Diga ao povo que avance! Autonomia e fortalecimento identitário na produção de material didático realizados pelos professores indígenas

Authors

  • Evanilson Alves de Sá
  • Maria das Graças Alves
  • Wellcherline Miranda Lima

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv21n12-067

Keywords:

material pedagógico, professores indígenas, formação docente, direitos humanos, povos indígenas

Abstract

O artigo tem por objetivo apresentar uma ação que envolveu o exercício da pesquisa e da produção de matérias didático-pedagógicos, realizada pelos/as professores/as indígenas em Pernambuco, no período compreendido entre 2021-2022. Os/as professores/as indígenas são oriundos dos seus territórios e trazem consigo vivências e respectivas histórias, culturas e tradições. Por mais de 500 anos, os povos indígenas foram invisibilizados na história brasileira e sem os registros escritos substanciais das suas lutas, resistências e conquistas. Com isso, a importância da realização das produções dos materiais didático-pedagógicos pelos povos indígenas consiste na promoção da Cultura dos Direitos Humanos e da Educação em Direitos Humanos, em prol da autonomia e o fortalecimento identitário dos povos, retirando-lhes da invisibilidade e/ou vulnerabilidade histórica. Para realizar tal discussão, apontamos alguns aspectos para o desenvolvimento dessas questões que balizaram este estudo, como referenciais teóricos sobre produção de material didático-pedagógico; a importância de ser professor/a indígena e pesquisador/a na produção de material didático-pedagógico; e, por fim, a discussão sobre produção de material pedagógico pelos/as professores/as indígenas. O percurso metodológico traz uma discussão teórica referente à produção de material pedagógico em si, sobre o percurso de pesquisa que um professor/a indígena que realiza ao produzir esse material, assim como a formação desse professor/a, seja inicial ou a continuada. A fundamentação teórica é promovida por meio de pesquisa sobre a bibliografia existente e, a partir dela, delineamos uma discussão sobre os itens destacados em nosso objetivo. Os resultados esperados é o entendimento de como a produção de material pedagógico pelos professores indígenas pode promover a autonomia intelectual e o fortalecimento identitário do seu povo, como também oportunizar ao não indígena o desenvolvimento da formação dos seus estudantes voltadas para o fortalecimento à promoção do respeito aos Direitos Humanos, principalmente, àqueles adstritos às diversidades e diferenças.

References

AQUINO, J. B.; SANTOS, M. C. (2011). Maquetes: conceitos e práticas na elaboração de produtos didáticos. Espaço & Movimento, São Paulo, n. 7, p. 61-67, dez.

AZZI, S. (2002). Trabalho docente: autonomia didática e construção do saber pedagógico. São Paulo: Cortez.

BRASIL. (2012). Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Escolar Indígena. Brasília: CNE.

BRASIL. (2013). Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação em Direitos Humanos. Brasília: CNE.

BRASIL. (2015). Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura. Brasília: CNE.

BRASIL. Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos / Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos. – Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Ministério da Educação, Ministério da Justiça, UNESCO, 2007

CASTELLAR, S. M. V. (1999). A formação de professores e o ensino de geografia. Terra Livre, São Paulo, n. 14, p. 51-59, Jan-Jul.

FREIRE, Paulo.(2003). Pedagogia para autonomia. São Paulo: Paz e Terra.

KIMURA, S. (2010). Geografia no ensino básico: questões e propostas. São Paulo: Contexto.

LACOSTE, Y. (1988). Geografia: isso serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra. Campinas: Papirus.

LESTEGÁS, F. R. (2012). A construção do conhecimento geográfico escolar: do modelo transpositivo à consideração disciplinar da geografia. São Paulo: Xamã, 2012.

PONTUSCHKA, N.N.; CACETE, N. H.; PAGANELLI, T. I. (2009). Para ensinar e aprender Geografia. São Paulo: Cortez.

PERNAMBUCO. (1996). Lei Nº 11.329. Dispõe sobre o Estatuto do Magistério Público de Pré-Escolar, Ensino Fundamental e Ensino Médio do Estado de Pernambuco.

PIMENTA, Selma Garrido. (2005). Professor Pesquisador: mitos e possibilidades. Itajaí: Contrapontos.

RAMOS, F. C. (2006). O livro e os recursos didáticos no ensino de Matemática. 220 f. Dissertação (Mestrado Profissionalizante em Ensino de Física e Matemática) - Centro Universitário Franciscano de Santa Maria, Santa Maria.

RANGEL, E. O. (2005). Avaliar para melhor usar avaliação e seleção de materiais e livros didáticos. BRASIL. MEC.

SANTOS, Boaventura de Sousa. (2007). Para além do pensamento abissal: Das linhas globais a uma ecologia de saberes. São Paulo: Novos Estudos - Cebrap.

Secretaria de Educação Média e Tecnológica – SEMTEC. PCN + Ensino Médio (2002) Orientações Educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais - Linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília: MEC.

SILVA, M. A. (2012). A fetichização do livro didático no Brasil, Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 37, n. 3, p. 803-821, set/dez.

WALSH, Catarin,e (2005). Pensamiento crítico y matriz (de)colonial- reflexiones latinoamericanas. Quito: Abya-Yala5.

WALSH, C. et al. (2006). Interculturalidad, descolonización del estado e del conocimiento. Buenos Aires: Signo.

YOUNG, M. (2007). Para que servem as escolas? Educação e Sociedade, Campinas, vol. 28, n 101, p. 1287-1302.

Published

2023-12-09

How to Cite

de Sá, E. A., Maria das Graças Alves, & Lima, W. M. (2023). Diga ao povo que avance! Autonomia e fortalecimento identitário na produção de material didático realizados pelos professores indígenas. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 21(12), 24659–24677. https://doi.org/10.55905/oelv21n12-067

Issue

Section

Articles