Uso de antidepressivos e ansiolíticos por acadêmicos do curso de medicina

Authors

  • Jéssica Gabrielle Pontes Cadidé
  • Thaynná Rodrigues Tavares
  • Marla Brenda Pires Coimbra
  • Estela Karoline Dias Caboclo
  • Helen Cristina Fávero Lisboa

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv21n11-252

Keywords:

ansiolíticos, antidepressivos, saúde mental, estudantes de medicina

Abstract

Introdução: Estudos apontam que depressão e ansiedade são consideradas um grave problema entre os acadêmicos de medicina, um dos públicos universitários mais suscetíveis em decorrência de constantes situações de estresse. Objetivo: Avaliar o uso de antidepressivos e ansiolíticos por acadêmicos de um curso de medicina. Método: Pesquisa quantitativa, exploratória e descritiva, que utilizou como instrumento um questionário contendo perguntas sobre o perfil sociodemográfico e uso de antidepressivos e ansiolíticos. Realizou se o teste de qui quadrado de Pearson para verificar associação entre as variáveis: utiliza antidepressivos/ansiolíticos e perfil socioeconômico demográfico. Resultados: Foram entrevistados 40 estudantes e destes, 23 (57%) afirmaram fazer uso de psicofármaco, sendo 65%, em uso para ansiedade, prescrito por psiquiatra (95%), usando diariamente (100%) e tendo iniciado a medicação após ingresso na universidade (90%). Somam 90% os que relataram ter ciência sobre os efeitos adversos e a possibilidade de dependência.  Um percentual de 70% afirmou não ter alterado a dosagem sem consultar o médico, 100% não possuía dúvidas sobre a medicação em uso e consideram importantes as orientações sobre o tratamento, tendo estas sido realizadas pelo médico prescritor. Conclusão: Diante do expressivo percentual de acadêmicos de medicina em uso de psicofármacos, verifica-se a necessidade de ações voltadas aos universitários, além do estímulo a parceria entre as redes de atenção à saúde visando acolhimento e amparo aos jovens em seus momentos de vulnerabilidade.

References

AMADUCCI, C. M. et al. Fadiga entre estudantes de graduação em enfermagem. Rev. da Esc. Enferm. São Paulo, v. 44, n. 4, p. 1052-1058, 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/j/reeusp/a/qwDqd9rq7MC8WCCkrwHShSn/?lang=pt. Acesso em 08 ago.2021.

BARRETO, S. Depressão em jovens universitários. Rev. Enferm. Contemp. Salvador, v. 9, n. 1, p. 6-8, 2020. Disponível em: https://www5.bahiana.edu.br/index.php/enfermagem/article/view/2852. Acesso em 10 set. 2021.

BAUCHROWITZ, C. et al. Prevalência de uso de psicofármacos por acadêmicos: efeitos do processo de graduação. Brazilian Journal Development. Curitiba, v. 5 n. 11 p. 24915-24933. 2019. Disponível em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/4609. Acesso em: 11 ago. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Comitê Nacional para Promoção do Uso Racional de Medicamentos. Uso de medicamentos e medicalização da vida: recomendações e estratégias. Brasília, 2019. Disponível em: https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2019/fevereiro/14/ERRATA-Livro-USO-DE-MEDICAMENTOS-E-MEDICALIZACAO-DA-VIDA.pdf. Acesso em: 15 fev. 2020.

CYBULSKI, C. A; MANSANI, F. P. Análise da Depressão, dos Fatores de Risco para Sintomas Depressivos e do Uso de Antidepressivos entre Acadêmicos do Curso de Medicina da Universidade Estadual de Ponta Grossa. Rev. Bras. Educ. Méd, v. 41, n. 1, p. 92-101, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1981-52712015v41n1RB20160034. Acesso em: 22 mai. 2020.

DAMASCENO, E. M. A. et al. Riscos do uso de antidepressivos entre jovens universitários da área da saúde. Revista Saúde Viva Multidisciplinar da AJES, Juína, v. 2, n. 2, 2019. Disponível em: http://www.revista.ajes.edu.br/revistas-noroeste/index.php/revisajes/article/view/11/21. Acesso em: 13 ago. 2021.

