Desenvolvimento e validação de modelo visual de receituário adaptado às necessidades da população com doenças crônicas - receita simples

Authors

  • Estêvão Cubas Rolim
  • Felipe Rodrigues Yung
  • Dais Gonçalves Rocha
  • Rodrigo Fonseca Lima
  • Rafael Santos Santana
  • Dayde Lane Mendonça da Silva

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv21n11-035

Keywords:

atenção primária à saúde, populações vulneráveis, doenças crônicas não transmissíveis, estudos de validação, letramento funcional em saúde

Abstract

Introdução: Um dos pilares do tratamento das Doenças Crônicas Não-Transmissíveis, a adesão à farmacoterapia, é influenciada pela capacidade de leitura, compreensão e utilização de informações. Objetivo: a fim de concretizar a adesão à farmacoterapia, foi desenvolvido e validado um modelo visual de receituário para usuários com comorbidades crônicas, em especial hipertensão e diabetes, com baixo letramento e/ou dificuldades visuais, constituído de tabela de horários de medicamentos e estratégia de agrupamento das embalagens primárias dos medicamentos por meio de ligas elásticas coloridas em paralelo com os períodos das três principais refeições do dia (café da manhã, almoço e jantar)  Métodos: Trata-se de um modelo validado por painel de 42 profissionais da Atenção Primária do Distrito Federal pelo método Delphi, validando 8 categorias do instrumento quanto a clareza e pertinência das informações e viabilidade de execução do modelo proposto. Resultados: Após duas rodadas de validação, todos os 36 itens julgados obtiveram Índice de Validação de Conteúdo acima de 0,8 e coeficiente alfa de Cronbach de 0,9876, indicando adequada precisão na medida das respostas dos avaliadores. Conclusão: Em decorrência da avaliação e validação pelos especialistas foi possível aprimorar o modelo visual de receituário e disponibilizá-lo para aplicação em outros serviços e para mais usuários a fim de potencializar a capilaridade da ferramenta em nível nacional. Constata-se que os resultados de validação com concordância em todos os itens (IVC > 0,8) demonstram a legitimidade de conteúdo para a Receita Simples por parte de profissionais de saúde.

References

World Health Organization. Noncommunicable diseases: progress monitor 2017 [Internet]. Geneva: World Health Organization; 2017. 230 p. Disponível em: https://apps.who.int/iris/handle/10665/258940

World Health Organization‎. Diet, nutrition and the prevention of chronic diseases : report of a joint WHO/FAO expert consultation. Geneva: WHO; 2002. World Health Organization. Available from: https://apps.who.int/iris/handle/10665/42665

Brasil. Política Nacional de Atenção Básica. 2012; Available from: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/pnab.pdf

World Health Organization. Global report on diabetes [Internet]. Geneva: World Health Organization; 2016. 83 p. Disponível em: https://apps.who.int/iris/handle/10665/204871.

Lim SS, Vos T, Flaxman AD, Danaei G, Shibuya K, Adair-Rohani H, et al. A comparative risk assessment of burden of disease and injury attributable to 67 risk factors and risk factor clusters in 21 regions, 1990–2010: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2010. The Lancet. dezembro de 2012;380(9859):2224–60. https://doi: 10.1016/s0140-6736(12)61766-8.

Brasil. VIGITEL BRASIL 2015: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico : estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estado [Internet]. Vigitel. 2016. 162 p. Available from:http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2016/outubro/16/vigitel_brasil_2015.pdf

Bloom DE, Caféero E, Jané-Llopis E, Abrahams-Gessel S, Bloom LR, Fátima S. The global economic burden of noncommunicable diseases. Progr Glob Demogr Aging. 2012. Available from: https://www3.weforum.org/docs/WEF_Harvard_HE_GlobalEconomicBurdenNonCommunicableDiseases_2011.pdf.

De Araujo, Ludmilla Costa Lindolfo; Da Silva EV. Avaliação da adesão ao tratamento anti-hipertensivo em pacientes atendidos na Unidade de Saúde de Cocalzinho de Goiás. 2010;83–93. Available from: https://www.tempus.unb.br/index.php/tempus/article/view/881/844.

