Maus tratos contra animais no estado de Alagoas: uma análise das estatísticas oficiais associada à Teoria do Link

Authors

  • Tobyas Maia de Albuquerque Mariz
  • Lana Lisiêr de Lima Palmeira
  • Heloíza Maria Pires Santos
  • Thamires de Oliveira Soares
  • Neusvaldo de Medeiros Caldas Júnior
  • Thamyres Valeriano Teixeira
  • Pierre Barnabé Escodro
  • Aline Rocha Silva

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv21n11-047

Keywords:

bem-estar animal, teoria do elo, violência

Abstract

Objetivou-se com esse estudo, analisar as denúncias de maus tratos a animais no estado de Alagoas, devidamente registradas nos órgãos competentes, no que tange aos tipos de abusos e crimes previstos na forma da lei, entre os anos de 2019 a 2021. Para tanto, contou-se com a interlocução da Polícia Civil do Estado de Alagoas, que, por meio do seu Departamento de Estatísticas, forneceu os dados necessários à pesquisa. No que diz respeito à tipificação dos crimes de maus tratos contra animais em Alagoas, entre os anos de 2019 a 2021, verifica-se a prevalência em todos eles da tipificação generalizada de “maus tratos contra animais”, com média de 59,4% no referido triênio, seguida pela natureza de crime de “maus tratos contra animais-com morte do animal” com média de 27,2%. Quanto ao tipo de agressor, a prevalência na ampla maioria dos casos é de crimes realizados por pessoas do sexo masculino em todos os anos pesquisados (61,8%). No que tange as espécies que sofreram os crimes, observa-se uma clara amplitude de casos de animais considerados de companhia, que totaliza quase setenta por cento (68,2%) das denúncias. Verificou-se ainda que cerca de oitenta por cento das denúncias em questão ocorreram na mesorregião do Leste Alagoano (80,1%), seguido de 12% na mesorregião do Sertão Alagoano e apenas 7,8% na região do Agreste Alagoano, e que no que diz respeito a área dos municípios de ocorrência dos crimes, 84,4% dos casos são registrados na Zona Urbana, e apenas 15,6% da Zona Rural.

References

ALBUQUERQUE, L.V.C. A ética e a experimentação animal à luz do direito brasileiro e da União Europeia. Revista Brasileira de Direito Animal. v.10, n.18, 75-110 p.

ABOGLIO, A.M. Utilitarismo y bienestarismo – Precisiones para la compresión de las diferencias sustanciales com la teoría de los derechos animales. Ediciones Ánima, 2008.

ASCIONE, Frank R.; ARKOW, Phil. Child Abuse, Domestic Violence and Animal Abuse: linking the circles of compassion for prevention and intervention. Indiana: Purdue University Press, 1999.

ARKOW, P. The correlations between cruelty to animalsand child abuse and the implications for veterinary medi-cine. Canadian Veterinary Journal, v.33, n.8, p.518-21, 1992.

ADAMS, C. J. Neither Man nor Beast: Feminism and the Defense of Animals. New York: Continuum, 1995.

BARRERO, S. M. A vulnerabilidade na família como determinante de maustratos aos animais de companhia. 2017. 180 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Veterinárias) – Programa de Pós-graduação em Ciências Veterinárias, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2017.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Trad. Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. Lisboa: Ed. 70ª, 2016.

BARRERO, Stefany; GARCIA, Rita de Cássia (2017). Violência doméstica e abuso animal. Disponível em: http://www.agrarias.ufpr.br/portal/blog/noticias/artigo-violencia-domestica-e-abuso-animal. Acesso em: 09 dez. 2022.

COSTA, E. D. et al. Maus-tratos aos animais e violência à mulher, à criança e ao idoso: Existe elo entre eles?. Clínica Veterinária, nº 112, p.38-40, 2014.

CARLISLE-FRANK, P. et al. Selective battering of thefamily pet. Anthrozoos: A Multidisciplinary J of The In-teractions of People and Animals, v.17, n.1, p.26-42,2004.

CARLISLE-FRANK, P.; FRANK, J. M.; NIELSEN, L. Selective battering of the family pet. Anthrozoos: A multidisciplinary journal of the interactions between people and other animals, [S.l.], v.17, n.1, p.26-42, jan.-dez. 2004.

CRMV/SP - CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Crimes contra animais também aumentam na quarentena e exigem atenção redobrada. 2020. Disponível em: https://crmvsp.gov.br/crimes-contra-animais-aumentam-na-quarentena-e-exigematencaoredobrada/#:~:text=Crimes%20contra%20animais%20aumentam%20na%20quarentena%20e%20exigem%20aten%C3%A7%C3%A3o%20redobrada,Ocorr%C3%AAncias%20podem%20ser&text=Com%20o%20isolamento%20social%20necess%C3%A1rio,e%20destes%20com%20seus%20animais. Acesso em: 15 nov. 2022.

D’APRILE, L. et al. O médico veterinário como agente de transformação social: atuação em casos de violência. Clínica Veterinária, [S.l], v. 12, n. 127, p. 95- 98, mar./abr. 2017.

DELABARY, B. F. Aspectos que influenciam os maus tratos contra animais no meio urbano. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, [S.l.], v. 5, n. 5, p. 835 - 840, jan.-dez. 2012.

ESCODRO, P. B. et al. Estudo da realidade e propostas de ações transdisciplinares para equídeos de tração carroceiros de Maceió-Alagoas. Revista Brasileira de Direito Animal. [S.l.], n. 7, v.11, p. 97-115, jul.-dez. 2012.

