O imaginário social e a construção da identidade na série Emily in Paris: uma análise crítica do discurso

Authors

  • Daniel Dantas Lemos
  • Marília Barbosa Gonçalves
  • Tálison Felipe Ferreira de Sena
  • Juanna Beatriz de Brito Gouveia
  • Yasmin Alves Farias Maia de Medeiros

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv21n11-244

Keywords:

análise crítica do discurso, imaginários sociais, construção da identidade, estereótipos culturais, Emily em Paris

Abstract

Este artigo se propõe a analisar a série televisiva “Emily em Paris” a partir da perspectiva teórico-metodológica da Análise Crítica do Discurso (ACD) com o objetivo de destacar seu impacto na construção de identidades sociais e na formação de imaginários culturais relacionados à França e Paris. A série retrata uma visão idealizada da cultura francesa, contribuindo para a perpetuação de estereótipos culturais, promovendo uma visão romântica e glamourosa de Paris. Analisamos o discurso manifesto em diálogos da série, sob a perspectiva crítica relativa aos aspectos discursivos na produção de sentido. Em seguida, a análise narrativa investigou a estrutura da história, os personagens e os conflitos, revelando representações e discursos estereotipados. A etapa envolveu uma análise do contexto social em que a série foi produzida e consumida.

References

ALBUQUERQUE JÚNIOR, D. M. Xenofobia: medo e rejeição ao estrangeiro. São Paulo: Cortez, 2016.

ANJOS JÚNIOR, E. S. dos. O audiovisual na prática de docentes do ensino superior em turismo no Brasil: interfaces e tensões com o lazer. [manuscrito] / Edwaldo Sérgio dos Anjos Júnior – 2021. 228 f.: il. Orientadora: Christianne Luce Gomes Tese (doutorado) – Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional.

BAL, M.. Travelling concepts in the humanities: a rough guide. Toronto: University of Toronto Press, 2002.

BARROS, J. D. Cinema e História: entre Expressões e Representações. In: Cinema-História. Ensaios sobre a relação entre Cinema e História. Rio de Janeiro: LESC, 2007.

CABRERA, J.. O cinema pensa: uma introdução à filosofia através dos filmes. Rio de Janeiro: Rocco, 2006. ______. Diário de um filósofo no Brasil. Ijuí: Unijuí, 2010.

DERRIDA, J.. Posições. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

DIJK, T. A. V. Le racisme dans le discours des élites. Revista Association Multitudes,23(4), p. 41-52, 2005. Disponível em: https://www.cairn.info/revue-multitudes-2005-4-page-41.htm. Acesso em: 15 ago 2023.

DJIK, T. A. V. Discurso e poder. 2ª ed. São Paulo: Contexto, 2018.

ECO, U. Migração e intolerância. Rio de Janeiro: Record, 2020.

Emily em Paris. Criado por Darren Star. Direção por Andrew Fleming. Paris, França: Netflix, 2020.

FAIRCLOUGH, N.. Discurso e mudança social. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2008.

FOUCAULT, M. Le problème des réfugiés est un présage de la grande migration du XXI siècle. In: Dits et écrits II (1954-1988). DEFERT, D.; EWALD, F. (Org.). Paris: PUF; Éditions Gallimard, 2001.

______. Nascimento da Biopolítica. Curso no Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes, 2008.

______. A Ordem do Discurso. Disponpível em: www.portalentretextos.com.br/livrosonline-dw.html?id=69 > Acesso em: 24 de agosto de 2023.

GOLDSTEIN, M. Xenofobias, terror y violencias: erótica de la crueldad. Buenos Aires: Lugar Editorial, 2006.

GOMES, C. L.. Lazer e Cinema: Simbolismos e representações de gênero no filme “Boi Neon. Licere: Revista do Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Estudos do Lazer, v. 22, n. 2, p. 193-217, 23 jun. 2019.

ENKINS, H. Cultura da Convergência. São Paulo: Aleph, 2009.

KELLNER, D.. A cultura da mídia. Bauru, SP: EDUSC, 2001.

MARTIN, M.. A linguagem cinematográfica. São Paulo: Brasiliense, 2007.

METZ, C.. A significação no cinema. 2 ed. São Paulo: Perspectiva, 2007.

MUSSE, C. F. Cultura, televisão e imaginário urbano. Matrizes, São Paulo, ano 7, n. 1, p. 223-234, jan/jun 2013.

PEREIRA NETO, F. S.; SCHMIDLIN, I. de O. M. Turismo induzido por filmes: a imagem do nordeste propagada pelo cinema brasileiro no ponto de vista do estudante de cinema no Ceará. Podium Sport, Leisure and Tourism Review, v. 2, n. 2, p. 1-31, 2013.

POPA, D. and GAVRILIU, D. Gender Representations and Digital Media. Procedia: social and behavioral sciences, 180, pp. 1199–1206, 2015

RAJAGOPALAN, K.. Por uma lingüística crítica: linguagem, identidade e questão ética. Sâo Paulo: Parábola Editorial, 2003.

TOLDO, G. S.; LOPES, F. D.. Cinema como arte ou entretenimento: uma visão de seus realizadores e a estrutura organizacional de suas produtoras. Read: Revista eletrônica de administração Porto Alegre, v. 23, n. 2, p. 167-190, Aug. 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141323112017000200167&lng=en&nrm=iso.

XAVIER, I. O discurso cinematográfico: a opacidade e a transparência. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

Published

2023-11-29

How to Cite

Lemos, D. D., Gonçalves, M. B., de Sena, T. F. F., Gouveia, J. B. de B., & de Medeiros, Y. A. F. M. (2023). O imaginário social e a construção da identidade na série Emily in Paris: uma análise crítica do discurso. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 21(11), 23129–23145. https://doi.org/10.55905/oelv21n11-244

Issue

Section

Articles

Most read articles by the same author(s)