Ecótonos de Manguezal na Ilha de Santa Catarina

Authors

  • Tadeu Maia Portela Nogueira
  • Mariana Coutinho Hennemann
  • Kleber Isaac Silva de Souza
  • Cátia Regina Silva de Carvalho Pinto

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv21n11-172

Keywords:

ecótonos, lacunas técnico-normativas, ilha de Santa Catarina, Manguezal, restinga

Abstract

Ecossistemas de manguezal são icônicos no papel de abrandamento da crise climática, por diversas vias. Tratando-se dos efeitos decorrentes do aumento do nível médio do mar (NMM) sobre a Zona Costeira, os bosques de mangue, tendem a responder deslocando-se para terrenos interiores. Neste cenário, novos bosques de mangue passarão a ocupar zonas que serão inundadas diariamente pelas marés. Tais zonas, atualmente, assumem a forma de ecótonos, ou comunidades de transição de manguezal, inundadas somente pelas preamares mais altas e dominadas por espécies vegetais tolerantes a baixa salinidade. Embora na Ilha de Santa Catarina (ISC), município de Florianópolis (Sul do Brasil), parte destes ecótonos estejam protegidos como área de preservação permanente pelo Plano Diretor de Florianópolis (Lei Complementar n° 482/ 2014, com alterações da Lei Complementar nº 739/2023) e pela Lei Federal n° 12.651/2012, a realidade é que estes ambientes encontram-se sob constante ameaça da expansão urbano-imobiliária, favorecida por lacunas técnico-normativas, que dificultam o diagnóstico desta feição. Sendo assim, este trabalho teve como objetivo compreender os aspectos das formações vegetacionais de transição manguezal-restinga e as suas dissonâncias com os instrumentos jurídicos pertinentes.  Os resultados salientaram o grande potencial de acomodação de novos bosques de mangue, na BH do Rio Ratones. As relações edafoambientais mostraram que os processos pedogenéticos que ocorrem nos bosques de mangue, são similares aos que ocorrem nos ecótonos, configurando os mesmos tipos de solo, corroborando, portanto, a concepção de que estes ambientes são feições dinâmicas e integradas dum um mesmo ecossistema, o manguezal. À vista disso, mesmo com as deficiências de tutela do Plano Diretor de Florianópolis, a Lei nº 12.651/2012, também, por vezes, confusa e controversa, ao considerar como APP “os manguezais em toda a sua extensão”, garantiu a proteção das comunidades ecotonais manguezal-restinga, típicas do Litoral Sul e Sudeste do Brasil.

References

ALBUQUERQUE, A. G. B. M.; FERREIRA, T. O.; CABRAL, R. L.; NÓBREGA, G. N.; ROMERO, R.E.; MEIRELES, A.J.A.; OTERO, X.L.; et al. Hypersaline tidal flats (apicum ecosystems): the weak link in the tropical wetlands chain. Environmental Reviews, v. 22, n. 2, p. 99–109, 2014.

BALL MC. 1996. Comparative Ecophysiology of Mangrove Forest and Tropical Lowland Moist Rainforest. In Tropical Forest Plant Ecophysiology, ED. SS MULKEY,RLCHAZDON,APSMITH, PP. 461–96.NEWYORK: CHAPMAN & HALL

BELLOLI, T. F.; GUASSELLI, L. A.; KUPLICH, T.; RUIZ, L. F. C.; SIMIONI, J. P. D. Classificação Baseada em Objeto de Tipologias de Cobertura Vegetal em Área Úmida Integrando Imagens Ópticas e SAR. Revista Brasileira de Cartografia, v. 74, n. 1, 67-83, 2022. DOI: https://doi.org/10.14393/rbcv74n1-61277.

BERHANE, T.M.; LANE, C.R.; WU, Q.; AUTREY, B.C.; ANENKHONOV, O.A.; CHEPINOGA, V.V.; LIU, H. Decision-Tree, Rule-Based, and Random Forest Classification of High-Resolution Multispectral Imagery for Wetland Mapping and Inventory. Remote Sensing, v. 10, n. 4, p. 1-26, 2018. DOI. 10.3390/rs10040580.

