Corante antociânico extraído de resíduos da indústria de vinho tinto e suco integral de uva

Authors

  • Maria do Socorro Silva Linhares
  • Victor César Nunes Nogueira de Lima
  • Tatiana Pacheco Nunes
  • João Antônio Belmino dos Santos
  • Juarez da Silva Souza Júnior
  • Andréa Gomes da Silva
  • Flávia Luiza Araújo Tavares da Silva
  • Patricia Beltrão Lessa Constant

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv21n12-013

Keywords:

antocianinas, corantes naturais, uvas tintas, resíduos, antioxidante

Abstract

A cor é um atributo importante na escolha de um alimento. A indústria de alimentos costuma fazer uso de corantes artificiais em diferentes tipos de produtos. No entanto diversos problemas têm sido levantados com relação a esses aditivos artificiais associados a sua toxicidade e alergenicidade. Entre as fontes de pigmentos naturais estudadas com o objetivo de substituir os artificiais temos as antocianinas. Diversas são as fontes para obtenção de antocianinas, uma delas é a uva tinta utilizada para fabricação de vinhos e sucos. A região do Vale do Submédio São Francisco, no semiárido Nordestino, tem mostrado possuir um grande potencial na produção de uvas tintas, pois produz uva o ano inteiro e com uma maior quantidade de antocianinas por possuir elevados índices de insolação durante o ano inteiro. A produção de vinhos e sucos de uva nessa região tem gerado resíduos que normalmente são utilizados para a fabricação de fertilizantes. Nesse contexto, o presente trabalho objetivou a utilização dos resíduos de vinificação e do preparo de suco de uva para obtenção de corante natural de antocianina. Os resíduos foram cedidos pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária-EMBRAPA, foi determinado o resíduo com maior concentração de antocianina através da comparação de médias por teste de Tukey e teste T (P⩽0,05) para resíduo de suco e vinho. Os extratos obtidos, foram concentrados até um volume de 30% do seu volume original e caracterizados quanto o teor de antocianinas, compostos fenólicos totais, capacidade antioxidante pelos métodos ABTS e FRAP e análise colorimétrica. Ambos os resíduos se mostraram boas fontes de antocianinas com destaque para os da indústria de vinhos.

References

Alves, C. C. O., Resende, J. V. D., Cruvinel, R. S. R., Prado, M. E. T. (2008). Estabilidade da microestrutura e do teor de carotenóides de pós obtidos da polpa de pequi (Caryocar brasiliense Camb.) liofilizada. Ciência e Tecnologia de Alimentos, 28, 830-839.

Barba, F. J., ZHU, Z., Koubaa, M., Santana, A. S., Orlien, V. (2016). Green alternative methods for the extraction of antioxidant bioactive compounds from winery wastes and by-products: a review. Trends in Food Science & Technology, 49, 96-109.

Bayram O, Sagdic O, Ekici L. (2015). Natural food colorants and bioactive extracts from some edible flowers. Journal of Applied Botany and Food Quality. 88,170 –176. https://doi.org/ 10.5073/JABFQ.2015.088.024

Benzie, I. and Strain, J. (1996) The Ferric Reducing Ability of Plasma (FRAP) as a Measure of “Antioxidant Power: The FRAP Assay”. Analytical Biochemistry, 239, 70-76.

http://dx.doi.org/10.1006/abio.1996.0292

Boroski, M., Visentainer, J.V., Cottica, S.M., Morais, D.R. (2015). Antioxidantes Princípios e Métodos Analíticos, 1ª ed. Curitiba: Appris.

Brenna, O. V., Pagliarini, E. (2001). Multivariate analysis of antioxidant power and polyphenolic composition in red wines. Journal of Agricultural and Food Chemistry, 49(10), 4841-4844.

Brasil. ANVISA. Decreto no 55.871/65 de 26 de março de 1965. Recuperado de http://www.anvisa.gov.br.

Brasil, N. M., Massia, A. G., Meireles, G. C., Oliveira, R., Jacques, A. C. (2016). Caracterização físico-química de bagaço de uva Chardonnay proveniente do processo de vinificação. Revista CSBEA, 2(1), 1-5.

Coultate, T. P. (2004). Alimentos: a química de seus componentes. Porto Alegre: Artmed, 3. ed.

Constant, P. B. L. (2003). Extração, caracterização e aplicaçãoe antocianinas e açaí (Euterpe oleracea, M.) (Tese Doutorado em Ciência e Tecnologia de Alimentos). Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG.

Constant, P. B.L., Stringheta, P.C. & Sandi, D. (2002). Corantes alimentícios. Boletim do Centro de Pesquisa de Processamento de Alimentos, 20(2), 203-220.

Constant, P. B. L., Borges, A. S., Nunes, T. P., Silva, F. L. A. T., Silva, A. G., Lima, V. C. N. N., Ferreira, M. S. A. S., STRINGHETA, P. C. (2023). Aplicação do corante de açaí (Euterpe oleracea M) em sistemas alimentícios. Observatório de la Economía Latinoamericana, 21, 18571-18593. https://doi.org/10.55905/oelv21n11-001

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA. Metodologia científica: determinação da atividade antioxidante total em frutas pela captura do radical livre ABTS. Fortaleza: Embrapa Agroindústria Tropical, 2007. 4p. (Comunicado técnico, 128).