Almeida ACV. Estratégias voltadas para o autocuidado do paciente. Curso Espec em Atenção Básica em Saúde da Família [Internet]. 2014;3(2):1–46. Available from: https://ares.unasus.gov.br/acervo/handle/ARES/10984

Kuo GM, Phillips RL, Graham D, Hickner JM. Medication errors reported by US family physicians and their office staff. Quality and Safety in Health Care. 1o de agosto de 2008;17(4):286–90. https://doi: 10.1136/qshc.2007.024869.

Marchon SG, Mendes Junior WV, Pavão ALB. Características dos eventos adversos na atenção primária à saúde no Brasil. Cad Saúde Pública. novembro de 2015;31(11):2313–30. https://doi.org/10.1590/0102-311X00194214

World Health Organization. Health promotion glossary. 1998; Available from: http://www.who.int/healthpromotion/about/HPR Glossary 1998.pdf

Health literacy: report of the Council on Scientific Affairs. Ad Hoc Committee on Health Literacy for the Council on Scientific Affairs, American Medical Association. JAMA. 10 de fevereiro de 1999;281(6):552–7. https://dpi:10.1001/jama.281.6.552

Hogerzeil H V, Barnes KI, Henning RH, Kocabasoglu YE, Moller H, Smith AJ, et al. Teacher’s guide to good prescribing. 2001. Available from: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/67010/WHO_EDM_PAR_2001.2.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Brasil. Brasília saudável – Fortalecimento da atenção primária à saúde no Distrito Federal. 2016; Available from: http://www.coren-df.gov.br/site/wp-content/uploads/2016/06/BRASILIA_SAUDAVEL_DOCUMENTO_REFERENCIAL.pdf

Revorêdo LDS, Maia RS, Torres GDV, Chaves Maia EM. O USO DA TÉCNICA DELPHI EM SAÚDE: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DE ESTUDOS BRASILEIROS. RACS. 13 de julho de 2015;22(2):16. http://dx.doi.org/10.17696/2318-3691.22.2.2015.136

Alexandre NMC, Coluci MZO. Validade de conteúdo nos processos de construção e adaptação de instrumentos de medidas. Ciênc saúde coletiva. julho de 2011;16(7):3061–8. https://doi.org/10.1590/S1413-81232011000800006

Castro AV, Rezende MA. A técnica Delphi e seu uso na pesquisa de enfermagem: revisão bibliográfica. Revista Mineira de Enfermagem. 2009;

Pasquali L. Psicometria. Rev esc enferm USP. dezembro de 2009;43(spe):992–9. https://doi.org/10.1590/S0080-62342009000500002

Ferreira PL, Marques FB. Avaliação Psicométrica e Adaptação Cultural e Linguística de Instrumentos de Medição em Saúde: Cent Estud e Investig em Saúde da Univ Coimbra. 1998;0–24. Available from: file:///C:/Users/ana.miranda/Downloads/Avaliacao_psicometrica_e_adaptacao_cultural_e_ling%20(1).pdf.

Mendes E vilaça. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília, DF: Organização Pan-Americana da Saúde; 2012. 512 p. Available from: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cuidado_condicoes_atencao_primaria_saude.pdf

Polit DF, Beck CT, Owen SV. Is the CVI an acceptable indicator of content validity? Appraisal and recommendations. Res Nurs Health. agosto de 2007;30(4):459–67. https://doi: 10.1002/nur.20199.

Wermelinger M, Helena Machado M, de Fátima Lobato Tavares M, dos Santos de Oliveira E, Maria Nogueira Moysés N. A Força de Trabalho do Setor de Saúde no Brasil. Divulg em Saúde para debate [Internet]. 2010;45:154–70. Available from: http://www.ensp.fiocruz.br/observarh/arquivos/A Forca de Trabalho do Setor de Saude no Brasil .pdf

Tomasi E, Facchini LA, Piccini RX, Thumé E, Silveira DSD, Siqueira FV, et al. Perfil sócio-demográfico e epidemiológico dos trabalhadores da atenção básica à saúde nas regiões Sul e Nordeste do Brasil. Cad Saúde Pública. 2008;24(suppl 1):s193–201. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2008001300023

Scheffer M et al. Demografia Médica no Brasil 2018. Cremesp. 2018. 286 p.