Brasil. Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as leis n° 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as leis no 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a medida provisória n° 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e da outras providencias. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 28 mai. 2012. ISSN 1677- 7042. 20.

BRESOLIN, A. Flora da restinga da Ilha de Santa Catarina. Trabalho submetido à Universidade Federal de Santa Catarina para provimento do cargo de Professor Titular. Florianópolis: 1979.

CECCA, Centro de Estudos da Cultura e Cidadania. Unidades de Conservação e Áreas Protegidas da Ilha de Santa Catarina: caracterização e legislação. Florianópolis: Insular, 1997. 160p.

CEPAL. Comision Economica Para America Latina. Generación e integración de bases de datos climáticas históricas y de proyecciones de cambio climático para la gestión de riesgos costeros en el estado de Santa Catarina, Brasil. Santiago. 2016. Disponível em: file:///C:/Users/boaav/Downloads/S1600971_es.pdf. Acesso em: jun. 2023.

CHARLIER-SARUBO, S. C.; LIGNON, M. C.; SCHAEFFER-NOVELLI, Y. Monitoramento dos Ecótonos entre Manguezal e Marisma e Entre Manguezal e Vegetação de Restinga. Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo. Scielo Books. São Paulo: P. 108-115, 2015.

CHARLIER-SARUBO, S.; CUNHA-LIGNON, M.; SORIANO-SIERRA, E. J. Environmental and Biotic Factors Driving Distributional Patterns in Mangrove and Salt Marsh Ecosystems. In: Brazilian Mangroves and Salt Marshes. Cham: Springer International Publishing, p. 27–42, 2023.

CINTRÓN-MOLERO, G.; SCHAEFFER-NOVELLI, Y.; ROVAI, A. S.; ABUCHAHLA, G. M. O. SCHAEFFER-NOVELLI, Y.; ABUCHAHLA, G. M. O.; CINTRÓN-MOLERO, G. Brazilian Mangroves and Salt Marshes. [s.l.]: Springer Nature, p. 365-380, 2023. DOI: https://doi.org/10.1007/978-3-031-21329-8_3.

COELHO-JR, C. Ecologia de manguezais: zonação e dinâmica da cobertura vegetal em gradientes ambientais, Cananéia, São Paulo, Brasil. 2003, 166 p. Tese (doutorado em Oceanografia) Instituto Oceanográfico, Universidade de São Paulo.

DE DOMINICIS, M. Mangrove forests can be an effective coastal defence in the Pearl River Delta, China. Communications Earth & Environment. v. 4, n. 13, 2023. DOI: https://doi.org/10.1038/s43247-022-00672-7.

ELLISON, A.M. E E.J. FARNSWORTH,: Anthropogenic Disturbance of Caribbean Mangrove Ecosystems: Past Impacts, Present Trends, And Future Predictions. Biotropica, 549-565, 1996.

EPAGRI/CIRAM. Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri). Litoral on-line. 2023. Dados da Estação Maregráfica 2951 - Florianópolis (Sul da Ilha). Disponível em: https://ciram.epagri.sc.gov.br/litoral-online/. Acesso em: 21 jul. 2023.

ESPINOZA, H. D. C. F. Evolução temporal da cobertura vegetal do manguezal do Rio Tavares (Florianópolis-SC) empregando Sensoriamento Remoto e SIG. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia Ambiental) – Universidade do Vale do Itajaí, 2008.

FERREIRA, T. O. ; OTERO, X. L.; NÓBREGA, G. N. Mangroves Along the Brazilian Coast. In: The soils of Brazil. [s.l.] Springer Nature, 2023.

FERRETTI, O. E. Áreas protegidas na Ilha de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil. ACTA Geográfica, Boa Vista: v. 13, n. 31, 2019.

FILGUEIRAS, T. S. et al. Caminhamento: um método expedito para levantamentos florísticos qualitativos. Cadernos de Geociências, v. 12, n. 1, p. 39-43, 1994.

FLORIANÓPOLIS. Lei Complementar n° 482, de 17 de janeiro de 2014. Plano Diretor do Município de Florianópolis. Disponível em: http://leismunicipa.is/nmtlr. Acesso em: 24 jul. 2023.

