage 20-m Shuttle Run Test to Predict VO2max. Eur. J. of Appl. Physiol.. 1982; 49: 1-12.

Léger LA, Mercier D, Gadoury C, Lambert J. The multistage 20 metre shuttle run test for aerobic fitness. J. of sports sci. 1988; 6 (2): 93-101.

Harrison SL, Greening NJ, Houchen-Wolloff L, Bankart J, Morgan MDL, Steiner MC, Singh SJ. Age-Specific Normal Values for the Incremental Shuttle Walk Test in a Healthy British Population. JCRP. 2013; 33: 309-313

Jürgensen SP, Antunes LC, Tanni SE, Banov MC, Lucheta PA, Bucceroni AF, Godoy I, Dourado VZ. The Incremental Shuttle Walk Test in Older Brazilian Adults, Respiration. 2011; 81: 223-8.

Gonçalves CG, Mesquita R, Hayashi D, Merli MF, Vidotto LS, Fernandes KBP, Probst VS. Does the Incremental Shuttle Walking Test require maximal effort in healthy subjects of different ages? Physiotherapy. 2015; 101(2): 141-146.

Downloads

Published

2023-12-04

How to Cite

Bruno, M. I. F., de Campos Júnior, V. P., Sczepanski, F., & Brunnquell, C. R. (2023). Reprodutibilidade dos valores de vo2máx a partir do incremental shuttle walk test em mulheres jovens. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 21(12), 23847–23857. https://doi.org/10.55905/oelv21n12-021

Issue

Section

Articles