Permanências e rupturas na trama edificada pelas fábricas têxteis em Maceió-AL: um olhar sobre a urbanização e o cotidiano dos trabalhadores

Authors

  • Mônica Peixoto Vianna

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv21n11-178

Keywords:

patrimônio industrial, carmen, alexandria, norte alagoas, Santa Margarida

Abstract

A atividade têxtil alagoana se consolidou entre o século XIX e o início do século XX graças a fatores como a existência de matéria prima abundante e de mão-de-obra barata. O presente artigo propõe a análise e o levantamento histórico dos antigos núcleos residenciais operários das fábricas Carmen, Alexandria, Santa Margarida e Norte Alagoas, construídos na cidade de Maceió-AL. Através de visitas de campo e levantamentos bibliográficos e iconográficos, buscou-se verificar a importância do algodão e o processo de desenvolvimento industrial têxtil em Alagoas. Os resultados desse mapeamento permitiram a compreensão e a análise do processo de implantação de quatro desses núcleos fabris em Maceió, a concentração de poder existente através da setorização e hierarquização dos espaços e das edificações, e, finalmente, entender o impacto do fechamento e desmonte dessas fábricas para seus trabalhadores e para a cidade de Maceió.  

References

FARIAS, Michelle. Ex-funcionários da antiga Fábrica Carmen ainda vivem de ‘bicos’ por causa de pendências trabalhistas. Disponível em: https://g1.globo.com/al/alagoas/noticia/ex-funcionarios-da-antiga-fabrica-carmen-ainda-vivem-de-bicos-por-causa-de-pendencias-trabalhistas.ghtml. Acesso em: 24 fev. 2018

FARIAS, Ivo dos Santos. Dominação e resistência operária no núcleo fabril de Fernão Velho/AL (1953-1962). 2012. 115 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) - Instituto de Ciências Sociais, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2012.

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE ALAGOAS - FIEA. Trajetória da Indústria em Alagoas: 1850/2017. Instituto Euvaldo Lodi, 1 ed. Maceió: FIEA, 2018.

LESSA, Golbey. Ensaio - Para uma História da Indústria têxtil Alagoana. A voz do povo: espaço de reflexão e debate sobre a formação social alagoana. 2011. Disponível em: http://pcbalagoas.blogspot.com.br/2011/10/para-uma-historia-da-industria-textil.html. Acesso em: 5 de jan. 2017.

LINDOSO, Dirceu. Interpretação da Província: estudo da cultura alagoana. 2ª Ed., Maceió: Edufal, 2005.

MARINGONI, Gilberto. História – império de crises. Desafios do Desenvolvimento. Ano 8. Edição 67 - 20/09/2011. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/desafios/index.php?option=com_content&view=article&id=2572:catid=28&Itemid=23. Acesso em: 17 fev. 2018.

MELO, A. S. Operários têxteis em Alagoas: organização sindical, repressão e vida na fábrica (1951 - 1964). 2012. 157 f. Dissertação (Mestrado em História) - Programa de Pós-graduação em História, Centro de Filosofia e Ciências Humanas - Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2012.

PAIVA FILHO, Arnaldo. Rio Largo: cidade operária. Maceió: SENAI/AL, 2013.

PEDROSA, Maya J. F. Histórias do velho Jaraguá. Maceió: Gráfica e Editora Talento, 1998.

SILVA, J.D. do N.; PALMEIRA, Maria Verônica L. Heranças e transformações de um bairro industrial: o caso de Fernão Velho, Maceió-AL. In: Seminário de Patrimônio Agroindustrial - Lugares de Memória, 2, 2010, São Carlos. Anais [...], São Carlos: USP, 2010, p.1-16.

TAVARES, Marcelo Góes. Territórios fabris no ramo têxtil em Alagoas e fisiografias urbanas em Maceió (1857-1943): histórias e representações. Revista franco-brasileira de geografia, Confins (on-line), n. 40, mai. 2019. Disponível em: https://journals.openedition.org/confins/20309#quotation. Acesso em: 20 jun. 2020.

TICIANELI, Edberto. Bom Parto da paróquia do padre Brandão Lima e da Fábrica Alexandria. História de Alagoas, 2019. Disponível em: https://www.historiadealagoas.com.br/bom-parto-da-paroquia-do-padre-brandao-lima-e-da-fabrica-alexandria.html. Acesso em: 25 de junho de 2020.

Published

2023-11-24

How to Cite

Vianna, M. P. (2023). Permanências e rupturas na trama edificada pelas fábricas têxteis em Maceió-AL: um olhar sobre a urbanização e o cotidiano dos trabalhadores. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 21(11), 21888–21910. https://doi.org/10.55905/oelv21n11-178

Issue

Section

Articles