FLORIANÓPOLIS. Lei complementar nº 739, de 04 de maio de 2023. Altera a lei complementar nº 482, de 2014 (Plano Diretor de Florianópolis) e consolida seu processo de revisão. Disponível em: http://leismunicipa.is/0j7w8. Acesso em: 24 jul. 2023.

HENNEMANN, M. C. Mapeamento, Regeneração e Proteção da Cobertura Vegetal da Ilha de Santa Catarina – Florianópolis/SC. 2021, 155 p. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/229784. Acesso em: 30 mar. 2022.

ICMBIO, Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Rosário, R. P. G.; Abuchahla, G. M. O. Arcabouço legal de proteção aos manguezais. In: Atlas dos Manguezais do Brasil. Brasília: ICMBio, p. 75-84, 2018.

JUNK, W. J. et al. Brazilian wetlands: their definition, delineation, and classification for research, sustainable management, and protection. Aquatic Conservation: Marine and Freshwater Ecosystems. v. 24, n. 1, p. 5–22, 2013.

LINDSEY, R.; LUMPKIN, R.; JOHNSON, G.; THOMPSON, P.; SWEET, W. Climate Change: Global Sea Level. 2022. Eua: Climate.gov. Science & information for a climate smart-nation. Disponível em:https://www.climate.gov/news-features/understanding-climate/climate-change-global-sea-level. Acesso em: jun. 2023.

MCIVOR, A.L.; Spencer, T.; Moller, I.; Spalding. M. The response of mangrove soil surface elevation to sea level rise. The Nature Conservancy and Wetlands International, n. 42, 59 p., 2013.

MCKEE K.L.; KRAUSS K.W.; CAHOON D.R. Does geomorphology determine vulnerability of mangrove coasts to sea-level rise? In: SIDIK F, FRIESS D.A. (eds) Dynamic sedimentary environments of mangrove coasts. Amsterdam: Elsevier, p. 255-272, 2021.

MENÉNDEZ, P.; LOSADA, I. J. TORRES-ORTEGA, S; NARAYAN, S.BECK, M. W. The Global Flood Protection Benefits of Mangroves. Scientific Reports. V. 10, 2020. Disponível em: https://www.nature.com/articles/s41598-020-61136-6. Acesso em: 05 fev. 2020.

METZGER, J. O Código Florestal tem base científica? Conservação e Natureza, Curitiba: v.8, n.1, p. 92-99, 2010.

NEVES, J. Uso da Terra e Urbanização dos Ambientes Costeiros na Ilha De Santa Catarina, SC, Brasil. 364 p. Tese (doutorado em geografia) – Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal De Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

PINHEIRO, M. V. DE A.; MOURA-FÉ, M. M.; FREITAS, E. M. DE N. OS ECOSSISTEMAS DUNARES E A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA. Geo UERJ, v. 2, n. 24, 2013.

Plano Municipal De Conservação e Recuperação da Mata Atlântica de Florianópolis. Publicação digitalizada – pdf. Disponível em: https://www.pmf.sc.gov.br/sistemas/pmma. 2020.

REITZ, P. Q. Vegetação da Zona Marítima de Santa Catarina. Sellowia, v. 13, p. 17-115, 1961.

ROSOLEM, G. P. N.; NOGUEIRA, T. M. P. DA COSTA, L. C.; MOREIRA, A. R.; JUNIOR, G. J. V. B.; HEBERLE, D. A.; LOSS, A. Relações Edafoambientais de uma Hidrossequência em Ecótono de Manguezal na Ilha de Santa Catarina. XXIII Congresso Latino-americano de Ciência do Solo (CLACS) e XXXVIII Congresso Brasileiro de Ciência do Solo (CBCS). Florianópolis, 2023.

SANTOS, A. L. G.; FURLAN, S. A. Quem ganha e quem perde com a falta de proteção aos manguezais? Aspectos da Resolução Conama n°303/2002. Revista do Departamento de Geografia, v. 41, p. 1-16, 2021.

