Força de preensão palmar, lombar e membros inferiores em portadores de deficiência mental com e sem Sindrome de Down

Authors

  • Rogério Wagner da Silva
  • José Roberto Pimenta de Godoy
  • Hugo Alves de Souza
  • Maria Irany Knackfuss
  • Jônatas de França Barros

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv22n1-017

Keywords:

deficiência mental, Síndrome de Down, hipotonia, força, inclusão social

Abstract

Objetivo Avaliar força de preensão palmar, lombar e membros inferiores em portadores de deficiência mental com e sem Síndrome de Down. Material e Métodos Estudo descritivo e inferencial de campo expo-factus. A amostra foi constituída por 110 indivíduos do sexo masculino na faixa etária entre 20 e 40 anos distribuídos em três grupos: 40 formaram o grupo controle (GC), por não apresentarem deficiência mental, 30 o grupo de portadores de deficiência mental com Síndrome de Down (GSD) e 40 o grupo de portadores de deficiência mental sem a referida síndrome (GDM). Os dados foram analisados utilizando-se o programa SPSS for Windows® versão 12.0. Primeiramente, os dados foram agrupados para que houvesse um panorama geral das variáveis contrastando os grupos (GC, GSD e GDM). A análise descritiva dos dados quantitativos forneceu como medida de localização (tendência central) - Média - e de dispersão dos dados – Desvio Padrão. ANOVA foi utilizado, comparando as amostras pareadas para saber se houve significância na diferença entre os grupos, onde o nível de significância estabelecido foi de 0,05. Resultados Existe predomínio da força de preensão palmar em função da mão direita em relação à esquerda em todos os grupos estudados; a hipotonia muscular característica da população Down gera déficit significativo e preocupante da força nesta população; existe uma baixa correlação entre força de preensão palmar e força lombar, e também entre força de preensão palmar e de membros inferiores. Conclusões É importante estimular a prática de atividade física nessa população, visando melhoria da qualidade de vida e conseqüente desempenho das atividades de vida diária (AVD’s), oferecendo ainda chance de independência social para serem economicamente recompensados pelo que são capazes de produzir. Coloca-se como desafio para o sistema público de saúde incluir e cuidar de uma população crescente. Medidas devem ser tomadas para garantir a inclusão bem como a permanência desta população no mercado de trabalho e conscientizar os profissionais que a atendem da importância em garantir a integridade funcional do sistema músculo-esquelético.

References

Dávila ME, Gil M, Daza D, Bullones X, Ugel E. Caries Dental en Personas con Retraso Mental y Síndrome de Down. Dental caries amongst mentally retarded people and those suffering from Down's syndrome. Rev. salud pública, sep./dez. 2006, 8(3): 207-213.

Werner T. Tendências da formação para educação física adaptada: abordagens icônicas ou da singularidade. In: Costa VLM, organizador. Formação profissional universitária em educação física. Rio de Janeiro: Editora Central da Universidade Gama Filho; 1997. p. 287-315.

Blascovi-assis SM, Monteiro MIB. Atividade física para crianças com S.D. Revista Ciência Hoje. 1989; 10(56): 10-11.

Pitetti KH, Climstein M, Mays MJ, Barret PJ. Isoknetic arm and leg strength of adults with Down syndrome: a comparative study. Arch. Phys. Med. Rehabil. 1992; 73: 847-850.

Fernhall, B. Physical fitness and exercise training of individuals with mental retardation. Med Sci Sports Exerc 1993, 25:442-450.

Glat R. A Integração dos Excepcionais: Realidade ou mito? Mensagem da APAE, Integração. 1988; 15 (49): 11-4.

Bellace JB, Healy D, Besser MP, Bybon T, Hohman L. Validity of the Dexter Evaluation System’s Jamar Dynamometer Attachment for Assessment of Hand Grip Strength in a Normal Population. J. Hand Therapy 2000; 13: 46-51.

Nasser PZT. Acidente do Trabalho. http://geocities.yahoo.com.br/zillerj/acidente.htm. (Acessado em 09/Mai/2008).

Mathiowetz V, Kashman N, Volland G, Weber K, Dowe M, Roger S. Grip and Pinch Strength: Normative Data for Adults. Arch. Phys. Med. Rehabil. 1985; 66:69-70.

Vernaza-Pinzon P, Sierra-Torres CH. Musculoskeletal pain and its association with ergonomic risk factors in administrative workers. Rev. salud pública, nov. 2005, 7(3): 317-326.