Brasil. Constituição Federal. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. 1988; Available from: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm

Machado MDFAS, Monteiro EMLM, Queiroz DT, Vieira NFC, Barroso MGT. Integralidade, formação de saúde, educação em saúde e as propostas do SUS: uma revisão conceitual. Ciênc saúde coletiva. abril de 2007;12(2):335–42. https://doi.org/10.1590/S1413-81232007000200009

Cucolo DF, Perroca MG. Instrument to assess the nursing care product: development and content validation. Rev Latino-Am Enfermagem. agosto de 2015;23(4):642–50. https://doi.org/10.1590/0104-1169.0448.2599.

Sorfleet C, Vaillancourt R, Groves S, Dawson J. Design, Development and Evaluation of Pictographic Instructions for Medications Used during Humanitarian Missions. Can Pharm J. março de 2009;142(2):82–8. https://doi.org/10.3821/1913-701X-142.2.82

Barros I, Alcântara T, Santos A, Paixão F, Araujo G, Junior D. Semantic validation of subtitles and analysis of understanding of pictograms taken from the United States Pharmacopeia Dispensing Information (USP-DI). African J Pharm Pharmacol [Internet]. 2015;9(1):53–9. https://doi.org/10.5897/AJPP2014.%204125

Silva AEBDC, Cassiani SHDB. Erros de medicação em hospital universitário: tipo, causas, sugestões e providências. Rev Bras Enferm. dezembro de 2004;57(6):671–4. https://doi.org/10.1590/S0034-71672004000600007

Fleury S. Desigualdades injustas: o contradireito à saúde. Psicol Soc. 2011;23(spe):45–52. https://doi.org/10.1590/S0102-71822011000400007

Brasil. Pesquisa distrital por amostra de domicílios – Itapoã. 2014;

Conti M a., Aldelino C a., Leite LB, Vasconcelos SB. Partição de comprimidos: considerações sobre o uso apropriado. Cons Fed Farmácia. 2007;set/out(04–05):1–6.

World Health Organization.Renovação da atenção primária em saúde nas Américas documento de posicionamento da Organização Pan-Americana da Saúde / Organização Mundial da Saúde. Washington, D. C: OPAS / OMS; 2008. Available from: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_docman&view=download&category_slug=atencao-primaria-em-saude-944&alias=737-renovacao-da-atencao-primaria-em-saude-nas-americas-7&Itemid=965

Damasceno RF, Caldeira AP. Teleconsultoria na atenção primária no norte de Minas Gerais: cenário e fatores associados à não utilização por médicos. Rev Eletron Comun Inf Inov Saúde [Internet]. 24 de dezembro de 2018 [citado 16 de agosto de 2023];12(4). https://doi.org/10.29397/reciis.v12i4.1312

Brasil. Lei 8080 – Lei Orgânica da Saúde. 1990; Available from: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8080.html

Brasil. As cartas da promoção da saúde. 2002; Available from: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cartas_promocao.pdf

Cloutier M, Vaillancourt R, Pynn D, Wade J, Preston C, Turpin PM, et al. Design and Development of Culture-Specific Pictograms for Type 2 Diabetes Mellitus Education and Counselling. Canadian Journal of Diabetes. dezembro de 2014;38(4):238–45. https://doi: 10.1016/j.jcjd.2014.03.010. Epub 2014 Jul 11.

Goel G. A comparative study to evaluate patients interpretation of USP and locally designed pharmaceutical pictograms. Pharma Times. 2010;

Braich PS, Almeida DR, Hollands S, Coleman MT. Effects of pictograms in educating 3 distinct low-literacy populations on the use of postoperative cataract medication. Canadian Journal of Ophthalmology. junho de 2011;46(3):276–81. http://dx.doi.org/10.1016/j.jcjo.2011.05.004

Thompson AE, Goldszmidt MA, Schwartz AJ, Bashook PG. A randomized trial of pictorial versus prose-based medication information pamphlets. Patient Education and Counseling. março de 2010;78(3):389–93. http://dx.doi.org/10.1016/j.pec.2010.01.010