Falcão, A. P., Chaves, E. S., Kuskoski, E. M., Fett, R., Falcão, L. D., Bordignon-Luiz, T. (2007). Índice de polifenóis, antocianinas totais e atividade antioxidante de um sistema modelo de geléia de uvas. Ciencia e Tecnologia de Alimentos, 27(3), 637-642.

Fuleki, T. & Francis, F.J. (1968). Quantitative methods for anthocyanins . Determination of total anthocyanin and degradation index for cranberry juice. Journal of Food Science, 33, 78-83.

Hras, A. R., Hadolin, M., Knez, Z., Bauman, D. (2000). Comparison of antioxidative and synergistic effects of rosemary extract with α-tocopherol, ascorbyl palmitate and citric acid in sunflower oil. Food Chemistry., 71(2), 229-233.

Ky, I., Teissedre, P. L. (2015). Characterization of Mediterranean Grape Pomace Seed and Skin Extracts: Polyphenolic Content and Antioxidant Activity. Molecules, 20(2), 2190–2207.

Instituto Adolfo Lutz. Normas Analíticas do Instituto Adolfo Lutz. Métodos físico-químicos para análises de alimentos. 4ª ed. (1ª Edição digital), 2008. 1020 p.

Lapornik, B., Prosek, M. & Wondra, A. G. (2005). Comparison of extracts prepared from plant by-products using different solvents and extraction time. Journal of Food Engineering, 71(2), 214-222.

Larrauri, J. A., Rupérez, P. & Saura-Calixto, F. (1997). Effect of drying temperature on the stabilitity of polyphenols and antioxidant activity of red grape pomace peels. Journal Agriculture Food Chemistry, 45, 1390-1393.

Pathare, P. B., Opara, U. L. & Al-Said, F. A. J. (2013). Colour measurement and analysis in fresh and processed foods: a review. Food and Bioprocess Technology, 6, 36–60.

Pulido R, Bravo L, Saura-Calixto F. (2000). Antioxidant activity of dietary polyphenols as determined by a modified ferric reducing/antioxidant power assay. J Agric Food Chem., 48(8):3396-402. https://doi.org/10.1021/jf9913458

Re, R., Pellegrini, N., Proteggente, A., Pannala, A., Yang, M., Rice-Evans, C. (1999). Antioxidant activity applying an improved ABTS radical cation decolorization assay. Free Rad. Biol. Medic., 26(9-10),1231–1237.

Renaud, S. D. & De Lorgeril, M. (1992). Wine, alcohol, platelets, and the French paradox for coronary heart disease. The Lancet, 339(8808), 1523-1526.

Resende, L. G. M., Santos, J., Santos, B. S., Teles, A. R. S., Constant, P. B. L. (2021). Corante antociânico extraído do fruto jambolão: formulação e avaliação da estabilidade dos compostos bioativos. Interação, v21, 645-658.

Rodriguez-Amaya, D. B. (2016). Natural food pigments and colorants. Current Opinion in Food Science, 7, 20-26.

Rodriguez-Amaya, D. B. (2018). Update on natural food pigments - A mini-review on carotenoids, anthocyanins, and betalains. Food Research International, 124, 200-205, 2018. https://doi.org/10.1016/j.foodres.2018.05.028

Rockenbach, I. I., Gonzaga, L. V., Rizelo, V. M., Gonçalves, A. E. de S. S., Genovese, M. I., Fett, R. (2011). Phenolic compounds and antioxidant activity of seed and skin extracts of red grape (Vitis vinifera and Vitis labrusca) pomace from Brazilian winemaking. Food Research International. 44(4), 897-901.

Sacci, K. L., Bisson, L. F. & Adams, D. O. A. (2005). Review of the Effect of Winemaking Techniques on Phenolic Extraction in Red Wines. American Journal of Enology and Viticulture,56, 197–206.

Sarni‐Manchado, P., Fulcrand, H., Souquet, J. M., Cheynier, V., Moutunet, M. (1996). Stability and color of unreported wine anthocyanin‐derived pigments. Journal of Food Science, 61(5), 938-941.

Shahid, M., Islam, S. & Mohammad, F. (2013). Recent advancements in natural dye applications: a review. Journal of Cleaner Production, 53, 310 e 331.

Souza, V. B. de. (2013). Aproveitamento dos subprodutos de vinificação da uva Bordô (Vitis labrusca) para obtenção de pigmentos com propriedades funcionais. (Dissertação Mestrado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.

Published

2023-12-04

How to Cite

Linhares, M. do S. S., de Lima, V. C. N. N., Nunes, T. P., dos Santos, J. A. B., Souza Júnior, J. da S., da Silva, A. G., da Silva, F. L. A. T., & Constant, P. B. L. (2023). Corante antociânico extraído de resíduos da indústria de vinho tinto e suco integral de uva. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 21(12), 23697–23717. https://doi.org/10.55905/oelv21n12-013

Issue

Section

Articles

Most read articles by the same author(s)

1 2 > >>