SARUBO, S. C.; LIGNON, M. C.; SCHAEFFER-NOVELLI, Y. Monitoramento dos ecótonos entre manguezal e marisma e entre manguezal e vegetação de restinga. Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo. Scielo books. São Paulo: p. 108-115, 2015.

SCHAEFFER-NOVELLI, Y.; CINTRON-MOLERO, G.; SOARES, M. L. G. Mangroves as indicators of sea level change in the muddy coasts of the world. In: Proceedings in Marine Science. [s.l.] Elsevier. p. 245–262, 2002.

SILVEIRA, Y. G.; BONETTI, J. Assessment of the physical vulnerability to erosion and flooding in a sheltered coastal sector: florianópolis bay, brazil. Journal of coastal conservation, v. 23, n. 2, p. 303-314, 2018. Disponível em:https://ppgoceano.paginas.ufsc.br/files/2017/08/silveira-bonetti.-2018.-physicalvulnerabitilty-of-a-shletered-coastal-sector-min.pdf. Acesso em: 26 maio 2020.

SIMIONI, J. P. D.; GUASSELLI, L. A. Banhados: abordagem conceitual. Boletim Geográfico do Rio Grande do Sul, n. 30, p. 33-47, 2017. Disponível em: https://revistas.dee.spgg.rs.gov.br/index.php/boletim-geografico-rs/article/view/4009. Acesso em 17 de jul de 2020.

SOUZA SOBRINHO, R.I. BRESOLIN A. KLEIN R.M. Os manguezais na Ilha de Santa Catarina. Insula, v.2, p. 1-21, 1969.

SOUZA, K. I. S. DE; CHAFFE, P. L. B.; PINTO, C. R. S. C. DE. Cartografia para análises ambientais: definição de áreas de preservação permanente de corpos hídricos naturais. In: LEITE, J. R. M.; BORATTI, L. V.; CAVEDON-CAPDEVILLE, F. S. (Org.). Direito ambiental e geografia: relação entre geoinformação, marcos legais, políticas públicas e processos decisórios, Rio de Janeiro: Lumen Juris, p. 151–199, 2020. Disponível em: https://bdjur.stj.jus.br/jspui/handle/2011/155745. Acesso em: 6 jun. 2023.

THOM, B. G. Mangrove Ecology – A geomorphological perspective. In: Mangrove ecosystems in Australia: Stucture, function and management. B. F. Clough (ed). Australian national University Press. Australia, p. 3-17, 1982.

TOMAZZOLI, E. R.; PELLERIN, J. R. G. M. Mapa eológico da Ilha de Santa Catarina. Universidade federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Departamento de Geociências, 2014. Disponível em: https://lmo.ufsc.br/files/2014/08/geolog_ilha7.pdf. Acesso em: 17 de jul. 2020.

TRINDADE, L. C. T. Os manguezais da Ilha de Santa Catarina frente à antropização da paisagem. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo). Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 223p, 2009.

VIDAL-TORRADO, P.; FERREIRA, T.O.; OTERO, X.L. et al. Pedogenetic processes in mangrove soils. In: , p. 27–56, 2010. Biogeochemistry and pedogenetic process in saltmarsh and mangrove systems.

WALTER, H. Vegetation of the earth and ecological systems of the gosphere. Springer, Berlin. 1973.

WARD, R. D.; DE LACERDA, L. D. Responses of mangrove ecosystems to sea level change. In: Dynamic sedimentary environments of mangrove coasts. [s.l.]: elsevier, p. 235-253, 2021. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1016/b978-0-12-816437-2.00002-1. Acesso em: 14 jul. 2023.

YAO, Q.; COHEN. M.; LIU, K.; FAN, D.; ET AL. Mangrove expansion at poleward range limits in north and south america: late-holocene climate variability or anthropocene global warming? Catena, v. 216, 2022. Doi: https://doi.org/10.1016/j.catena.2022.106413.

Published

2023-11-24

How to Cite

Nogueira, T. M. P., Hennemann, M. C., de Souza, K. I. S., & Pinto, C. R. S. de C. (2023). Ecótonos de Manguezal na Ilha de Santa Catarina. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 21(11), 21760–21777. https://doi.org/10.55905/oelv21n11-172

Issue

Section

Articles