DIAS, A. C. G; CARLOTTO, R. C; OLIVEIRA, C. T; TEIXEIRA, M. A. P. Dificuldades percebidas na transição para a universidade Dificuldades na transição para a universidade. Ver. Bras, Orientac., v. 20, n. 1, p.19-30, 2019. DOI: 10.26707/1984-7270/2019v20n1p19. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_issues&pid=1679-3390&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 09 set. 2020.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS DIRIGENTES DAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR (Uberlândia). V Pesquisa Nacional de Perfil Socioeconômico e Cultural dos (as) Graduandos (as) das IFES. Uberlândia: Fonaprace, 2019. 156 p.

FUREGATO, A. R. F., SANTOS, J. L. F., SILVA, E. C. Depression among nursing students associated to their self-esteem, health perception and interest in mental health. Revista Latino-americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 16, n. 2, p.198-204, 2008. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-11692008000200005. Acesso: em 28 fev. 2021.

GRAÇA, C. S. G. Consumo de estimulantes cerebrais nos estudantes de Medicina da Universidade da Beira Interior. 2013. Dissertação (Mestrado em Medicina) - Universidade da Beira Interior, Covilhã, 2013.

LUNA, I. S. et al. Consumo de psicofármacos entre alunos de medicina do primeiro e sexto ano de uma universidade do estado de São Paulo. Colloquium Vitae, Presidente Prudente, v. 10, n. 1, p. 22-28, jan./abr. 2018. Disponível em: https://revistas.unoeste.br/index.php/cv/article/view/2167. Acesso em: 11 mar. 2021.

MARCHI, K. C. et al. Ansiedade e consumo de ansiolíticos entre estudantes de enfermagem de uma universidade pública. Rev. Eletrônica Enferm., Goiania, v. 15, n. 3, jul/set., 2013. Disponível em: https://revistas.ufg.br/fen/article/view/18924. Acesso em 03 jun. 2021.

MASSON, W. et al. Automedicação entre acadêmicos do curso de Medicina da Faculdade de Medicina de Marília, São Paulo. Rev. Bras. Pesq. Saúde, Vitória, v.14, n.4, p.82-89, out-dez, 2012. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/rbps/article/view/5123/3849. Acesso em: 11 nov. 2021.

RIBEIRO, A. G. et al. Antidepressivos: uso, adesão e conhecimento entre estudantes de medicina. Ciênc. Saúde Colet., Rio de Janeiro, v. 19, n. 6, p. 1825-1833, jun. 2014. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232014196.06332013. Acesso em: 11 out. 2021.

SCOLARO, L. L.; BASTIANI, D.; CAMPESATO-MELLA, E. A. Avaliação do uso de antidepressivos por estudantes de uma instituição de ensino superior. Arq. Ciênc. Saúde UNIPAR, Umuarama, v. 14, n. 3, p. 189-196, set./dez. 2010. Disponível em: https://www.revistas.unipar.br/index.php/saude/article/view/3660. Acesso em: 09 out. 2021.

TOMASI, E. et al. Automedicação entre acadêmicos de Medicina das Universidades Católica e Federal de Pelotas/RS. Rev. da AMRIGS, Porto Alegre, v.60, n.1, p. 26-31, jan-mar.2016. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-831222?lang=en. Acesso em: 04 out. 2021.

WALKER, E; MCGEE, R; DRUSS, B. Mortality in mental disease burden implications: a systematic review and metas-analysis. AMA Psychiatry, v.72, n. 12, p. 1259, 2015. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/25671328/. Acesso em: 03 dez. 2021.

WANSCHER, D., PRADO, G. P., FRIGO, J. Uso de psicotrópicos por alunos do ensino superior. Ver. UNINGÁ Review, v.18, n. 2. maio 2014. http://revista.uninga.br/index.php/uningareviews/article/view/1510. Acesso em: 08 dez. 2021.

WEBB, J. R.; VALASEK, M. A.; NORTH, C. S. Prevalence of stimulant use in a sample os US medical students. Ann. Clin. Psychiatry., v. 25, n. 1, p. 27-32, 2013.

Published

2023-11-29

How to Cite

Cadidé, J. G. P., Tavares, T. R., Coimbra, M. B. P., Caboclo, E. K. D., & Lisboa, H. C. F. (2023). Uso de antidepressivos e ansiolíticos por acadêmicos do curso de medicina. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 21(11), 23252–23265. https://doi.org/10.55905/oelv21n11-252

Issue

Section

Articles