A ambivalência da villa falene, de une si longue lettre, de Mariama Bâ

Authors

  • Alexandra Almeida de Oliveira
  • Goiandira Ortiz de Camargo
  • Philippe Humblé

DOI:

https://doi.org/10.55905/oelv21n11-212

Keywords:

Mariama Bâ, casa, lugar e não-lugar, espaço da enunciação

Abstract

Este artigo analisa o valor ambíguo da Villa Falène, residência de Ramatoulaye, como lugar e não-lugar no romance Une si longue lettre, da escritora senegalesa Mariama Bâ. A casa se apresenta, por um lado, como um espaço de opressão de sua proprietária e, em determinados momentos, do sexo feminino de forma geral. Por outro lado, ele foi eleito pela protagonista, por ser o recanto mais acolhedor, para o desvelo de sua alma. Selecionaremos fragmentos da narrativa a fim de evidenciarmos essa tensão. Procederemos ao referido exame, à luz dos estudos de George Joseph (2003), Marc Augé (1994), e Gaston Bachelard (2008), sobretudo.

References

AUGÉ, Marc. Não-lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. 1ª edição. Tradução de Maria Lúcia Pereira. Campinas, SP: Ed. Papirus, 1994.

BÂ, Mariama. Une si longue lettre. 1a edição. NEA: Dakar/Abidjan/Lome, 1979.

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. Tradução de Antônio da Costa Leal e Lídia do Valle Santos Leal. 2ª edição. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

BADINTER, Elisabeth. Um amor conquistado: o mito do amor materno. 2ª edição. Tradução de Waltensir Dutra. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina: a condição feminina e a violência simbólica. 17ª edição. Tradução de Maria Helena Kühner. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2020.

DOGLIOTTI, Rosa-Luisa Amalia (2000). Le thème du mariage mixte et/ou polygame comme foyer d’observation socioculturelle et interculturelle dans quatre romans francophones : mariages ou mirages ? 173 f. Dissertação (Dissertação em Artes) – Master of Arts, University of South Africa/Pretoria, 2000. Disponível em: https://uir.unisa.ac.za/handle/10500/18647. Acesso em 27 jul. 2023.

GENETTE, Gérard. Figuras III. 1a edição. Tradução de Ana Alencar. São Paulo: Estação da Liberdade, 2017.

JOSEPH, George. Centralité excentrique : la maison comme non-lieu dans Une si longue lettre de Mariama Bâ. In: AZODO, Ada Uzoamaka. Emerging perspectives on Mariama Bâ (org.). 1a edição. Trenton, New Jersey: Africa World Press, 2003. p. 351-376.

NDIAYE, Mame Coumba. Mariama Bâ ou les allées d’un destin. 1a edição. NEAS, Dakar, 2007.

OLIVEIRA, Alexandra Almeida de; CAMARGO, Goiandira Ortiz de. Um abrigo cha-mado escrita. Leitura em revista, Rio de Janeiro, n. 16, p. 265-267, abril de 2020. Dispo-nível em: https://iiler.puc-rio.br/leituraemrevista/index.php/LER/article/view/225. Acesso em 10 jul. 2020.

SILVA, Edilane Ferreira da; COSTA, Érika Maria Azevedo; MOURA, Geraldo Jorge Barbosa de. Topofobia e topofilia em “A Terra”, de “Os sertões”: uma análise ecocrítica do espaço sertanejo euclidiano. Soc. & Nat., Uberlândia, volume 2, n. 26, p. 253-260, mai/ago de 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sn/v26n2/1982-4513-sn-26-2-0253.pdf. Acesso em: 30 nov. 2018.

Dicionários eletrônicos

ATILF - Analyse et Traitement Informatique de la Langue Française; CNRTL - Centre National de Ressources Textuelles et Lexicales. Portail Lexical. Nancy: Centre National de la Recherche Scientifique (CNRS), 2005. Disponível em: http://www.cnrtl.fr/portail/. Acesso em 16 jan. 2019.

Published

2023-11-29

How to Cite

de Oliveira, A. A., de Camargo, G. O., & Humblé, P. (2023). A ambivalência da villa falene, de une si longue lettre, de Mariama Bâ. OBSERVATÓRIO DE LA ECONOMÍA LATINOAMERICANA, 21(11), 22535–22554. https://doi.org/10.55905/oelv21n11-212

Issue

Section

Articles