Mansoor L, Dowse R. Written medicines information for South African HIV/AIDS patients: does it enhance understanding of co-trimoxazole therapy? Health Education Research. 1o de junho de 2006;22(1):37–48. http://dx.doi.org/10.1093/her/cyl039

Tesser CD. CUIDADO CLÍNICO E SOBREMEDICALIZAÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE. Trab educ saúde. 2019;17(2):e0020537. https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00205

Bellucci Júnior JA, Matsuda LM. Construção e validação de instrumento para avaliação do Acolhimento com Classificação de Risco. Rev Bras Enferm. outubro de 2012;65(5):751–7. https://doi.org/10.1590/S0034-71672012000500006

Montagne M. Pharmaceutical pictograms: A model for development and testing for comprehension and utility. Research in Social and Administrative Pharmacy. setembro de 2013;9(5):609–20. http://dx.doi.org/10.1016/j.sapharm.2013.04.003

Katz MG, Kripalani S, Weiss BD. Use of pictorial aids in medication instructions: A review of the literature. American Journal of Health-System Pharmacy. 1o de dezembro de 2006;63(23):2391–7.https://doi: 10.2146/ajhp060162.

Monteiro SP, Huiskes R, Dijk LV, Van Weert JCM, De Gier JJ. How Effective Are Pictograms in Communicating Risk About Driving-Impairing Medicines? Traffic Injury Prevention. 25 de fevereiro de 2013;14(3):299–308. https://doi: 10.1080/15389588.2012.710766.

Soares MA. Legibility of USP pictograms by clients of community pharmacies in Portugal. Int J Clin Pharm. fevereiro de 2013;35(1):22–9. https://doi: 10.1007/s11096-012-9698-z

Rolim EC, Valim JP, Veras J, Oliveira L, Miranda M. Modelo visual facilitado de receituário para população de risco - Receita Simples. 2017;468. Available from: https://www.abrasco.org.br/site/wp-content/uploads/2017/08/Livro-Anais-Cong-Politicas3_2017.pdf

Rolim EC, Rolim CLRC, Souza MNF de, Garcia CEA, Nobre Junior AF, Silva DLM. Uso de ferramentas de gestão clínica e de segurança do paciente em uma unidade básica de saúde no distrito federal TT - Use of clinical management and patient safety tools in a basic health unit in the federal district. Comun ciênc saúde [Internet]. 2018;29(supl. 1):79–83. Available from: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/periodicos/ccs_artigos/v29_supl_uso_ferramentas.pdf

Rolim EC, Gonçalvez FS, Rolim CLRC. Conhecimento na palma da mão: auto-cuidado apoiado e letramento funcional em saúde. 2019;

Tavares, N. U. L., Bertoldi, A. D., Mengue, S. S., Arrais, P. S. D., Luiza, V. L., Oliveira, M. A., Ramos, L. R., Farias, M. R., & Pizzol, T. da S. D.. (2016). Factors associated with low adherence to medicine treatment for chronic diseases in Brazil. Revista De Saúde Pública, 50, 10s. https://doi.org/10.1590/S1518-8787.2016050006150

DiMatteo MR. Variations in patients’ adherence to medical recommendations: a quantitative review of 50 years of research. Med Care 2004;42(3):200-9. DOI:10.1097/01.mlr.0000114908.90348.f9

» https://doi.org/10.1097/01.mlr.0000114908.90348.f9

Smith, M. V. A., Adams, D., Carr, C., & Mengoni, S. E. (2019). Do people with intellectual disabilities understand their prescription medication? A scoping review. Journal of applied research in intellectual disabilities: JARID, 32(6), 1375–1388. https://doi.org/10.1111/jar.12643

Published

2023-11-06

How to Cite

Rolim, E. C., Yung, F. R., Rocha, D. G., Lima, R. F., Santana, R. S., & da Silva, D. L. M. (2023). Desenvolvimento e validação de modelo visual de receituário adaptado às necessidades da população com doenças crônicas - receita simples. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 21(11), 19217–19243. https://doi.org/10.55905/oelv21n11-035

Issue

Section

Articles

Most read articles by the same author(s)