Estudo aponta que Zoofilia é indicativo Pedofilia e outros Crimes Sexuais. Mural Animal, 15 de out. de 2014. Disponível em: http://muralanimal.blogspot.com/2014/10/estudo-aponta-quezoofilia-e- indicativo.html. Acesso em: 21 dez. 2022.

ESCOBAR, M. L.; AGUIAR, J. O.; ZAGUI, P. A. A realização de brigas de galo no Nordeste Brasileiro: um conflito social. Prisma Jurídico, São Paulo, v. 14, n. 1, p. 37-58, jan./jun. 2015.

FERREIRA, M. L. B. G.; RIBEIRO, L. G. G. Do crime de maus-tratos contra os animais e o direito penal simbólico: análise do simbolismo penal na criação da lei n°14.064 de 2020. CONPEDI LAW REVIEW, [S.l.], v. 7, n. 1, p. 21 – 37, jan.-jun. 2021.

FLYNN, C;P. Battered women and their animalcompanions: simbolyc interaction between humanand nonhuman animals. Society & Animals, v.8, n.2, p.99-127, 2000.

FEDERAL, Governo. Denúncias registradas pelo Ligue 180 aumentam nos quatro primeiros meses de 2020. Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos, 2020. Disponível em: https://www.gov.br/mdh/pt- br/assuntos/noticias/2020-2/maio/denuncias-registradas-peloligue-180- aumentam-nos-quatro-primeiros-meses-de-2020. Acesso em: 21 dez. 2022.

HAMMERSCHMIDT, J.; MOLENTO, C. F. M. Análise retrospectiva de denúncias de maus-tratos contra animais na região de Curitiba, Estado do Paraná, utilizando critérios de bem-estar animal. Braz. J. Vet. Res. Anim. Sci., São Paulo, v. 49, n. 6, p. 431-441, dez. 2012.

LUNA, S. P. L. Dor, senciência e bem-estar em animais - senciência e dor. Ciência Veterinária nos Trópicos. Vol. 11, p. 17-21, 2008.

MAPA, 2008. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. Disponível em: https://www.gov.br/agricultura/ptbr/assuntos/sustentabilidade/bemestaranimal/arquivos/arquivos-legislacao/in-56-de 2008.pdf. Acesso em: 02 de jun. 2023.

MONSALVE, S.; FERREIRA, F.; GARCIA, R. The connection between animal abuse and interpersonal violence: a review from the veterinary perspective. Research in Veterinary Science. v. 114, p. 18-26, 2017. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0034528816305653?via %3Dihub. Acesso em: 21 dez. 2022.

MARTINISCHEN, L. H.; BUENO, M. S. A relação dos maus tratos animais com a violência das pessoas à luz da teoria de Link. Academia de Direito, v. 4, p. 938-960, 2022.

NASSARO, M. R. F. Maus-tratos aos animais e violência contra as pessoas - A Aplicação da Teoria do Link nas ocorrências atendidas pela Polícia Militar do Estado de São Paulo. 1 ed. São Paulo: Edição do Autor, 2013.

NACONECY, C. Os marcadores morais do debate sobre a experimentação animal. Revista Brasileira de Direito Animal, v. 9, n. 15, 2014.

PEREIRA, A. G. D. O bem-estar animal no direito civile na investigação científica. Bioética ou bioéticas na evolução das sociedades. – 1ª ed. Coimbra: Gráfica de Coimbra. São Paulo Centro Universitário São Camilo; Ponta Delgada: Centro de Estudos de Bioética Pólo Açores, D.L. 2006. - 151 p.

REGIS, A. H. P.; SILVA, R. C. S. Análise da temática dos maus-tratos aos animais. Revista Processus de Políticas Públicas e Desenvolvimento Social, [S.l.], v. 1, n.1, p. 1-24, jul./dez. 2019.

ROCHA M. S. P. et al. Aspectos da comercialização ilegal de aves nas feiras livres de Campina Grande, Paraíba, Brasil. Revista de Biologia e Ciências da Terra, Campina Grande, v. 6, n. 2, p. 204-221, jul.-dez. 2006.

SINGER, P. Animal Liberation. – 1ª ed. London: The Bodley Head. 1975.

SILVA, L. V. S. Entre o Naturalismo e o Animismo: um Estudo Etnográfico da Relação Galo-Criador no Sertão Sergipano. REVISTA FLORESTAN - UFSCar, [S.l.], n. 7, p. 78-89, mar. 2019.

SINGER, P. Libertação Animal. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

SOUZA, A. K. A.; NOGUEIRA, D. A.; GRADIM, C. V. C. Perfil da violência doméstica e familiar contra a mulher em um município de Minas Gerais, Brasil. Cad. Saúde Colet., Rio de Janeiro, nº 21, v.4, p.425-31, 2013.

TOJAL, A. L. S. et al. Rede de enfrentamento à violência contra a mulher: situação dos serviços especializados no município de Maceió. Revista Brasileira de Tecnologias Sociais, v. 3, n. 2, p. 13-22, 2016.

VIEIRA, P. R.; GARCIA, L. P.; MACIEL, E. L. N. Isolamento social e o aumento da violência doméstica: o que isso nos revela?. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 23, 2020.

Published

2023-11-08

How to Cite

Mariz, T. M. de A., Palmeira, L. L. de L., Santos, H. M. P., Soares, T. de O., Caldas Júnior, N. de M., Teixeira, T. V., Escodro, P. B., & Silva, A. R. (2023). Maus tratos contra animais no estado de Alagoas: uma análise das estatísticas oficiais associada à Teoria do Link. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 21(11), 19459–19479. https://doi.org/10.55905/oelv21n11-047

Issue

Section

Articles

Most read articles by the same author(s)