Avaliação das propriedades tecnológicas do granito ornamental Giallo Veneciano obtidas durante a fase de pesquisa e após duas décadas de lavra

Authors

  • Daniel Vale
  • Delia Del Pilar Montecinos de Almeida
  • Ana Paula Meyer
  • Juliano Tessinari Zagôtto

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv21n11-230

Keywords:

comportamento tecnológico, rocha ornamental, giallo veneciano, granito ornamental

Abstract

No Estado do Espírito Santo, as primeiras unidades produtivas do setor de mármore e granito tiveram início na década de 1930, e nas últimas décadas os estados do Espírito Santo, Minas Gerais e Bahia são os principais produtores de rochas ornamentais. A pesquisa concentra o estudo no município de Nova Venécia – ES, onde a unidade mais importante em termos de produção de rochas ornamentais é a Suíte Carlos Chagas, que apresentam desde texturas porfiríticas que aparecem nas zonas internas dos batólitos até texturas miloníticas e protomiloniticas, sendo estas as predominantes nas rochas desta suíte. Em particular suas rochas de cor amarela, dentre as quais ocorre o Giallo Veneciano, vendido no mercado internacional há algumas décadas. Conforme as descrições petrográficas realizadas nos laudos nos tecnológicos para a rocha ornamental Giallo Veneciano explorada na mina do Córrego Água Preta, nota-se que a composição mineralógica desse material rochoso permanece praticamente a mesma, mesmo depois de duas décadas de lavra, havendo apenas alterações na coloração em determinados locais. Com relação às propriedades tecnológicas, a rocha ornamental Giallo Venciano apresentou valores de índices físicos e compressão uniaxial melhores que os atribuídos na fase inicial de lavra, já o desgaste abrasivo Amsler e a velocidade do pulso ultrassônico tiveram valores muito semelhantes entre os ensaios realizados na fase inicial e os atuais. Contudo, os resultados atuais de resistência a flexão apresentaram grande fragilidade. A disparidade de valores encontrados apenas para o ensaio de flexão abre discussões acerca da relação entre as feições petrográficas, tais como: foliação tamanho dos cristais e suas relações com os tamanhos dos corpos de prova utilizados para a execução dos ensaios tecnológicos de rochas ornamentais. Será que as dimensões dos corpos de provas testados nos ensaios de caracterização tecnológica podem ser influenciadas por determinadas feições petrográficas? Ainda que o objetivo desse trabalho seja apenas o de correlacionar os valores das propriedades tecnológicos atribuídos a uma rocha ornamental ao longo do período de extração, abre também discussões futuras para a representatividade dos corpos de prova na caracterização das rochas ornamentais.

References

ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas. Rochas para revestimento. Rio de Janeiro. 2015.

Alkmim, F. F. D., Soares, A. C. P., Noce, C. M., & Cruz, S. C. P. (2007). Sobre a evolução tectônica do orógeno Araçuaí-Congo ocidental.

Artur, A. C., Meyer, A. P., & Wernick, E. (2002). Características tecnológicas de granitos ornamentais: a influência da mineralogia, textura e estrutura da rocha. Dados comparativos e implicações de utilização. CETEM/MCTI.

Balanço Mineral Brasileiro. 2001. Disponível em: https://www.gov.br/anm/pt-br/centrais-de-conteudo/dnpm/paginas/balanco-mineral/arquivos/balanco-mineral-brasileiro-2001-rochas-ornamentais

Disponível em ANM, 2023: https://app.powerbi.com/view?r=eyJrIjoiZTRkNjI3MWEtMGI3My00ZTgzLWIyN2YtMzNjNDhjNTViM2Q2IiwidCI6ImEzMDgzZTIxLTc0OWItNDUzNC05YWZhLTU0Y2MzMTg4OTdiOCJ9&pageName=ReportSection99c5eaca1c0e9e21725a

DO, O. N. N. Bases para o ordenamento e desenvolvimento sustentável da mineração de rochas ornamentais no noroeste do Espírito Santo. (Recanto et al., 2007),

Serviço Geológico do Brasil, CPRM. GEOLOGIA E RECURSOS MINERAIS DA FOLHA NOVA VENÉCIA* SE-24-Y-B-IV Escala 1:100.000 ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. 2019. Disponível em: http://geobank.cprm.gov.br/.

IPT – Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo S.A. Relatório de Ensaio nº 834995. Cidade Universitária Armando de Salles Oliveira. São Paulo: 1996.

MEC – Ministério da Educação. Rochas Ornamentais: Cartilha Orientativa. Setec: Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Brasília, 2007. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf3/publica_setec_rochas.pdf> Acesso em 15/02/2021.

Pedrosa-Soarea et al.. Geotectonic Significance of the Neoproterozpoic Granitic Magmatism in the Araçuaí Belt, Eastern Brazil: A model and pertinente quastions. Revista Brasileira de Geociências. 29(l):59-66, março de 1999.

Sardou Filho, R., MATOS, GMMD, Mendes, VA, & IZA, ERHDF (2013). Atlas de rochas ornamentais do estado do Espírito Santo. CPRM.

Soares, ACP, Noce, CM, Alkmim, FFD, Silva, LCD, Babinski, M., Cordani, UG, & Castañeda, C. (2007). Orógeno Araçuaí: síntese do conhecimento 30 anos após Almeida 1977.).

VELASCO, J. V. P. Relatório dos trabalhos de pesquisa de granito no local denominados “Córrego Água Preta”, município de Nova Venécia, Estado do Espírito Santo. Processo DNPM 890.143/78. Departamento Nacional de Produção Mineral – MME. Agência Regional do Espírito Santo. 1980.

VIDAL et al. Tecnologia de rochas ornamentais: Pesquisa e lavra. Rio de Janeiro: CETEM/CTI. 2014.

Published

2023-11-29

How to Cite

Vale, D., de Almeida, D. D. P. M., Meyer, A. P., & Zagôtto, J. T. (2023). Avaliação das propriedades tecnológicas do granito ornamental Giallo Veneciano obtidas durante a fase de pesquisa e após duas décadas de lavra. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 21(11), 22882–22903. https://doi.org/10.55905/oelv21n11-230

Issue

Section

Articles