Osternnig LR. Isokinetic dynamometry: implications for muscle testing and rehabilitation. Exerc Sport Sci Ver 1986; 14:45-80.

Pitetti KW, Rimmer JH, Fernhall B. Physical fitness and adults with mental retardation. An overview of current research and future directions. Sports Medicine 1993; 16:23-56.

Molnar GE, Alexander J. Strength development in retarded children: a comparative study on the effect of intervention. In: Hoog e Mittler (eds.), Advances in mental handicap research, v.2. New York: John Wiley & Sons, 1983. p. 427-430.

Ho KK, Pinsky JL, Kannel WB, Levy D. The epidemiology of heart failure: the Framingham Study. J Am Coll Cardiol 1993; 22 (4 Suppl A):6A-13A.

Haennel RG, Lemire F. Physical activity to prevent cardiovascular disease. Can Fam Physician 2002; 48:65-71.

Woolhandler S, Campbell T, Himmelstein DU. Costs of health care administration in the United States and Canada. N Engl J Med 2003; 349:768-75.

Rarick, GL, Dobbins DA. Basic components in the motor performance of educable mentally retarded children: implications for curriculum development. Berkeley: Department of Physical Education, University of California, 1972.

Cyrino, ES, Oliveira AR, Leite JL, Porto DB, Dias RMR, Segatin AQ, et al. Comportamento da flexibilidade após 10 semanas de treinamento com pesos. Rev. Bras Med Esporte 2004; 10(4): 56-62.

Almeida MB, Araújo CGS. Effects of aerobic training on heart rate. Rev Bras Med Esporte 2003; 9:113-20.

Al Snih S, Markides KS, Ray L, Ostir GV, Goodwin JS. Handgrip strength and mortality in older Mexican Americans. J Am Geriatr Soc 2002; 50:1250-1256.

Franklin B, Bonzheim K, Warren J, Haapaniemi S, Byl N, Gordon N. Effects of a contemporary, exercise-based rehabilitation and cardiovascular risk-reduction program on coronary patients with abnormal baseline risk factors. Chest 2002; 122:338-43.

Crosby, C. A.; Wehbé, M. A.; Mawr, B. Hand Strength: Normative Values. J. Hand Surgery 1994; 19-A: 665-670.

Moreira D, Godoy JRP, Júnior WS. Estudo sobre a realização da preensão palmar com a utilização do dinamômetro: Considerações anatômicas e cinésiológicas. Fisioterapia Brasil 2001; 2:295-300.

Lauretani F, Russo CR, Bandinelli S, Bartali B, Cavazzini C, Di Iorio A, et al. Age-associated changes in skeletal muscles and their effect on mobility: an operational diagnosis of sarcopenia. J Appl Physiol 2003; 95:1851-60.

Matsudo S, Matsudo V, BARROS T. Impacto do envelhecimento nas variáveis antropométricas, neuromotoras e metabólicas da aptidão física. Rev Bras Ciênc e Mov 2000; 8:21-32.

Crosby CA, Wehbé M., Mawr B. Hand strength: Normative Values. Journal Hand Surg. 1995; 20(6): 1057-8.

Godoy JR, Barros JF. Força de preensão palmar em portadores da Síndrome de Down e análise dos músculos envolvidos neste movimento. Acta Cirúrgica Brasileira 2005; 20 Suppl 1: PAG.

Croce RV, Pitteti KH, Horvat M, Miller J. Peak torque, average power, and hamstring/quadríceps ratios in nondisabled adults and adults with mental retardation. Arch Phys Med Rehab. 1996; 77, 369-372.

Guerra M, Cuadrado E, Balagué N, Fernández, R. Validity and reliability of field tests in adults with mental retardation. Proceedings of the International Scientific Meeting of Sport-Health-Old age, Ed. Fakulteta za Sport, Ljubljana (Eslovenia) 1999. p. 276-279.

Nordgren B, Backstrom L Correlations between strength and industrial work performance in mentally retarded persons. Acta Paediat Scand 1971; 217 Suppl 1:122-126.

Published

2024-01-10

How to Cite

da Silva, R. W., de Godoy, J. R. P., de Souza, H. A., Knackfuss, M. I., & Barros, J. de F. (2024). Força de preensão palmar, lombar e membros inferiores em portadores de deficiência mental com e sem Sindrome de Down. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 22(1), 297–312. https://doi.org/10.55905/oelv22n1-017

Issue

Section

Articles